autoridade

Qual é a força da oração dos avós que oram pelos netos?

Num mundo tão voraz pela alma das crianças e dos jovens, como os avós podem orar com poder pelos seus? Sabemos que os perigos estão por todas as partes, na realidade, nunca sentimos que nossos netos estão seguros na escola, nos parques e nos shoppings. Muitas vezes, esses perigos estão dentro da própria casa e com pessoas conhecidas. Diante desses fatos, uma angústia pode se instalar e o desejo de proteção assola os corações, entretanto, não podemos protegê-los de tudo, somente Deus é capaz disso. Aos avós cabe orar com poder. Porém, muitos se perguntam como podem fazer isso? Para responder essa pergunta, precisamos entender o que significa orar e qual a autoridade dos avós no mundo espiritual para ser eficaz.

Primeiro, eles precisam acreditar em Deus e, como filhos, procurar conhecê-Lo melhor, acreditar no Seu amor e Sua preocupação com o que acontece na vida de cada um. Para isso, os avós precisam aprender a dialogar com Deus, partilhando angústias pessoais e familiares. Lembrando que Ele sempre nos ouve e atende de acordo com aquilo que seja bom para a vida de quem estamos pedindo. Buscar a Deus e cultivar o relacionamento parece obvio, mas, quando estamos junto d’Ele, Sua presença traz paz; e ao escutar Sua Palavra, a oração será mais bem direcionada, ou seja, os avós precisam aprender a conhecer o Pai do céu e acreditar na força desse amor e de tudo o que Ele faz para sermos salvos.

Qual é a força da oração dos avós que oram pelos netos?

Foto ilustrativa: Andréia Britta/cancaonova.com

Qual o papel espiritual dos avós em relação aos netos?

Muitas vezes, confunde-se autoridade com autoritarismo, que são duas coisas diferentes. Deus deu autoridade aos pais, avós e padrinhos para servirem melhor as pessoas sobre as quais têm poder no mundo espiritual. A palavra, em Romanos 13,1-2, “Todos se submetem às autoridades que exercem poder, pois não existe autoridade que não venha de Deus, e as autoridades que existem foram estabelecidas por Deus. Portanto, o que se opõe a autoridade resiste à ordenação de Deus, e tais rebeldes atrairão sobre si a condenação.”

Para isso, precisam ter em Jesus o seu modelo, Ele usou sua autoridade espiritual, primeiro se submetendo à vontade do Pai e, depois, resgatando as pessoas pela cruz. É papel espiritual dos avós praticarem o bem, porque a autoridade está a serviço de Deus. Feliz daqueles que conduzirem os seus para o caminho reto, procedendo bem e revestindo-se da força que vem do alto, porque atraem para si as bênçãos e não maldições.

Muitos avós acham que seu papel é paparicar netos com presentes e passeios, esquecendo que sua principal função é rezar por eles, orar preventivamente e também por situações estabelecidas. Sabemos quantos se perdem em acidentes domésticos ou em trânsito, para isso clamem por proteção de segurança. Outros se perdem por más companhias, vizinhanças ruins ou incapacidade de perceber o que está a sua volta. Nesses casos, a oração precisa ser canalizada pelo livramento de perigos visíveis e invisíveis. Alguns se perdem nesse mundo tão materialista, então, ore para que eles percorram o caminho de Deus. Alguns são acometidos de doenças ou mortes, por isso a oração precisa ser direcionada para a cura ou consolo do coração quando ela não acontece da forma esperada.

Direcionar as orações

Sou avó de cinco netos em idades que variam de três a dezenove anos, portanto, minhas orações são feitas para atender situações diversas, cada um necessita de um foco de acordo com o momento que vivencia. A vida nos mostra que precisamos, primeiro, assumir autoridade no mundo espiritual e depois direcionar as orações, segundo a vontade de Deus e não a nossa. Nós fazemos nossas orações e Ele distribui de acordo com as necessidades do momento, por isso, na maioria das vezes, não percebemos o livramento diário que nossos netos recebem.

Não só os filhos e netos são agraciados com as orações, mas também aqueles que rezam por eles, porque Deus, ao dar a tarefa da oração para os avós, também concede graças para executar bem o serviço proposto. Isso significa que tanto quem ora como quem recebe orações são canais de graças espirituais, porque recebem e transmitem as bênçãos de Deus. Os avós, com a maturidade adquirida, podem ajudar aos pais a modelarem seu comportamento e aprenderem com Jesus, que cresceu não só em tamanho, mas também em sabedoria e graça.

Leia mais:
::Como viver a oração ao ritmo da vida?
::Estar diante da Cruz faz toda diferença
::Como se preparar para o fim dos tempos?
::Como construir uma vida de oração?

Abençoe seus netos!

Paulo elogia Timóteo pela herança cristã que recebeu de sua mãe e avó, porque, durante os serviços nas comunidades, ele tem a fortaleza da fé aprendida em sua casa. A oração é uma forma de proteção, os avós podem cercar seus netos dos perigos espirituais rezando com e por eles. Ensinar a Palavra de Deus também ajuda os netos, porque, diante das dificuldades da vida, a Bíblia pode ser o GPS que vai livrá-los de situações difíceis.

Precisamos, constantemente, abençoar os filhos e netos, porque isso “obriga” a Deus a derramar graças. A frase “Deus te abençoe” contém a força das graças prometidas por Deus, para quem exerce a autoridade espiritual de forma correta. Não importa qual a idade que seus filhos e netos têm, porque, no campo espiritual, os avós sempre terão poder se estiverem unidos a Deus. Unidos pelo amor de Deus possamos orar, incessantemente, pelo bem estar físico, emocional e espiritual dos nossos, sem nos importarmos com a forma e o local. O importante é você lembrar que o seu pedido pode mudar qualquer situação dos seus netos, porque sua oração é revestida do poder que vem do alto, que emana de Deus.

Banner Vocação


Ângela Abdo

Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape, pós-graduada em Gestão de Pessoas pela FGV, Gestão de Pessoas pela Faesa, graduada em Serviço Social pela Ufes e psicanalista. Consultora e Executiva na área de RH e empresa hospitalar. Foi coordenadora do grupo fundador do Movimento Mães que Oram pelos Filhos da Paróquia São Camilo de Lellis, em Vitória (ES) e do grupo de Amigos da Canção Nova de Vitória. Atualmente, é coordenadora nacional e internacional do Movimento Mães que Oram pelos Filhos. Escritora dos livros “La Salette, o grito de uma Mãe!” (2018), “Superação x Rejeição: Aprendendo a ser livre” (2017), “Ser Mulher À Luz da Bíblia: Porque Deus Pode Tudo!” (2016) e “Mães que Oram pelos Filhos” (2016). Participa do programa “Papo de Mãe que Ora”, no canal Mães que Oram pelos Filhos Oficial, e do “Mães que Oram pelos Filhos”, na Rádio América.  

comentários