Escolha errada

Jovens infelizes na profissão que escolheram, o que devem fazer?

Escolhi a profissão ou faculdade errada! E agora?

Muitos pais e filhos sonham, durante muito tempo, com uma determinada profissão e canalizam todos os seus esforços e recursos para a realização desse sonho. Momento de comemoração quando conseguem realizar tal projeto. Mas o encantamento pode se transformar em pesadelo, pois o trabalho escolhido não traz felicidade.

jovens-infelizes-na-profissao-que-escolheram-o-que-fazerFoto: Daniel Mafra/cancaonova.com

As pessoas se levantam e vão para o emprego como iriam para a prisão. Porém, a responsabilidade pela sobrevivência pesa, e a decisão de uma mudança de profissão ou emprego é sempre adiada.

Leia mais:
:: Mudar de profissão pode ser um bom negócio?
:: Só competência não basta para segurar o emprego
:: Como combater o desânimo no ambiente de trabalho?
:: Dicas para escolher a profissão ideal

Desânimo no trabalho

Começar a segunda-feira cansado, ir arrastando para o trabalho todos os dias, não ver sentido no que faz, entre outros, são sintomas da infelicidade com a carreira. Nesse momento, é hora de avaliar os porquês da insatisfação. Alguns motivos podem ser trabalhados e a pessoa permanecer na profissão, outros demonstram que é preciso mudar de rumo.

O primeiro passo é buscar o autoconhecimento, descobrir o que gosta e o que não gosta, as suas potencialidades e limitações. Muitos hobbies podem ser transformados em profissões de sucesso.

Outra descoberta que precisa ser feita é se a pessoa quer trocar de emprego ou tentar uma segunda opção de carreira. Um alerta: muitas vezes, não se trata de insatisfação com a profissão, mas com a vida pessoal. Por não buscar esse conhecimento, muda-se de carreira e a insatisfação continua.

Outro item importante, na tomada de decisão, são as informações do mercado, os nichos que podem ser ocupados e as demandas a serem atendidas, porque não basta fazer apenas o que se gosta, se isso não garante a sobrevivência desejada pela família. Nesse caso, resolve um problema pessoal e cria-se outro familiar.

Mudança de rota

Existem mudanças no percurso e mudança de rota quando você decide pela segunda opção. Busque aproveitar a experiência adquirida que pode ajudar na nova profissão, inicie uma nova faculdade, que poderá abrir novos mercados e ou descubra o empreendedor que existe em você e inicie um negócio próprio.

Empresas especializadas em Recursos Humanos sugerem algumas dicas para o amadurecimento da decisão: manter a calma, avaliar a sua capacitação e verificar as ramificações que ela lhe permite, analisar outras áreas que exerce atração sobre você, verificar as novas profissões no mercado que estão em consonância com seu perfil pessoal e profissional e cruzar esses dados com a realidade mercadológica. É preciso preparar seu coração para as barreiras que terão de ser vencidas. Sinta-se motivado durante a caminhada, pois é o querer que nos leva até onde almejamos. Acima de tudo, aprenda a ser feliz com o que conquistou ou mude, pois nunca é tarde para se trocar de profissão.


Ângela Abdo

Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape, pós-graduada em Gestão de Pessoas pela FGV, Gestão de Pessoas pela Faesa, graduada em Serviço Social pela Ufes e psicanalista. Consultora e Executiva na área de RH e empresa hospitalar. Foi coordenadora do grupo fundador do Movimento Mães que Oram pelos Filhos da Paróquia São Camilo de Lellis, em Vitória (ES) e do grupo de Amigos da Canção Nova de Vitória. Atualmente, é coordenadora nacional e internacional do Movimento Mães que Oram pelos Filhos. Escritora dos livros “La Salette, o grito de uma Mãe!” (2018), “Superação x Rejeição: Aprendendo a ser livre” (2017), “Ser Mulher À Luz da Bíblia: Porque Deus Pode Tudo!” (2016) e “Mães que Oram pelos Filhos” (2016). Participa do programa “Papo de Mãe que Ora”, no canal Mães que Oram pelos Filhos Oficial, e do “Mães que Oram pelos Filhos”, na Rádio América.  

comentários