ESCRITURAS

Os sentidos espirituais da Palavra de Deus

Explicando sobre a semente, que é a própria palavra de Deus, Jesus, no capítulo 4, do Evangelho segundo Marcos, dá duas informações esclarecedoras. A primeira é que a semente, que é a Palavra, é sempre a mesma e distribuída igualmente, colocando o seu entendimento e a salvação ao alcance de todos. Na segunda, ele dá a entender que o terreno onde essa semente cai provoca toda diferença na sua eficácia. Esse terreno é o interior do homem, a quem chamamos de coração do ser humano. Um coração pisado pelo excesso de informações do mundo não conseguirá fazer germinar a semente da santidade; aquele coração — duro como rocha pela autossuficiência—, até receberá a mensagem do céu, mas não gerará mudança de vida; o coração cheio com as preocupações da vida recebe a mensagem, a fará germinar, porém, acabará estrangulando a vida de santidade, assim como o espinheiro sufoca as plantas que compartilham do seu terreno.

Finalmente, os corações abertos à graça de Deus não só germinarão a Santidade, eles também produzirão várias escalas diferentes de obras boas, ou seja, de frutos.

Isso é uma constante da espiritualidade. Em linguagem teológica, podemos dizer que parte da vida espiritual sempre será ex opere operato, terá a sua eficácia própria produzida pelo próprio Deus e parte sempre será ex opera operantis, em que o grau da eficácia da graça no sujeito também depende do seu preparo e disposição interior para recebê-la.

Em um exemplo simples, pode-se dizer que, se entrássemos na mesma fila de comunhão com Santa Teresa de Calcutá, receberíamos o mesmo Cristo que ela, com todo Seu corpo, sangue, alma e divindade. No entanto, o efeito desse sacramento em mim, em você e nela seriam em graus completamente diferentes.

Os sentidos espirituais da Palavra de Deus

Foto ilustrativa: pcess609 by Getty Images

Compreensões espirituais do Reino

Também, por causa disso, naquela mesma passagem, Jesus faz uma declaração que, para alguns, é obscura e chocante: “A vós é revelado o mistério do Reino de Deus, mas aos que são de fora tudo se lhes propõe em parábolas, desse modo, eles olham sem ver, escutam sem compreender, sem que se convertam e lhes sejam perdoado” (Mc 4,12-13). Qual é o objetivo de se falar para não ser compreendido?

Veja, o que Ele está dizendo é que a disposição do coração dos maus, “os que são de fora”, é tão ruim que não permite nem mesmo a chegada da palavra/semente ao coração. E, ao mesmo tempo, dá outro dado interessantíssimo: existem sentidos ocultos na Palavra de Deus acessíveis somente para aqueles que têm uma vida espiritual elevada pela contemplação. Esses são aqueles que escutam o mesmo que os outros escutaram, mas compreendem muito além do que foi dito.

Assim, se os que não perseveram na Graça Santificante irão ler e não entender nada, os que são iniciantes compreenderão somente o nível superficial das palavras, sem penetrar nos seus sentidos mais elevados.

O sentido espiritual das escrituras

Hugo de São Vítor (1096-1141) em suas “Anotações Prévias sobre as Escrituras e os Autores Sagrados”, esclarece que toda a Palavra de Deus pode ser interpretada segundo três modos de entendimento: histórico, alegórico ou moral.

Tal visão, desenvolvida durante todo o primeiro milênio da Igreja Católica, é confirmada por Santo Tomás de Aquino, na Suma Teológica, quando nos explica que: “Em todas as ciências as palavras são portadoras de significação, mas a Escritura Sagrada tem como próprio que as mesmas coisas significadas pelas palavras significam algo por sua vez. A primeira significação, segundo a qual as palavras designam certas coisas, corresponde ao primeiro sentido, que é o sentido histórico ou literal. A significação pela qual as coisas significadas pelas palavras designam ainda outras coisas é o chamado sentido espiritual, que está fundado no sentido literal e o pressupõe” (ST ParteI-Q01A10).

Ou seja, trazendo para a passagem do Evangelho que viemos discorrendo até aqui, Santo Tomás está dizendo que a palavra/semente significa ou corresponde aos diversos tipos de sementes que vemos na natureza. Nisto consiste a relação entre palavras e realidade que compõe a comunicação humana. Em semiótica, significante e significado.

Leia mais:
.:Como estudar e entender a Bíblia?
.:Como compreender o contexto das passagens bíblicas?
.:A Bíblia no meu dia a dia
.:Que mundo é este?

O sentido espiritual precisa estar adequado à realidade

Além disso, Santo Tomás também está dizendo que, na Bíblia, como Jesus mesmo explicou nessa passagem, a semente não é somente o grão do fruto, mas tem um outro significado, tem um sentido a mais que, neste caso, é a própria Palavra de Deus (seja escrita ou falada). Essa é a dupla divisão que o Doutor Angélico faz: literal e espiritual. No sentido literal, uma semente é o grão do fruto que gerará outra planta, no sentido espiritual, é a Palavra de Deus.

Não é por capricho que ele condiciona o sentido espiritual a estar fundado ou pressuposto no sentido literal das coisas, isto é, o sentido espiritual precisa estar adequado à realidade literal ou natural que vemos. Porque a semente é, no mundo, aquilo que germina e gera uma nova árvore; é tão apropriado entender, espiritualmente, que a Palavra de Deus é uma semente (porque gera uma vida nova), ao ser sepultada no campo do coração (que, como a terra, pode ser fértil ou não).

Podemos ir ainda mais adiante e, seguindo Santo Agostinho, dizer que todo sentido espiritual encontrado nas Sagradas Escrituras, se for necessário à Fé, isto é, se for ponto essencial para a crença ou a vivência da Fé, encontra-se também como sentido literal em alguma outra parte das próprias Escrituras. Desse modo, a Bíblia torna-se um conjunto sempre coeso entre história, realidade das coisas, e espiritualidade.

A providência divina dispôs o texto e os livros sagrados de forma transparente, mas selada

Olhando exclusivamente a passagem de Marcos, pode-se argumentar que Jesus não disse ali que o terreno onde cai a semente é o coração do homem. E podemos responder que isso não é necessário, pois, esse sentido literal já é trazido no Salmo que diz: “Minha alma está sedenta de vós, e minha carne por vós anseia como a terra árida e sequiosa, sem água” (Sl 62,2); ou seja, a correspondência entre interior do homem e a terra, que é implícita em Marcos, é explícita nesse Salmo; tal como Santo Agostinho disse.

Entenda que nada disso é fruto do acaso. A providência de Deus dispôs de tal maneira o texto e os livros sagrados para que fossem, ao mesmo tempo, transparentes e selados. Fáceis àqueles que se dedicam a permanecerem unidos ao Cristo, impossível aos que se pautam pela vivência no pecado. E também para que possuíssem níveis profundos de entendimento e níveis mais rasos, mas de tal modo que nada do que fosse essencial ficasse completamente encoberto e, se em determinada passagem fosse obscuro, em outro ponto fosse nitidamente claro. E isso explica o porquê de aqueles que se dedicam a clarificar o sentido espiritual das escrituras utilizam-se, sistematicamente, de outras partes das próprias escrituras para isso.

Os três sentidos espirituais

Para ficar claro, o sentido histórico ou literal significa exatamente aquilo que diz. Assim, Jerusalém é uma cidade de verdade e que existe até hoje, Jesus é um homem que nasceu, morreu e ressuscitou na terra de Israel, os cedros do Líbano são árvores, o mar é uma vasta extensão de água etc.

Já o sentido espiritual utiliza-se de coisas reais e históricas para revelar novas coisas: Jerusalém também é a Igreja Católica, também é o Paraíso, também é a alma de cada ser humano que vive em Santidade, dependendo do sentido espiritual oculto no texto. Bem como os cedros do Líbano são os homens de alta santidade, o mar é o mundo em que vivemos, inconstante e perigoso etc.

Como você notou com o exemplo de Jerusalém, dentro dessa segunda significação ou sentido espiritual, um mesmo nome literal possui diferentes significados. Isso acontece porque, segundo Santo Tomás, três são os sentidos espirituais: alegórico, anagógico e o moral.

Segundo essa leitura, pode-se dizer que a Igreja é Jerusalém, pois, alegoricamente ou “como figura”, a Igreja é a “cidade santa”, a “sociedade de Deus”. O céu ou paraíso é Jerusalém anagogicamente (anagogia = figura da Glória futura), porque lá é que viverão os escolhidos de Deus junto à sua habitação, como, historicamente, na cidade santa estava o Templo do Deus Vivo.

E, por último, no sentido moral ou como “figura do que devemos fazer” ou “o modo com devemos nos comportar” podemos, corretamente, chamar a alma em estado de Graça de “Jerusalém”, pois é nela que Deus habita verdadeiramente como no seu templo.

Os sentidos se entrelaçam

Numa simples frase das Escrituras, o sentido literal-histórico e os vários sentidos espirituais se entrelaçam constantemente. Quando Jesus diz aos seus discípulos: “Permaneçam em Jerusalém” (Lc 24, 49), sem prejuízo nenhum, podemos entender que Ele estava instruindo os apóstolos a:

  • Não sair da cidade de Jerusalém (histórico ou literal), pois, lembre-se: o Espírito Santo viria sobre eles;
  • Não se dispersarem, permanecerem unidos como Igreja (sentido espiritual alegórico), pois Jesus concebeu sua Igreja como uma Unidade;
  • Permanecerem unidos também a Deus em constante oração (sentido moral). Obviamente, não existe união entre os irmãos se não houver primeiro união com Deus;
  • Manter o foco na salvação eterna (sentido anagógico), na construção do Reino dos Céus. Afinal, precisamos construir, já aqui neste mundo, a nossa casa na Jerusalém Celeste.

Os diversos comentadores das Sagradas Escrituras, até o ano 1.200 d.C., fizeram a análise de cada frase de todo o acervo dos livros inspirados da Bíblia, linha a linha. Após esse período, temos também impressionantes análises espirituais de trechos da Palavra de Deus dos grandes Santos e Doutores da Igreja Católica até o dia hoje. Verdadeiros tesouros de Sabedoria.

A santidade é o caminho para a compreensão dos mistérios

Quer chegar até lá? O caminho é uma vida de santidade… A Palavra de Deus permanece um livro selado, e somente o Cordeiro pode abri-lo (Ap 6,1). Ele abre para aqueles que rejeitam o pecado e se tornam seus discípulos, conquistando as virtudes e realizando as boas obras que elas indicam. Ou, como um dos comentadores das Escrituras, conhecido como Pseudo-Jerônimo (por volta do século VI), explicou com maestria:

“De acordo com a medida da fé, reparte-se para cada um a compreensão dos mistérios, e as virtudes da ciência também lhe serão acrescentadas. (…) isto é, quem tem fé, terá a virtude; e quem guarda a obra da palavra, terá também a compreensão do mistério; e, inversamente, quem não tem fé é desprovido de virtude; e quem não guarda a obra da palavra não a compreende; e quem não compreende já perdeu o que ouviu.”

Se você entendeu que a compreensão dos sentidos espirituais da Palavra só virá com uma vida de santidade e ainda não sabe como progredir na vida espiritual, eu te recomendo dois livros: “Santidade para Todos: Descobrindo as Moradas Interiores” e “Lumen: no Princípio da Vida Espiritual”.


Flávio Crepaldi

Flavio Crepaldi é teólogo, casado e pai de três filhas. Além do bacharelado em Teologia, possui formação em Comunicação e especialização em Gestão, sendo colaborador da TV Canção Nova desde 2006. É o autor do livro “Santidade para todos: Descobrindo as Moradas Interiores”, em que, de maneira prática e descomplicada, ele explica o caminho espiritual pela busca da santidade.

comentários