Sintomas de Ansiedade Infantil

Como posso ajudar meu filho a lidar com a ansiedade?

Existem vários sintomas para observar o que é uma ansiedade normal ou não

Quando se fala em ansiedade em adultos, as pessoas acham normal, pois entendem que eles sofrem pressões de trabalho, financeiras ou em várias situações do dia a dia. Porém, podemos observar essa ansiedade como um problema também nas crianças, por características pessoais e como consequências de perdas, traumas ou percepção diante de uma situação conflituosa.

Como posso ajudar meu filho a lidar com a ansiedade?

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

O estresse é importante na vida das pessoas, pois é uma característica de sobrevivência humana; ele é como um elástico, mas se torna ruim quando arrebentamos o “elástico emocional” por puxá-lo demais.

As crianças também vivem isso de uma maneira saudável. Como é bom esperar pelo Natal! Quantas vezes as crianças perguntam, no início ou no meio do ano, se ele está chegando. Durante uma viagem, a pergunta “já está chegando?” atordoa os pais, mas esse tipo de ansiedade não precisa preocupar os pais.

Entretanto, eles precisam estar atentos aos sintomas quando percebem que essa ansiedade não é normal, porque precisam agir preventivamente ou o mais cedo possível. Como dica, é importante verificar mudanças de padrão no comportamento da criança, tais como choro, recusa em ficar sozinha ou com alguém estranho, preocupação excessiva com algo, medos exagerados, mudanças de hábitos alimentares ou de voltar a fazer xixi na cama ou na calça. Nesses casos, é necessária a intervenção dos pais ou, dependendo do caso, de um profissional.

O objetivo da intervenção é detectar as causas, entender a forma de pensar diante da situação vivida, oferecer ajuda e mostrar que podem contar sempre com o apoio familiar. Existem causas reais de ansiedade, tais como separação dos pais, morte de entes queridos, troca de escola ou de cidade que impactam e interferem no desenvolvimento da criança. Muitas vezes, com o intuito de preservar as crianças, não as deixam viver o luto da perda adequadamente. Mais tarde, aparecem sintomas de ansiedade.

Conversar e ensinar o processo de mudança

A postura dos pais é altamente impactante, comprometedora tanto na solução quanto no agravamento do problema. Nessa hora, o diálogo é fundamental; como também nas situações de mudanças que impactam diretamente os relacionamentos. No caso de separação, deixar claro que nem tudo será como antes, mas que isso não significa que perderam a condição de filhos para aquele que sai de casa. No caso de mudança de escola, visitar e escolher juntos a nova escola ajuda, e se for preciso, ficar na escola durante o período de adaptação e acompanhar junto à professora.

Leia mais:
::Dicas práticas para contribuir com o desenvolvimento dos filhos
::O que acontece com o cérebro dos adolescentes no desenvolvimento?
::Vamos falar sobre o transtorno da esquizofrenia na infância?
::Como os pais podem ajudar os filhos a descobrirem sua vocação?

Ou seja, toda mudança precisa ser conversada e, sempre que possível, antes, durante e depois de uma ocorrência. Um exemplo é a mudança de uma cidade para outra. É importante que se comece a mostrar fotos da nova casa. Pesquisar junto o que tem de legal para fazer torna a mudança menos ameaçadora e prazerosa. Depois da mudança, observar as reações diante dos novos amigos, evolução do desenvolvimento ou outras reações. Se os pais ficarem atentos, poderão fazer correções de rumo, que minimizarão os impactos e, consequentemente, a ansiedade.

É preciso ensinar aos filhos que preocupação excessiva é ocupar-se antecipadamente com problemas que poderão não acontecer; porém, isso é diferente de ensinar sobre prudência. O segredo é os pais estarem atentos aos comportamentos dos filhos, porque assim conseguirão perceber as alterações.


Ângela Abdo

Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape, pós-graduada em Gestão de Pessoas pela FGV, Gestão de Pessoas pela Faesa, graduada em Serviço Social pela Ufes e psicanalista. Consultora e Executiva na área de RH e empresa hospitalar. Foi coordenadora do grupo fundador do Movimento Mães que Oram pelos Filhos da Paróquia São Camilo de Lellis, em Vitória (ES) e do grupo de Amigos da Canção Nova de Vitória. Atualmente, é coordenadora nacional e internacional do Movimento Mães que Oram pelos Filhos. Escritora dos livros “La Salette, o grito de uma Mãe!” (2018), “Superação x Rejeição: Aprendendo a ser livre” (2017), “Ser Mulher À Luz da Bíblia: Porque Deus Pode Tudo!” (2016) e “Mães que Oram pelos Filhos” (2016). Participa do programa “Papo de Mãe que Ora”, no canal Mães que Oram pelos Filhos Oficial, e do “Mães que Oram pelos Filhos”, na Rádio América.  

comentários