transtorno psicótico crônico

Vamos falar sobre o transtorno da esquizofrenia na infância?

O que é a esquizofrenia?

A esquizofrenia é um transtorno psicótico crônico, que inclui delírios, alucinações, pensamento (discurso) desorganizado, comportamento motor grosseiramente desorganizado ou anormal e também sintomas negativos (expressão emocional diminuída, falta de vontade entre outros). Os delírios são caracterizados por crenças fixas e seu conteúdo pode incluir uma variedade de temas. As alucinações são experiências semelhantes à percepção, mas ocorrem sem estímulo externo, por exemplo, “ver” ou “ouvir” coisas.

-Vamos-falar-sobre-o-transtorno-da-esquizofrenia-na-infância

Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

A prevalência da esquizofrenia é de 0,3% a 0,7% da população, ou seja, não chega a 1% e costumam surgir entre o fim da adolescência e meados dos 30 anos de idade. O início, antes da adolescência, é considerado raro. A idade de pico do início do primeiro episódio psicótico é entre o início e a metade da faixa dos 20 anos para o sexo masculino e fim dos 20 anos para o feminino.

Apesar de raro na infância, crianças não estão livre de apresentar o transtorno. O diagnóstico da esquizofrenia infantil ou esquizofrenia precoce é bastante complicado, e os sintomas são parecidos com os dos adultos. Nas crianças, delírios e alucinações podem ser menos elaborados que nos adultos, e as alucinações visuais são mais comuns, devendo ser diferenciadas dos jogos de fantasias normais. Há que se ressaltar que o início da esquizofrenia na infância tem um prognóstico ruim, ou seja, o adulto que teve o episódio na infância terá mais dificuldade em relação ao transtorno.

Quais são os fatores biológicos?

Na esquizofrenia, os fatores biológicos são primários, e os fatores psicossociais têm influência muito importante. O componente genético é comprovado por estudos de família, adoção e gêmeos.

Normalmente, as crianças com esquizofrenia passam a se desinteressar pelas atividades que gostavam de realizar e começam a se isolar. No início, esse quadro pode ser facilmente confundido com a depressão infantil, pois a criança pode se mostrar retraída, perder o interesse pelas atividades habituais e apresentar distorções do pensamento e da percepção. As alucinações e delírios também ocorrem, sendo que é comum a criança apresentar medo de que as outras pessoas estejam controlando seus pensamentos e podem lhes causar algum mal. Diante desse quadro, a criança também pode apresentar diminuição das emoções, por exemplo, acontecimentos que, normalmente, provocariam o riso ou o choro, não produzir qualquer resposta. Pode ocorrer risos ou choros inadequados e sem motivo aparente.

O início do quadro da esquizofrenia infantil ou precoce geralmente é lento, e o diagnóstico é difícil, haja vista a interpretação da alteração do comportamento como período de transição entre as fases normais do desenvolvimento ou como consequência de algum acontecimento marcante. Quando os sinais e sintomas estão presentes, como os delírios e as alucinações, com queda no rendimento escolar, insônia, agitação e agressividade, o diagnóstico torna-se mais evidente.

Leia mais:
::Transtorno do espectro autista: O que é, sintomas e tratamentos
::Como evitar que a ansiedade e o estresse gerem doenças físicas?
::Tenho transtorno do pânico. O que posso fazer diante disso?
::A Síndrome de Down não é uma doença

Diante disso, o que os pais ou responsáveis devem fazer?

Em primeiro lugar, os pais devem estar atentos a quaisquer mudanças no comportamento dos seus filhos. Os pais devem observar se as mudanças são emocionais, comportamentais ou das relações das crianças. Caso desconfiem de alterações no desenvolvimento, devem procurar sim ajuda profissional. O psiquiatra infantil é o médico mais indicado para buscar ou descartar o diagnóstico de esquizofrenia. E quanto mais cedo identificadas possíveis distorções no desenvolvimento, maiores as chances de um diagnóstico preciso. A esquizofrenia não tem cura, mas tem tratamento e garante uma qualidade de vida na idade adulta, se as orientações medicamentosas e terapêuticas forem seguidas.

Também é de grande importância ouvir seu filho ou filha sem fazer julgamento ou crítica, mostrando que está atento às suas dificuldades. As alucinações ou delírios, por mais que sejam sintomas, para os esquizofrênicos são coisas reais e não devem ser desacreditadas. Diante de sintomas mais complexos, como insônia, fala desorganizada, isolamento e comportamento bizarro, os pais não devem forçar a criança a nenhum comportamento e também não devem forçá-la a enxergar a realidade. A ajuda profissional para a criança e para a família devem ser prioridade, pois todos devem aprender a conviver com o transtorno.

Referências:

Adock, B. J., & Sadock, V. A. (2007). Compêndio de Psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica. Porto Alegre: Artmed

American Psychiatric Association [APA] (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5ª Edição. Washington, DC: American Psychiatric Association,

Szatmari, P. (1999). Esquizofrenia com início na infância. In Kaplan, H. I. & Sadock, B. J. Tratado de Psiquiatria. 6ª ed. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul.

 

Lisandra Borges
Psicóloga infantil, psicopedagoga, mestra e doutora em Psicologia. Coordenadora terapêutica na clínica Fenix, centro de referência no tratamento de autistas severos. Professora do curso de graduação em Psicologia na Universidade São Francisco e da pós-graduação no IPOG.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.