entenda

Você sabia que a falta de perdão pode ser prejudicial à saúde?

O perdão é essencial para uma vida mais leve

“…perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos aqueles que nos tem ofendido…”

Fazemos essa oração todos os dias, mas será que a estamos praticando? Jesus nos deixou a receita para as doenças da alma, mas nós nem nos damos conta disso! O perdão é uma palavra tão conhecida, mas difícil de ser vivida na prática! Será que você sabe perdoar? Será que você consegue perdoar?

-Você-sabia-que-a-falta-de-perdão-pode-ser-prejudicial-à-saúde?-Foto: KatarzynaBialasiewicz

Acredito ser desnecessário falar sobre o que é o perdão; porém, falar sobre o que a falta dele é capaz de fazer seria melhor, apesar de ser comum também. No entanto, vale a pena. Perdão é uma ação, uma decisão, uma escolha, um verdadeiro remédio para a alma. Um sentimento provocado pelo relacionamento interpessoal, com o nome de mágoa, desgosto, amargura e ressentimento.

Relacionar-se é exigente! Exige um sair de si mesmo, constantemente, pois, quando entramos em conflito com o outro e até com nós mesmos, podemos sair da “discussão” feridos, traumatizados. Tais traumas podem produzir sentimentos desagradáveis, que ficam escondidos; e quando surgem, controlam o ser humano, tornando-o irritado, com raiva e amargo com a vida e com as pessoas que estão a sua volta.

Esses sentimentos têm poder de destruição. São capazes de desenvolver doenças psicossomáticas que nem imaginamos. Problemas cardíacos, úlcera, depressão, nódulos e até mesmo tumor. São doenças físicas, que podem ter como origem a dificuldade de perdoar. É como se a pessoa implodisse, ou seja, explodisse para dentro dela mesma, por não conseguir liberar o perdão.

Pedir e conceder o perdão

É tão interessante, que podemos falar da necessidade de pedir perdão e também da necessidade de dar perdão. Muitas vezes, temos dificuldade de receber o perdão. A pessoa se humilha, arrepende-se do que fez, pede perdão, mas o outro, tão preso em suas emoções, amarguras, feridas e mágoas, não consegue perdoar. Isso também é destrutivo, porque a questão está no conseguir superar o sentimento produzido. Se eu ferir o outro e conseguir fazer o movimento de pedir perdão, posso estar superando meus sentimentos nocivos. O mesmo acontece com aquele que consegue dar o perdão para aquele que lhe pede.

Quem nos destrói são os sentimentos de mágoa e ressentimento, não o ato de perdoar. E perdoar é o nosso remédio, é a via de libertação, pois a mágoa e o ressentimento são sentimentos tão nocivos, que possuem capacidade de destruição, paralisação e retrocesso. Façamos o seguinte caminho:

– Reconhecimento: olhar para seus sentimentos e reconhecer que se sente ferido, e isso tem paralisado, adoecido você;
– Decisão: diante da minha paralisação e adoecimento, decido sair desse lugar;
– Ação: ter a iniciativa de pedir ou receber o perdão.

Não há como viver essas três etapas ao mesmo tempo. No entanto, é preciso esforçar-se para vencer uma de cada vez, olhando para a situação atual e focando no lugar que deseja chegar, a libertação dos sentimentos que acorrentam e adoecem.

Por que é tão importante perdoar?

O perdão tem poder de libertação. Faz-nos sair de nós mesmos, do nosso orgulho, vaidade e autossuficiência; conduz-nos a um caminho que nos faz reconhecer que somos imperfeitos e humanos, mas que podemos sempre recomeçar. Você está disposto a pedir e dar perdão ou vai ficar cultivando sentimentos capazes de gerar a morte? A escolha sempre será nossa, pois perdoar é ter a capacidade de libertar-se do seu pior sentimento!

Leia mais:
::Perdoar o outro é uma tarefa muito difícil, mas necessária
::O pessimismo pode ser algo que herdamos de nossos antepassados?
::Tenho transtorno do pânico. O que posso fazer diante disso?
::O que fazer para ter uma boa noite de sono e acordar bem disposto?


Aline Rodrigues

Aline Rodrigues é missionária da Comunidade Canção Nova, no modo segundo elo. É psicóloga desde 2005, com especializações na área clínica e empresarial. Possui experiência profissional tanto em atendimento clínico, quanto empresarial e docência.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.