Atitude

Como tomar decisões acertadas?

Decisões acertadas é fruto de um um caminho de maturidade

As decisões acertadas são as que têm Deus em primeiro lugar. Na carta aos Romanos, lemos o seguinte: Não faço o bem que quero, mas faço o mal que não quero (cf. 7,19).

Como tomar decisões acertadas
Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Uma explicação do livro ‘Psicologia e Formação: Estruturas e Dinamismos’, dos padres Alessandro Manenti e Amedeo Cencini, indica-nos um caminho para a busca de santidade e decisões acertadas a cada dia. A explicação é a seguinte:

O homem pode não ser responsável pelas suas fraquezas, mas é responsável pela posição que toma frente a elas; ele é responsável pelo quanto as têm em conta e pelo quanto faz para neutralizar sua influência.

Podemos até dizer que não somos responsáveis por determinados limites ou por sentirmos fraquezas difíceis de dominar, mas somos responsáveis pelos conteúdos com os quais entramos em contato a cada dia. Somos responsáveis pelo conteúdo dos assuntos que tratamos com nossos amigos, pelos programas de TV que assistimos; somos responsáveis pelo que acessamos na internet e pelo que fazemos para alimentar nossa imaginação.

Diante de tais realidades, uma grande questão se levanta: será que situações, as quais podemos evitar, não têm sido evitadas, porque temos colocado toda a culpa nas chamadas “fraquezas”? Talvez estejamos dizendo que é fraqueza pelo simples fato de não querer mudar de vida. Mas se, realmente, queremos ser pessoas melhores, precisamos saber que, antes, precisamos ter consciência de nossa responsabilidade frente às lutas diárias.

Boa atitude para um caminho de maturidade é seguir as indicações que Jesus deu aos discípulos e à multidão no Sermão da Montanha. A indicação que mais contribui para nossa reflexão é a seguinte: “Seja o vosso sim, sim; e o vosso não, não. O que passa disso vem do maligno” (cf. Mt 5,37). Minha posição, diante de uma determinada fraqueza, é o que define se vou ceder a ela ou não.

Sua decisão tem sido firme ou você está se deixando levar pela situação?

Vigiar os próprios atos

A vigilância sobre os próprios atos é ideal para a superação das fraquezas. Também é necessário, segundo as indicações do livro citado, descobrir os próprios pontos fracos, aceitá-los sem particulares angústias e fatalismos, reconhecer-se como pessoa em contínua formação e necessitada de ajuda, não pretender resolver tudo de forma radical e apressadamente, mas buscar as devidas precauções, viver a imaturidade como parte do próprio eu e como sinal de um limite que o homem não suporta, mas tende a superar.

Leia mais
.: Será que estou fazendo a vontade de Deus?
.: Como faço para ouvi a Deus?
.: Fomos todos feitos para a felicidade

Que o seu sim seja sim! Um ‘sim’ dado a cada dia, com pequenos passos, às vezes com quedas, mas um ‘sim’ decidido, de quem sabe o que quer, de alguém que deseja fazer a vontade de Deus e ser paciente com si mesma. Talvez sua decisão acertada, hoje, seja decidir-se pelas coisas que vão alimentar em você o desejo de fazer a vontade do Senhor.

A vontade de Deus nunca é contra nós. Ela pode até ser contra nossas vontades, mas não é contra nós; ela é a melhor coisa que pode acontecer em nossa existência. Talvez não compreendamos muito bem essa realidade pelo desejo que temos de fazer apenas a nossa vontade. Mas a decisão acertada é a que nos leva em direção à vontade de Deus para nós. As decisões acertadas são as que têm como ponto de partida o próprio Deus.


Padre Edison de Oliveira

Padre Edison de Oliveira é membro da Comunidade Canção Nova, formado em Filosofia e Teologia, ordenado em 28 de agosto de 2016 na Diocese de Lorena-SP.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.