Vivência

A humildade não é sinônimo de fraqueza, mas sim uma virtude

A humildade é uma virtude que precisa crescer na alma da pessoa

No final do texto da semana passada, depois de trazer o exemplo de dois notáveis santos e um bom teólogo sobre o que pensam e como definem a humildade, hoje vamos ainda mais a fundo no assunto. Contramaré mesmo, pois nos dias atuais, humildade é sinônimo de fraqueza. Você vai ver que é bem o contrário.

Vale lembrar ainda, que todo aquele que não tem a humildade, portanto, o orgulhoso, como já foi explicado, traz em si a doce ilusão de ser Deus, ou portador de atributos divinos.

A humildade não é sinônimo de fraqueza, mas sim uma virtude

Foto Ilustrativa: Jorge Ribeiro /cancaonova.com

Para compreender a linguagem dos Santos a este propósito, é necessário distinguir entre a humildade em si, e a humildade como fundamento das outras virtudes.

São Tomás ensina, que a virtude da humildade é inferior às virtudes teologais, (fé, esperança e caridade), pois tem a Deus por objeto direto. É inferior também a certas virtudes morais, como a prudência, a religião, e a justiça legal que diz respeito ao bem comum; mas é superior às outras virtudes morais (exceto talvez a obediência), por causa do seu caráter universal, e porque nos submete à ordem divina em todas as coisas.

Se porém, se considera a humildade, enquanto chave que abre os tesouros da graça, e o fundamento das virtudes, é, no dizer dos Santos, uma das virtudes mais excelentes.

A chave que abre os tesouros da graça

A alma humilde não se alegra nas graças que lhe dá, antes, pelo contrário, refere a Deus toda a glória que delas provém. Os soberbos monopolizam as graças para o seu proveito e fazem dela um título de glória para si mesmos. Por outro lado, a humildade esvazia-nos a alma de amor próprio e vanglória, e assim prepara nela para a graça uma vasta capacidade, que Deus sumamente deseja encher; porque, como diz S. Bernardo, “há estreita afinidade entre a graça e a humildade”.

Fundamento de todas as virtudes

A humildade é, se não a mãe, ao menos a que nutre todas elas, sob um duplo aspecto, a saber: sem ela não há virtude sólida, com ela todas as virtudes se tornam mais profundas e perfeitas. Como o nosso orgulho é o maior obstáculo à , (veja só!!!) é certo que a humildade torna a nossa fé mais pronta, mais fácil, mais firme, e até mais esclarecida. É reciprocamente a fé, mostrando-nos a infinita perfeição de Deus e o nosso nada, confirma-nos na humildade.

O mesmo se diga da esperança: o orgulhoso confia em si mesmo e confia demais nas próprias forças; quase nem pensa em implorar o auxílio divino. O humilde, pelo contrário, põe toda a confiança em Deus, porque desconfia de si mesmo. A esperança, por sua vez, torna-nos mais humildes, porque nos mostra que os bens celestiais estão de tal modo acima das nossas forças que, sem o auxílio onipotente da graça, os não poderíamos alcançar.

A caridade tem por inimiga o egoísmo; é pois, no vácuo de nós mesmos, ou seja, em nosso esvaziamento, que aumenta o amor de Deus; e este, por sua vez, torna mais profunda a humildade, porque nos sentimos felizes em nos eclipsarmos diante daquele que amamos. Não há nada mais sublime que a caridade, porém, só quem é humilde a prática. Do mesmo modo, para exercitar a caridade para com o próximo, não há meio mais seguro que a humildade, que lança um véu sobre os seus defeitos, e nos faz ter compaixão das suas misérias, em vez de nos indignarmos contra ele.

A religião é mais perfeitamente praticada quando se vê que tudo se deve aniquilar e sacrificar a Deus.

A prudência exige a humildade

Os humildes refletem e a consultam antes de fazer qualquer coisa. A justiça não se pode praticar sem humildade, porque o orgulho exagera os seus direitos em detrimento dos do próximo.

A fortaleza cristã, verdadeiramente só existe naqueles que, conscientes da própria fraqueza, se apoiam no Único que os pode fortificar.

A temperança e a castidade, já vimos que supõem a humildade. A mansidão e a paciência não se praticam bem, senão quando se sabem aceitar as humilhações.

Assim pois, se pode dizer que sem humildade não há virtude sólida e duradoura, e que por ela, ao contrário, todas as virtudes crescem e se enraízam mais profundamente na alma.

Conteúdo baseado no livro COMPÊNDIO DE TEOLOGIA ASCÉTICA E MÍSTICA – Autor Adolf Tanquerey


Roger de Carvalho

Roger de Carvalho, natural de Brasília – DF, é membro da Comunidade Canção Nova desde o ano 2000. Casado com Elisangela Brene e pai de dois filhos. É estudante de Teologia e Filosofia.
Autor do blog “Ad Veritaten“.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.