Reflexão

Compreenda: a natureza da política é boa ou ruim?

A política faz parte da organização da sociedade, portanto, é preciso conhecer seu significado

“A fructibus eorum cognoscetis eos”
“Pelos frutos se conhece a árvore”

Quando falamos em política em nosso país, as pessoas imediatamente associam essa palavra a valores pejorativos, negativos, como corrupção, roubo, desonestidade. No imaginário popular, honestidade e política jamais dividiriam o mesmo espaço. Por que isso ocorre? Qual a origem dessa depreciação do ofício político?

Busquemos o significado etimológico da palavra política: derivada do grego politikos, “relativo ao cidadão ou ao Estado”1. Compreendemos, portanto, que a política se refere a toda nossa organização enquanto civilização, a partir do surgimento do Estado, ou seja, todas as derivações da existência do Estado, sejam elas boas ou ruins, são resultados de deliberações políticas. Sendo assim, as decisões políticas são originadas de situações positivas ou negativas.

Compreenda: A natureza da política é boa ou ruimCopyright: rmnunes

O que determina a ocorrência de uma situação e não de outra? Os indivíduos que tomam essas decisões. As decisões políticas são o reflexo do interior dos que as tomam. Não é a arma que é acusada de assassinato, mas a mão que a manejou. A natureza da árvore é identificada por seus frutos.

Qual o sentido real da política?

A política, nesse sentido, deve ser compreendida apenas como um instrumento que, segundo o Compêndio da Doutrina Social da Igreja, deve ter a pessoa humana como seu fundamento e fim. Deve estar pautada, portanto, não no “eu” que exerce o mandato, mas no “nós” que o delegou tal encargo.

Nesse sentido, a política, na essência de sua existência, é profundamente boa e necessária, pois se estabelece como via pela qual se efetiva a “caridade social”, como expressava o Papa Pio XI, rumo ao nascedouro da Civilização do Amor, prenunciada por Paulo VI, quando o Estado age em função do bem comum, em defesa da vida e da integridade dos que estão mais vulneráveis e desprotegidos.

As ações políticas deliberam sobre as questões materialmente existenciais do homem enquanto ser comunitário; nesse sentido, é importante frisar a atenção que todos devemos ter para com esse ambiente. Todos devemos, sim, buscar informação, esclarecimento, apropriarmo-nos das realidades sobre o que acontece politicamente em nosso país e no mundo. Isso, de forma alguma, tira a nossa atenção primeira do céu. Mas, como cristãos, o mundo espera de nós posturas centradas e de discernimento. Ainda que discordem de nós, é isso que esperam.

Lembro-me de uma vez em que estava em uma das escolas que trabalhava, à época na coordenação. Uma diretora chegou e, na liberdade que tínhamos, pediu-me que votasse em um candidato de sua indicação. Escutei-a com atenção. Ela debulhou as virtudes de tal candidato, seus feitos, e frisou que era um pedido pessoal. Ao fim, respondi: “Professora, gosto muito da senhora e a tenho em muito respeito, mas o meu voto é fruto de uma decisão de minha consciência”. Ela protestou, esbravejou, e eu, de forma reiterada, afirmava que meu voto não estava à disposição. Após uma meia hora, ela me olhou profundamente, respirou e disse: “Estou feliz por ter você aqui em nossa escola. Um profissional que sabe o que quer. Não esperava outra coisa de você!”.

Leia mais:
.: Ano eleitoral desafia a sociedade à reflexão
.: Por que é importante acompanhar o contexto político no Brasil?
.: Transparência política
.: Em favor do povo

Somos chamados à política

Sendo assim, acredito ser parte de nossa vocação de batizados ocuparmos, de forma cristã, todos os espaços da sociedade onde somos plantados por Deus para frutificar, dando testemunho do que essencialmente nos caracteriza: a nossa fé no Ressuscitado!

A política a que somos chamados a participar não é necessariamente partidária, muito embora se o for, o partido deve representar, em seu estatuto e diretrizes, os valores da sã doutrina. Não nos deixemos instrumentalizar por agendas partidárias a favor do aborto, da ideologia de gênero, do marxismo cultural e de tantas outras vertentes, que negam a essência do Evangelho de Cristo. Apresentam-se principalmente como arautos da justiça social, mas ao custo de nossas mais sagradas raízes da fé.

Nossa participação política, portanto, precisa ser consciente. Você recorda dos seus últimos votos para os cargos de prefeito e vereador? Quais projetos seus candidatos apresentaram? Eles representam seu voto?

Se você, como cristão católico batizado, é vocacionado a exercer um cargo eletivo, que o faça de forma santa e coerente. A presença do mal não pode afugentar os bons. Não tenha medo dos rótulos, dos preconceitos, pois a luz sempre vence as trevas. Contudo, seja forte, pois é um ambiente inóspito.

Concluo de forma imperativa: nossa bandeira é Cristo! Onde quer que estejamos, façamos o que fizermos, sejamos discípulos seguidores do Mestre.

“Eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, pois, prudentes como as serpentes, mas simples como as pombas”. (Mt 10,16)


Christian Moreira

Christian Moreira é missionário da Comunidade Canção Nova, no modo segundo elo em em Fortaleza (CE). Graduado em História, Mestre em Ciências da Educação e Especialista em Ensino Superior de História e Especialista em Gestão Escolar.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.