entenda

Por que é necessário confessar-se para a Páscoa?

Confessar é entregar-se a conversão com espírito novo para uma vida nova

A Páscoa representa tempo de renovação e conversão. Após o período da Quaresma, em que nos dedicamos com maior afinco às práticas do jejum, da oração e da penitência, se faz necessário que, ao testemunhar a misericórdia de Deus para conosco, que entregou seu filho unigênito para a morte e ressurreição, possamos celebrar esta data livres do pecado. A presença do pecado em nossa vida, nos direciona para o pedido constante do perdão de Deus, que acontece através do sacramento da confissão. Portanto, confessar-se, especialmente para a celebração da Páscoa, é entregar-se à conversão com Espírito novo para uma vida nova.

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

A aparição de Jesus aos discípulos e a efusão do Espírito Santo sobre eles é o momento concreto do plano de salvação dos homens. Era apropriado que nós participássemos desse plano de santidade e abandonássemos nossa vida anterior, que é transformada e confirmada no caminho da salvação. Desde então, o sacramento chamado de Penitência, da Reconciliação, do Perdão, da Confissão, da Conversão (Compêndio C.I.C nº 296), é sinal da presença constante da misericórdia divina na vida de cada cristão.

A instituição do sacramento

Ao instituir o sacramento da Penitência, o Cristo ressuscitado, apareceu aos discípulos e desejando-lhes a paz soprou sobre os eles dizendo “recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, serão perdoados, a quem retiverdes, lhes serão retidos” (Jo 20, 22-23). Por esse sinal, confiou-se a Igreja e aos seus sacerdotes: a sucessão legítima dos apóstolos, para perdoarem os pecados e reconciliar os fiéis que fraquejaram depois do Batismo. A presença da Igreja é a lembrança da presença do Deus Vivo e Verdadeiro. Jesus Cristo anunciou que “estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28, 20), confirmando as palavras do profeta de que “Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus-conosco” (Mt 1, 23).

E essa presença é necessária para que, mesmo diante das fraquezas da carne, possamos alcançar a salvação. Observar os mandamentos e os ensinamentos do Cristo é o caminho para alcançar o reino de Deus. Por isso, devemos compreender que fomos criados para a glória de Deus e para a vida eterna, esse é o objetivo de nossa alma e o tesouro do nosso coração. Alcançar a santidade é atingir o próprio designo de nossas vidas.

Leia mais:
::Confira 6 dicas para participar bem da Santa Missa
::Como cristãos por que e como devemos fazer o sinal da Cruz?
::Qual é a diferença da Missa diária para a Missa dominical?
::Qual é o significado do batismo no Espírito Santo?

Libertação dos pecados

Mas, por sermos imperfeitos é necessária a presença constante da misericórdia divina, que manifesta-se pelo Sacramento da Confissão. A Igreja mantém viva a prática da confissão “porque a nova vida da graça, recebida no Batismo, não suprimiu a fragilidade da natureza humana, nem a inclinação para o pecado (isto é, a concupiscência), Cristo instituiu este Sacramento para a conversão dos batizados que pelo pecado d’Ele se afastaram” (Compêndio C.I.C nº 297).

E a necessidade de confessarmos mostra-se ainda mais presente no tempo Pascal, eis que a própria instituição do Sacramento ocorreu na noite de Páscoa. No Sacramento da Confissão somos libertados do pecado para que, possamos celebrar o mistério Pascal com o Espírito renovado.

Eis o tempo de conversão, de aproximação com a vontade de Deus, de celebrarmos o sinal da ressurreição, do recomeço e da vida nova. Confessar-se para a celebração da Páscoa é testemunhar a fé cristã na paz do Senhor. E nas palavras do Papa Bento XVI: “Estimados irmãos e irmãs, peçamos a Nossa Senhora, Mãe de Deus e da Igreja, que nos acompanhe ao longo do caminho Quaresmal, para que seja um caminho de verdadeira conversão. Deixemo-nos conduzir por Ela e, assim, havemos de chegar, interiormente renovados, à celebração do grande mistério da Páscoa de Cristo, revelação suprema do amor misericordioso de Deus”.

Referências:
BÍBLIA SAGRADA. Tradução da CNBB, 18 ed. Editora Canção Nova.
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA. Compêndio. 2005 – Libreria Editrice Vaticana.
PAPA BENTO XVI. Audiência Geral. Vaticano, 06 de fevereiro de 2008.


Luis Gustavo Conde

Advogado com atuação na área de Direito de Família e Direito Bancário. Professor de cursos técnicos. Catequista no Santuário de Nossa Senhora Aparecida em Ribeirão Preto/SP. Palestrante focado na doutrina cristã. Contato: lg.conde@icloud.com Twitter: @guconde12

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.