misericórdia

Reflita sobre o sacramento da confissão

O Sacramento da Confissão foi instituído pelo próprio Jesus Cristo

O Sacramento da Penitência é a volta a Deus. Quase todos os dias, caímos e nos levantamos. Pequenas quedas e grandes tombos. Ninguém quer ficar no chão. Pisamos em falso, porque não enxergamos bem os passos e o caminho de Jesus. Erramos de caminho. Atrapalhamos a caminhada uns dos outros, mas o Nosso Bom Deus sempre nos dá a mão para nos deixarmos conduzir no caminho d’Ele, que é o caminho da irmandade. Aqueles que se aproximam do sacramento da penitência obtêm da misericórdia divina o perdão da ofensa feita a Deus e, ao mesmo tempo, são reconciliados com a Igreja que feriram, pecando contra ela; e essa colaborará para a conversão desses com caridade, exemplo e oração. O sacramento da confissão foi instituído pelo próprio Jesus Cristo, com o qual o sacerdote perdoa os pecados cometidos depois do batismo. Sobre o sacramento da confissão, devemos analisar o seguinte:

Reflita sobre o sacramento da confissão

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Os homens são pecadores

Diz a Sagrada Escritura: “O justo cai sete vezes por dia” (Prov 24,16).

“Não há homem que não peque” (Ecl 7,21).

“Aquele que diz que não tem pecado faz Deus mentiroso” (1 Jo 1,10).

O “livre arbítrio” humano permite ao homem realizar atos contrários ao Seu Criador. Por isso é necessário obter o perdão desses pecados.

“Nesta porta do Senhor, só o justo pode entrar” (Sl 117,20).

“Não sabeis que os pecadores não possuirão o reino de Deus?” (1 Cor 6,9).

Sabendo que somos pecadores, Nosso Senhor Jesus instituiu o sacramento da confissão

Então, qual é o meio para alcançarmos o perdão de nossos pecados ? A nós, cristãos, é ensinado na Primeira Epístola de São João: “Se dizemos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se reconhecemos os nossos pecados, (Deus aí está) fiel e justo para nos perdoar os pecados e para nos purificar de toda iniquidade” (1Jo 8-9).

Todavia,(…) “aquele que esconde os seus crimes não será purificado; aquele, ao contrário, que se confessar e deixar seus crimes, alcançará a misericórdia” (Prov. 38, 13). “Não vos demoreis no erro dos ímpios, mas vos confessai antes de morrer” (Ecl 17,26).

A confissão não é nova, já existia no Antigo Testamento, mas foi elevada à dignidade de sacramento por Nosso Senhor Jesus Cristo, que conhecia a fraqueza humana e desejava salvar Seus filhos.

Como tudo concorre para o nosso bem, nosso Senhor tem o poder de nos perdoar os pecados, como vemos, por exemplo, na passagem bíblica de São Mateus: (…) “Meu filho, coragem! Teus pecados te são perdoados” (Mt 9, 2-7). Ele transmite esse poder aos Seus apóstolos dizendo: “Assim como o Pai me enviou, isto é, com o poder de perdoar os pecados, assim eu vos envio a vós, ou seja, dotados do mesmo poder. E para dissipar qualquer dúvida, continua: “Soprando sobre eles: Recebei o Espírito Santo…”, como se dissesse: “Recebei um poder divino. Só Deus pode perdoar pecados, pois bem… aqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados, e àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” (Jo 21,21-23).

A conclusão é rigorosa: Cristo podia perdoar os pecados. Ele comunicou este poder aos Apóstolos e por eles aos sucessores dos Apóstolos: pois a Igreja é uma sociedade “que deve durar até o fim do mundo” (Mt 28, 20). O livro dos Atos dos Apóstolos refere que quem se convertia “vinha fazer a confissão das suas culpas” (At 19, 18). Aqui nós começamos a refutar uma argumentação dos protestantes: cada um se confessa diretamente com Deus.

A confissão deve ser feita a um padre

Pelo próprio livro dos Atos dos Apóstolos, quando se afirma que o convertido “vinha fazer a confissão”, fica claro que era necessário um deslocamento da pessoa para realizar a confissão junto aos apóstolos, pois o verbo “vir” é usado por quem recebe a visita do penitente. Se a confissão fosse direta com Deus, bastaria pedir perdão de seus pecados, sem precisar “ir” até a Igreja.

Aliás, São Tiago é explícito a esse respeito: “Confessai os vossos pecados uns aos outros, diz ele, e orai uns pelos outros, a fim de que sejais salvos” (Tgo 5, 16). Isto é, confessai vossos pecados a um homem, que tenha recebido o poder de perdoá-los. De qualquer forma, a instituição do Sacramento deixa claro o poder que Nosso Senhor conferiu à sua Igreja.

Sem a vontade de se confessar com um outro homem, o pecador demonstra que seu arrependimento não é profundo, pois ele não se envergonha mais de ofender a Deus do que de expor sua honra. No fundo, ama a si mesmo mais do que a Deus e pode estar cometer um outro pecado, ainda mais grave, contra o primeiro mandamento: Amar a Deus sobre todas as coisas.

Mas, em não existindo um padre, como confessar-se? E como ficam os homens no Antigo Testamento?

Contrição e Atrição

A Contrição consiste em pedir o perdão de seus pecados por amor de Deus. A atrição, por sua vez, consiste em pedir o perdão dos pecados por temor do inferno.

A primeira, contrição (chamada de contrição perfeita), apaga os pecados da pessoa antes mesmo da confissão. Todavia, só é verdadeira se há a disposição de se confessar com um padre. Foi desta forma que se salvaram os justos do Antigo Testamento. A atrição só é válida através do sacramento da confissão, o qual é eficaz mesmo se há apenas “medo do inferno”.

Ninguém duvida de que o sincero arrependimento dos pecados, com firme propósito de não pecar mais, e satisfação feita a Deus e aos prejudicados, eram, no Antigo Testamento, condições necessárias e suficientes para obter o perdão de Deus. O mesmo vale ainda hoje para todos os que desconhecem Nosso Senhor Jesus Cristo e seu Evangelho (desde que sigam a Lei Natural) e para os que não têm como se confessar (desde que tenham um ato de contrição perfeita). Mas quem, em seu orgulho, não acredita nas palavras de Cristo Ressuscitado, com as quais ele instituiu o sacramento da penitência e, por isso, não quer se confessar, não receberá o perdão, pois não ama a Deus verdadeiramente.

Cada pecado é um ato de orgulho e desobediência contra Deus. Por isso “Cristo se humilhou e tornou-se obediente até a morte, e morte na Cruz” (Flp 2, 8) para expiar o orgulho e a desobediência dos nossos pecados, e nos merecer o perdão. Por isso ele exige de nós este ato de humildade e obediência, na Confissão sacramental, na qual confessamos os nossos pecados diante do seu representante, legitimamente ordenado. E conforme a sua promessa: “Quem se humilha, será exaltado, e quem se exalta, será humilhado” (Lc 18,14).

Alguns protestantes aliciam os católicos para sua seita com a promessa de que, depois do batismo (pela imersão), estariam livres de qualquer pecado e nem poderiam mais pecar! Consequentemente, concluem que não haveria necessidade de confissão.

Leia mais:
::Qual é a missão evangelizadora que a Igreja tem para si?
::A fé na Encarnação do Filho de Deus segundo a Igreja
::O que fazer com filhos pequenos na hora da Missa?
::Devemos lutar contra toda forma de violência?

Apoiam essa afirmação nas palavras bíblicas de (1 Jo 3,6 e 9). Todavia, basta confrontar essa passagem com outra, do próprio João Apóstolo (1 Jo 1,8-10), para perceber que a conclusão é precipitada: “Se dissermos que não temos pecado algum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, e nos perdoa os nossos pecados, e nos purifica de toda a iniquidade. Se dissermos que não temos pecado, taxamo-Lo de mentiroso, e a Sua palavra não está em nós”.

Portanto, todos os homens necessitam de misericórdia divina; e os sinceros seguidores da Bíblia recebem-na, agradecidos, no sacramento da Confissão.

Equipe de colunistas do Formação

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.