Desejo

Será que tenho compulsão por compras?

Em certas épocas do ano, somos inclinados a gastar mais do que normalmente gastamos. A mídia, o comércio e a nossa remuneração nos levam a esse gasto. Com isso, é aquele “entra e sai” de loja de sapato, roupa, perfumaria, acessórios e até supermercados, sempre com uma sacolinha. Alguns até com o discurso de que estão comprando, “porque merecem”, porque trabalham o ano inteiro; outras que se escondem e falam que não estavam podendo comprar, mas precisavam de uma roupa nova. A discussão que levanto hoje é: será que a compulsão por compras é uma doença? Falta de vergonha na cara? Falta de planejamento orçamentário? Vamos discutir essa temática.

Você possui uma preocupação excessiva e/ou perda de controle sobre o ato de comprar? Tem notado um aumento progressivo do volume de compras? Percebe que existem tentativas frustradas de reduzir ou controlar as compras? Tem comprado para lidar com a angústia ou outra emoção negativa? Envolveu-se em mentiras para encobrir o descontrole com compras? Percebeu prejuízos nos âmbitos social, profissional e familiar? Apresenta problemas financeiros causados por compras?

Foto Ilustrativa: by Getty Image: SrdjanPav

Entenda a compulsão por compras

Seja honesto ao responder esses questionamentos. Você se enquadra em quantos deles? Não preciso ter 100% de aprovação nessas perguntas; 50% positivo já diz que existe um comportamento por compras disfuncional. Você pode estar sendo acometido por uma doença psíquica e não sabe disso.

O transtorno de comprar está inserido no DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico), no grupo dos transtornos de controle dos impulsos. A compulsão por compras traz uma associação em cadeia, até que seja estabelecida como patologia. Inicialmente, a pessoa precisa ter o “start”, e quem tem essa função é o ato impulsivo, o desejo impetuoso de comprar, de obedecer aos seus pensamentos obsessivos que geram angústia e desconforto, chegando o momento em que a voz de comando seja obedecida, nesse caso, o ato da comprar, pois a pessoa só pensa em comprar o tempo todo.

O pensamento intrusivo surge sem que haja o desejo e aprovação da pessoa e invade a nossa mente. Não conseguindo o desviar, a pessoa acaba se entregando ao ato compulsivo para obter o alívio, o que gera um sentimento de culpa, sofrimento e arrependimento, por saber que cedeu a seu pensamento e que não poderia ter comprado, mas que não é suficiente para inibir a próxima compulsão.

O ato de comprar se dá pelo desejo

Ao responder esse pensamento (obsessivo) intrusivo, são liberados, imediatamente, neurotransmissores (cérebro) que produzem a sensação de prazer e alívio. Fechando esse ciclo, ele se repete, constantemente, pela necessidade de responder essa voz, que são os pensamentos intrusivos, configurando-se em um ato compulsivo. Podemos notar, então, que se trata de uma patologia,  que não é tão simples, e exige uma intervenção em três áreas disfuncionais diferentes: impulsividade, obsessão e compulsão.

Podemos compreender que a compulsão é um comportamento repetitivo e incontrolável, mal adaptativo, que podemos adquirir de qualquer coisa, seja por comida, drogas, álcool, sexo, cigarro, trabalho, atividade física ou compras. Nesse caso, o ato de comprar se dá pelo desejo e não pela necessidade.

Leia mais:
.: Causas da compulsão por comida
.: Como posso ter equilíbrio financeiro no fim do ano?
.: A virtude da temperança na sua vida
.: Dificuldade financeira: que gastos devemos cortar em tempos de crise?

Para quem tem compulsão por compras, ir aos centros de compras em época de liquidação e datas comemorativas é um grande perigo. É preciso fugir do perigo, porque o fato de saber que está em promoção, independente do quanto de desconto aquela loja oferece, já é um grande atrativo para o compulsivo. Quantos não exageraram na “Black Friday”? Consumiram muito mais pela força da propaganda do que pela necessidade do produto. E os exageros das festas de fim de ano? Roupas e brinquedos caros que enchem os olhos e realizam sonhos no Natal!

A disposição das mercadorias nas vitrines, as cores, os produtos (…), todas as coisas são apresentadas de forma a atrair o olhar do consumidor. No entanto, existe uma parcela da população que é atraída com maior facilidade, por terem esse transtorno consciente ou inconscientemente. É preciso ter consciência daquilo que você é, das suas limitações, para que possa lutar contra elas de forma adequada e com um poder de força maior por conhecer meu “inimigo”.

Qual é a causa dessa compulsão?

Infelizmente, não é como uma receita de bolo, que tem seus ingredientes e preparo bem descritos. Na psicologia, é preciso sempre averiguar a história da pessoa, pois pode ser que a raiz do problema seja fruto de um processo traumático vivido em uma determinada etapa da vida, que hoje, na vida adulta, apresenta-se desta forma. Essa resposta é um mecanismo de defesa adquirido por consequência de um quadro de vulnerabilidade emocional, ansiedade, sentimento de perda ou até mesmo um comportamento aprendido, que é acionado quando se sente ameaçado. Esse comportamento, normalmente, vem associado também a um transtorno de humor; no caso, depressão, ansiedade e fobia podem estar associados ou não. Inicialmente, o que se deve fazer é fugir da ocasião que o leva à compulsão, é entrar nas lojas apenas se verdadeiramente houver necessidade de compra e aprender a responder seus pensamentos intrusivos, para domá-los.

As respostas precisam ser coerentes e reais, para serem capazes de modificar o pensamento – o que não é fácil –, pois ele é imaginário e potente. Pode ser que sozinho você não consiga resistir e responder a seus pensamentos, por isso, o ideal é procurar ajuda psicológica para que um profissional o auxilie a vencer essa limitação.

O ato de comprar pode sim gerar prazer. A questão está em alimentá-lo com grande frequência, tendo, por vezes, comportamento impulsivo, caindo em um ciclo vicioso, e que a pessoa perde o controle. Diante desse cenário e vivendo tempos de crise, lanço uma pergunta: Estou podendo consumir o tanto quanto tenho costume? Ou será que não estou conseguindo controlar meus impulsos e acabo comprando um pouco mais do que deveria e poderia?


Aline Rodrigues

Aline Rodrigues é missionária da Comunidade Canção Nova, no modo segundo elo. É psicóloga desde 2005, com especializações na área clínica e empresarial e pós-graduada em Terapia Cognitiva Comportamental. Possui experiência profissional tanto em atendimento clínico, quanto empresarial e docência. Autora do livro “Conversando sobre ansiedade: aprenda a vencer os seus limites”, pela Editora Canção Nova. Instagram: @alinerodrigues.ss

comentários