Ser Cristão

Formação contínua de catequistas: ensinando os sacramentos

A busca pelo “pertencer” é inerente à natureza humana. Por isso, é importante que os sinais de pertencimento à Igreja de Jesus Cristo sejam celebrados de forma física e visível, a fim de alcançar os corações dos homens, mesmo em sua imperfeição. Assim como São Tomé, a maioria de nós precisa ver para crer. É preciso manter o pensamento de que a catequese é o caminho comum a ser trilhado para a celebração dos sacramentos da eucaristia e da confirmação, essencialmente manifestações de fé. Por isso, ao falar sobre sua importância, o catequista deve se atentar para transmitir uma mensagem de amor e misericórdia.

Nas primeiras etapas da catequese, as crianças e os jovens se preparam para celebrar o sacramento da Eucarística pela primeira vez; na segunda etapa, assumem pessoalmente sua fé pelo sacramento da Confirmação. Já nas turmas de adultos não é raro que algum catequizando não seja batizado e que outros já tenham celebrado a primeira Eucarística e buscam a Confirmação. Ademais, alguns podem ser os únicos ou um dos poucos de suas famílias a celebrarem os sacramentos. Transmitir uma mensagem confusa sobre a importância dos sacramentos pode causar um sentimento de superioridade que o cristão deve evitar.

Formação contínua de catequistas ensinando os sacramentos

Foto Ilustrativa: Deividson Francisco

A importância dos sacramentos

Na explicação do batismo, é bom fazer a leitura da passagem do batismo do eunuco (Ato 8, 26-40), que retrata sua essência: aceitar a Boa Nova. Com essa leitura, além de explicar a importância desse sacramento para o cristão, também se pode despertar o desejo pelo anúncio da Palavra. Na preparação para a Eucaristia, o catequizando deve ter a clara compreensão de que Jesus Cristo é o Deus Vivo e Verdadeiro. Sugiro a reflexão sobre este questionamento: “Por que procurais entre os mortos aquele que está vivo?” (Lc 24, 5). Nas palavras do Papa João Paulo II: “A Eucaristia aproxima-nos de Deus de modo estupendo. E é Sacramento da vizinhança d’Ele em relação ao homem”.

Também os demais sacramentos devem ser estudados pelo catequista, evitando ao que for possível, deixar dúvidas nos catequizandos sobre a importância de cada um deles, desde o batismo à unção dos enfermos. Um detalhe pelo qual é preciso encontrar a medida certa é para que não se transmita a celebração dos sacramentos como se fosse uma espécie de requisito para que se obtenha o amor e a graça de Deus. Na verdade, “O sacramento pressupõe a revelação do mistério e pressupõe também a sua aceitação mediante a fé, por parte do homem” (João Paulo II). Estejamos atentos a isto: aceitação mediante a fé e não condição para a graça de Deus.

Leia mais:
.: Confira  outros artigos da série “Dicas para catequistas”
.: Diferença entre ser católico e ser cristão
.: Evangelizar é a missão de todo cristão
.: Posso ser cristão sem uma contínua conversão de vida? 

Que, em nossos encontros, possamos transmitir o amor de Deus por nós, que é maior do que nossa limitação humana pode compreender, ele traz consigo a justiça e misericórdia, assim, faz florescer no coração dos nossos catequizandos o desejo sincero de se tornar membro da Igreja. Que assim seja e bons encontros!

Referências:

BÍBLIA SAGRADA. Tradução da CNBB, 18 ed. Editora Canção Nova.
JOÃO PAULO II. Audiência Geral. Roma, 13 jun. 1979.
JOÃO PAULO II. Audiência Geral. Roma, 08 set. 1982.

banner espiritualidade


Luis Gustavo Conde

Catequista atuante na evangelização de jovens e adultos. Palestrante focado na doutrina cristã. Advogado com atuação na área de Direito de Família e Direito Bancário. Tecnólogo em Gestão Empresarial. Professor de cursos técnicos-profissionalizantes.
Instagram: @luisguconde Contato: luisguconde@gmail.com

 

 

comentários