Exemplo

A prática da humildade na vida de Jesus

Reflita sobre como Jesus exerceu a virtude da humildade

Na semana passada, meditamos sobre como Jesus exerceu a virtude da humildade. Procuramos dar um monte de exemplos para termos um norte de como devemos seguir, a fim de conquistarmos tão linda virtude. Linda, porque a humildade é a mãe de todas as virtudes. Sem ela, não alcançamos as outras.

Na vida de Jesus, há para nós todos os exemplos necessários para nos sustentar e fortalecer, na prática, de todos os gêneros de humildade; Ele nos pede que o sigamos e o imitemos. Para que hesitar? Ele mostrou tudo o que somos capazes de imitar. Vejamos, pois, como podemos, seguindo o seu exemplo, praticar a humildade para com Deus, para com o próximo e para conosco.

A prática da humildade na vida de Jesus

Foto Ilustrativa: Jorge Ribeiro/ cancaonova.com

Como se manifesta a humildade?

Para com Deus, manifesta-se a humildade, sobretudo de dois modos:

a) Pelo espírito de religião, que honra em Deus a plenitude do ser e da perfeição. Daqui, nascem aqueles sentimentos de adoração, louvor, temor filial e amor. Sentimentos que brotam no coração, não somente na oração, mas percebendo Nosso Senhor na beleza das obras naturais e nas sobrenaturais, onde vemos verdades com a participação divina;

b) Pelo espírito de gratidão, que vê em Deus a fonte de todos os dons naturais e sobrenaturais, que admiramos em nós e nos outros. Em vez de nos envaidecermos desses dons, referimos a Deus toda a honra que lhes é devida, e reconhecemos que, muitas vezes, bem indigno foi o uso que deles fizemos.

Para com o próximo, o princípio que nos deve guiar é este: ver o que Deus nele depositou de bem, sob o duplo aspecto natural e sobrenatural. Admirá-lo sem inveja nem ciúme; lançar, ao contrário, um véu sobre seus defeitos e escusá-los na medida do possível, ao menos quando não os temos que dirigir.

Se virmos o próximo cair em qualquer falta, em vez de com isso nos indignarmos, oremos pela sua conversão; e digamos sinceramente que, sem a graça de Deus, haveríamos caído em faltas muito mais graves ainda.

Leia mais:
.: Confira os artigos da série “Virtudes Morais e Cardeais”
.: Como podemos crescer na fé, esperança e caridade?
.: Você sabe o que são e como adquirir as virtudes morais?
.: Qual a maior virtude do ser humano?

Podemos, efetivamente, considerar, sobretudo, senão exclusivamente, o que há de bom nos outros e o que há de mau em nós.

Em face de si mesmo, o homem é juiz, e, quando se conhece a fundo, vê claramente que é muito culpado e que há em si muitas tendências más; donde conclui que se deve desprezar. Quanto aos outros, porém, não é juiz nem o pode ser, visto não conhecer as suas intenções que são um dos elementos mais essenciais para julgar o seu procedimento; nem tampouco conhece a medida da graça que Deus lhe outorga. Julgando-nos, pois, severamente a nós mesmos e não julgando os outros senão com benignidade, chegamos à persuasão prática de que, afinal, nos devemos colocar abaixo de todos os outros.

Para conosco, eis o princípio que devemos seguir, sem deixarmos de reconhecer o bem que há em nós. Para darmos graças a Deus, devemos, sobretudo, considerar o que há de defeituoso, o nosso nada, a nossa incapacidade, o nosso pecado, a fim de nos conservarmos habitualmente em sentimentos de humilhação e confusão.

Humildade de coração

À luz deste princípio, mais facilmente praticaremos a humildade, que se deve estender ao homem todo: ao espírito, ao coração, ao exterior.

Humildade de espírito: Não exagerar os nossos talentos, mas nos humilhar de havermos tão mal aproveitado os que Nosso Senhor nos deu. Não procurar brilhar, nem atrair a estima dos homens, mas ser útil e fazer o bem. “Servir-se da Palavra de Deus e das coisas divinas para adquirir honra e estima é um sacrilégio!” (São Vicente de Paulo).

Praticar a docilidade intelectual, submetendo-se não só as decisões oficiais da Igreja, mas aceitando até cordialmente as direções pontifícias, ainda quando não infalíveis, dizendo-nos que há mais sabedoria nessas resoluções que em nossos próprios juízos.

A humildade de coração exige que não procuremos a glória nem as honras, mas prefiramos o último lugar, o esquecimento. “Não devemos jamais lançar os olhos nem os fixar no que há de bom em nós, mas nos aplicar a conhecer o que há de mau e defeituoso, e é esse um grande meio para conservar a humildade”. (S. Vicente de Paulo)

A humildade exterior não deve ser mais que a manifestação dos sentimentos interiores, muito embora os atos exteriores nos ajudem a robustecer os atos interiores: ter uma casa simples, usar roupas modestas, procurar estar limpo. O porte, o andar, a fisionomia, o modo de proceder modesto e humilde sem afetação, o trabalho manual, o conserto de roupas e calçados ajudam a produzir esse resultado. A condescendência com os outros, deferência e cortesia. Nas conversações, leva-nos a humildade a deixar falar os outros sobre as coisas que os interessam, e a falar pouco da nossa parte. Sobretudo, impede de falar de si mesmo e de tudo quanto se refere ao eu: é preciso ser santo, para poder falar mal de si sem pensamento reservado; e falar bem de si não é senão vaidade e orgulho.

A humildade é, pois, uma virtude muito prática e santificadora, que abraça o homem todo inteiramente; ajuda-nos a praticar as demais virtudes, sobretudo a mansidão.

Conteúdo baseado no livro COMPÊNDIO DE TEOLOGIA ASCÉTICA E MÍSTICA – Autor Adolf Tanquerey


Roger de Carvalho

Roger de Carvalho, natural de Brasília – DF, é membro da Comunidade Canção Nova desde o ano 2000. Casado com Elisangela Brene e pai de dois filhos. É estudante de Teologia e Filosofia.
Autor do blog “Ad Veritaten“.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.