entenda

O que é o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica?

Compêndio do Catecismo da Igreja Católica

O Compêndio é uma versão sintética do conteúdo do Catecismo da Igreja Católica. Em forma de perguntas e respostas, trata-se de uma versão popular, breve e direta da doutrina da Igreja, ou seja, daquilo que ela crê e vive.

“O objetivo do Compêndio é proporcionar aos católicos e outras pessoas interessadas uma explicação clara e direta da doutrina da católica, sem entrar em discussões ou exposições teológicas” (Dom Odilo Pedro Sherer, secretário geral da CNBB).

O que é o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica?

Foto ilustrativa: Paula Dizaró/cancaonova.com

Confira, a seguir, alguns tópicos do Compêndio (da sessão: Os dez mandamentos):

466. Por que a vida humana deve ser respeitada?

Porque é sagrada. Desde seu início ela comporta a ação criadora de Deus e permanece para sempre numa relação especial com o Criador, seu único fim. A ninguém é lícito destruir diretamente um ser humano inocente, sendo isso gravemente contrário à dignidade da pessoa e à santidade do Criador. “Não mates o inocente nem o justo” (Ex 23,7). (2258-2262 2318-2320).

470. O que proíbe o quinto mandamento?

O quinto mandamento proíbe como gravemente contrários à lei moral:
– o homicídio direto e voluntário, e a cooperação com ele;
– o aborto direto, querido como fim ou como meio, bem como humano, desde sua concepção, deve ser respeitado e protegido de modo absoluto em sua integridade;
– a eutanásia direta, que consiste em pôr fim, com um ato ou omissão de uma ação devida, à vida de pessoas deficientes, doentes ou próximas da morte;
– o suicídio e a cooperação voluntária com ele, porquanto é uma ofensa grave ao justo amor de Deus, de si e do próximo; quanto à responsabilidade, ela pode ser agravada em razão do escândalo ou atenuada por particulares distúrbios psíquicos ou grave medo. (2268-2283 2321-2326)

471. Quais procedimentos médicos são consentidos quando a morte é considerada iminente?

Os cuidados que ordinariamente se devem a uma pessoa doente não podem ser legitimamente interrompidos. São, porém, legítimos o uso de analgésicos, que não tenham a morte como objetivo, e a renúncia à “obstinação terapêutica”, ou seja, a utilização de procedimentos médicos desproporcionais e sem razoável esperança de êxito positivo. (2278-2279)

Leia mais:
::Conheça os sete sacramentos e suas particularidades
::Por que devo estudar o Catecismo da Igreja Católica?
::Os princípios do Código de Direito Canônico
::O que é Doutrina Social da Igreja?

472. Por que a sociedade deve proteger todo embrião?

O direito inalienável à vida de todo indivíduo humano desde sua concepção é um elemento constitutivo da sociedade civil e da sua legislação. Quando o Estado não põe sua força a serviço dos direitos de todos e em particular dos mais fracos, entre os quais os concebidos ainda não nascidos, minam-se os fundamentos mesmos de um Estado de direito. (2273-2274)

475. Quando são moralmente legítimas as experiências científicas, médicas ou psicológicas com pessoas ou com grupos humanos?

São moralmente legítimas se estão a serviço do bem integral da pessoa e da sociedade, sem riscos desproporcionais para a vida e a integrada física e psíquica dos indivíduos, oportunamente informados e conscientes. (2292-2295)

Equipe Formação Portal Canção Nova

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.