SANTIDADE DIÁRIA

Sobrenaturalizar todas as nossas ações é se santificar

Quando pensamos nos santos da nossa Igreja, normalmente vêm à nossa mente imagens espetaculares de prodígios, milagres, profecias, êxtases místicos, martírios dramáticos. Santo Antônio, que pregou tão inspiradamente que até os peixes pularam do mar para ouvi-lo; São Pio de Pietrelcina, que recebeu os estigmas de Jesus; São Dionísio de Paris, que depois de decapitado segurou a sua própria cabeça e andou por vários metros até cair; Santa Teresa d’Ávila, com suas indescritíveis experiências místicas; Santa Catarina de Siena, simples e analfabeta, mas que ditava cartas que influenciaram reis e até fizeram o Papa voltar de Avignon para Roma.

“Eu não sou assim”, podemos ser levados a pensar.

“Só dá para ser santo quem é escolhido por Deus para fazer coisas assim, minha vida é muito ‘sem graça’, ‘simples’, não dá para sonhar com algo elevado como a santidade”.

Ledo engano!

Sobrenaturalizar todas as nossas ações é se santificar

Foto Ilustrativa: FG Tradeby/ Getty Images

Sobrenaturalizar o simples de cada dia

A maioria absoluta dos santos tiveram uma vida repleta de momentos comuns, rotina repetitiva e simples, na qual eles encontraram as ocasiões para buscarem a santidade. São João Maria Vianney foi pároco por quase quarenta anos da pequena aldeia de Ars. Nesse tempo, ele cuidou da paróquia, celebrou missa, ouviu confissões e rezou. Santa Dulce dos Pobres passou quase cinquenta anos cuidando dos pobres e dos doentes, sem que nada de aparentemente extraordinário acontecesse. Santa Teresinha do Menino Jesus é hoje uma das santas mais populares da Igreja, mas sua vida foi simples e ordinária dentro do convento carmelita.

Quantas vezes terá o então sacerdote João Maria Vianney varrido o chão rústico da sua igreja? Ou quantas vezes Irmã Dulce ajudou a trocar a fralda geriátrica de um idoso internado ou quantas vezes limpou o chão cheio de vômito aos pés da cama de um doente? Quantas vezes Santa Teresinha rezava enquanto lavava as panelas, arrumava seu quarto, cuidava do jardim ou seja lá qual fossem as obrigações de uma irmã carmelita do fim do século XIX?

Ao falar de santidade, dificilmente pensamos em uma pia cheia de pratos sujos, uma pilha de roupas para passar, um trabalho repetitivo, como ser caixa de supermercado ou motorista de ônibus, ou uma casa totalmente bagunçada para limpar e organizar. Certa vez, Santa Teresa d’Ávila estava preparando ovos para a refeição das monjas quando entrou em êxtase, com a frigideira na mão. Ao voltar a si, ela disse às suas filhas: “em meio às panelas também anda o Senhor”. O que nos ensina Santa Teresa com esse episódio? O que São Paulo já havia nos advertido: “Quer comais, quer bebais, quer façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus” (1 Cor 10,31).

O homem se santifica no amor que coloca nas ações ordinárias

É no específico da sua vida que você encontrará as oportunidades diárias para a sua santificação. “A conclusão que se impõe”, nos ensina o padre Adolphe Tanquerey, “é a necessidade de santificar todas as nossas ações, ainda as mais comuns”. Sua rotina é cuidar de uma casa, dar banho nos filhos pequenos, cozinhar? Esse é o lugar privilegiado para a sua santificação. Você trabalha como cobrador de ônibus, professor, pedreiro, caixa de supermercado? É nesse lugar que você pode ser santo. Como? Santificando cada ação, sobrenaturalizando os seus atos. O que isso significa? Que tudo que você fizer, faça por amor a Deus. E como você pode fazer isso? Consagrando cada ação, cada gesto, cada palavra, cada ato a Deus. Está cansado de dirigir o ônibus o dia inteiro e lidar com gente mal-educada?

Reze a cada minuto, dizendo: “Senhor, vou ser amável, vou ser educado, vou aguentar esse trabalho por amor a ti, só por amor a ti! Vou dirigir com atenção, com calma, respeitando as leis não porque meu patrão mereça, não porque os passageiros mereçam, mas por amor a ti, somente por amor a ti”. A rotina da sua casa é pesada? Você não aguenta mais cuidar de criança, lavar banheiro, fazer comida? Reze a cada minuto, dizendo a Deus que é por amor a Ele que você vai sorrir, por amor a Ele que você vai ser agradável, por amor a Ele que você vai dar o melhor e cozinhar a melhor comida, lavar o melhor banheiro.

Dê um sentido sobrenatural à todas as coisas

Não se trata de dizer isso uma vez, ao acabar de ler esse texto, e depois esquecer, mas sobrenaturalizar cada ato, ou seja, dar um sentido sobrenatural para cada coisa que você fizer. Se meu filho pequeno derrubou a comida no chão logo depois de eu limpar a casa, não vou murmurar, chorar ou gritar de raiva. Vou dizer a Deus: “Senhor, essa é mais uma oportunidade de eu crescer no amor. Por amor a ti, só por amor a ti vou limpar o chão e não vou despejar a minha raiva no meu filho pequeno, que nem sabe o que faz. Vou me manter silenciosa como Jesus diante de seus acusadores. Por amor a ti eu faço isso, Senhor, só por amor a ti”.

O mal está em desperdiçarmos todo esse terreno de santificação que é a nossa vida ordinária. No seu Compêndio de Teologia Ascética e Mística, o padre Adolphe Tanquerey nos dá uma lição fantástica:

Leia mais:
.:Como é viver a santidade na vida cotidiana?
.:O caminho da simplicidade
.:Todos nós somos chamados a ser santos do nosso jeito
.:O silêncio das pequenas coisas

A perseverança nas pequenas coisas é heroísmo

“Pode-se, pois, dizer com toda a verdade que não há meio mais eficaz, mais prático, mais ao alcance de todos, para se santificar uma alma, do que sobrenaturalizar cada uma das ações; este meio basta por si só para nos elevar em pouco tempo a um alto grau de santidade”.

Não espere por grandes acontecimentos para buscar a santidade. Não dê desculpas de que sua vida é puxada demais para se preocupar em ser santo ou que você tem preocupações demais. Viva o hoje, viva a sua realidade. Continue fazendo exatamente as mesmas coisas, mas mude o porquê. Mude a motivação e você encontrará sentido para tudo. Não é por obrigação, não é por dinheiro, não é pelo salário ou para receber elogios. É por amor a Deus. Antes de fazer qualquer coisa, recolha-se um momento, nos ensina Tanquerey.

Renuncie a toda intenção natural ou má (intenção natural é toda aquela que não é ruim, mas não é centralizada em Deus, como o seu próprio bem, o bem do outro, obter sucesso etc.). Ofereça a ação por Cristo, por amor a Ele. Tornar isso um hábito fortalece a nossa abnegação, nossa humildade e o nosso amor por Nosso Senhor Jesus Cristo. Por fim, siga o conselho de São Josemaria Escrivá: “Fazei tudo por amor. Assim não há coisas pequenas, tudo é grande. A perseverança nas pequenas coisas, por amor, é heroísmo”.

banner-hollyspirit


José Leonardo Nascimento

José Leonardo Ribeiro Nascimento é casado, pai de quatro filhos e membro do segundo elo da Comunidade Canção Nova desde 2007. Natural de Paripiranga (BA), cursou Ciências Contábeis na Universidade Federal de Sergipe e fez pós-graduação em economia por meio do Minerva Program, na George Washington University, nos Estados Unidos. Trabalha, há 18 anos, como Auditor Federal na Controladoria-Geral da União em Aracaju (SE). Ele e sua esposa trabalham, há muitos anos, com a evangelização de casais e de famílias, coordenando grupos e pregando em retiros e encontros.
Instagram: @leonardonascimentocn | Facebook: @leonardonascimentocn

comentários