Pais e filhos

Por que um irmãozinho?

Tome uma decisão e dê um irmãozinho para seu filho

Onde está a Margarida? Olê, olê,olá (2x)
Ela está em seu castelo, olê, seus cavalheiros (2x)
Mas o muro é muito alto, olê, olê, olá (2x)
Tirando uma pedra não faz falta, olê, olê, olá (2x)
Apareceu a Margarida, olê, seus cavalheiros

Cantiga de roda em música popular, cujo domínio é público. Essa era uma brincadeira do tempo que as meninas usavam saias rodadas, seguravam na barra da saia e iam largando, a cada pedra tirada, até aparecer a Margarida. (Lauria, Nair Spinelli – Quintal… saudade ou utopia?)

Vamos brincar de roda? Onde está a Margarida? Coitada! Dentro do castelo, e ninguém a \pode visitar; afinal, o muro é bem alto, só receberá visita se pedra por pedra dele cair.

Por que um irmãozinho?

Neste momento, eu o convido a derrubar o muro do castelo que protege seu filho único. A sua Margarida está querendo conhecer quem está aqui fora, como são as ruas, as cores das lojas, a natureza. A Margarida, que aqui está representando os filhos únicos, querem conviver, ter com quem brigar e fazer as pazes. Querem ter com quem competir, dividir, brincar de casinha ou trocar os brinquedos e a roupa que veste.

Margaridas, em sua maioria, não nasceram para viver em um castelo. Então, por que não um irmãozinho para o seu filho? Considerando a situação socioeconômica do nosso país, estamos ficando engessados diante dos nossos sonhos, mas será preciso enfrentá-lo, a fim de que não interrompamos os planos de Deus para a humanidade e para nossos filhos que precisam de irmãos. O ambiente escolar não é o suficiente para eles. É necessário a companhia de um irmão em casa. Os pais, para realizar essa função, precisam de mais um filho.

Claro que não estamos determinando situações, mas fazendo uma reflexão crítica do fato que está determinando a criação: MEDO. Medo de não ter um trabalho para criar, medo de não ter uma empregada, de não pagar uma boa escola… medo, medo, medo… Quanto medo! E a função do medo, quando fora da proporção natural, é o de paralisar o que e como pensamos para educar os nossos filhos, impedindo que alcancem bons amigos, experiência com Deus e se tornem profissionais de sucesso com autonomia intelectual e emocional.

Quando só temos um filho, ficamos sem saída e alimentamos a ilusão social de que o teremos para a vida toda; extinguimos o medo de perdê-lo, uma vez que estão tão protegidos. Nós o colocamos o maior tempo possível no castelo e mudamos os nossos papéis, afirmando não ter problema a falta do irmão, porque somos os verdadeiros amigos deles. A ausência do medo de perdê-lo tem feito com que os pais não busquem as melhores estratégias para criá-los. A situação piora com a falta de um irmão. O filho único está sempre sozinho, porque a vida da família continua, como se tivesse deixado em casa um filho em boas companhias. Os pais assumem a posição de defensores, fecham os olhos para suas fragilidades, dificilmente identificam os verdadeiros fatores que têm provocado mudança no comportamento do seu rebento. A ideia sempre é: “Quem conhece o meu filho sou eu!” E, assim, o reizinho vira tirano, sem ter um irmão para oportunizá-lo a ajustar seu comportamento.

Os irmãos brigam, mas quase sempre se amam. Muitas vezes, os pais não prestam atenção nas relações entre eles, como se ainda a figura da mãe ocupasse o lugar central da família. Hoje, que a rotina dos pais começa cedo e termina tarde, o filho único, provavelmente, tem vivido os seus dias em frente à TV, desenvolvendo uma linguagem de meias palavras, ou na casa da vovó – muitos anos mais velha do que ele –, sendo reclamado o tempo todo, por mais que também seja paparicado. E mesmo com essa realidade, os pais querem retornar para casa e ver o filho feliz, contando tudo ( não sei o quê e com quem) o que fizeram durante o dia. Retornam como se estivessem criando seus filhos.

Trata-se de uma realidade dura, mas que exige posicionamento dos adultos diante dos seus desejos. A família contemporânea é um leque de arranjos familiares. Mas não tem por onde correr. Um irmão busca o outro. “Irmãos não se divorciam, não criam novas famílias e têm uma presença mais próxima e constante na vida uns dos outros, especialmente na infância, mas também ao longo da adolescência. Um estudo realizado pela Penn University, nos Estados Unidos, aponta que irmãos passarão 33% da vida juntos.” (Pesquisa: Noelly Russo, irmã de Nilza e Nelson 07.06.2013). A pesquisadora ressalta que:

“São eles quem ensinam, na prática, a dividir, ainda que, às vezes, na marra, objetos e afetos. É com os irmãos que se tem contato com a dinâmica complexa de viver em sociedade, onde é necessário fazer concessões, perseverar, lutar por seus direitos; enfim, conviver. Caso contrário, as consequências podem ser desastrosas. Os irmãos não são escolhidos como os amigos. São as pessoas com quem você divide a casa e os pais sem ter pedido.”

Por que um irmãozinho? Para que você, pai e mãe, não virem os mesmos que salvam e perseguem. Para que vocês, ao ver seu seu filho crescer e deixar o ninho, não assumam a função das velhas vítimas que sempre dizem: “Fiz tudo, dei de tudo e agora estou sozinho. Antes, tivesse outro filho!”. Que a decisão de ter ou não mais um não esteja baseada apenas em questões econômicas.

Que tal, ao terminar de ler este texto, enviar uma mensagem de amor ou perdão para o seu irmão?


Judinara Braz

Administradora de Empresa com Habilitação em Marketing.
Psicóloga especializada em Análise do Comportamento.
Autora do Livro “Sala de Aula, a vida como ela é.”
Diretora Pedagógica da Escola João Paulo I – Feira de Santana (BA).

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.