livres pra quê?

Para onde você orienta a sua liberdade?

Você tem uma meta que oriente a sua liberdade?

Embora a modernidade tenha aberto muitas possibilidades ao homem, poucos se comprometem, verdadeiramente, com um ideal que valha a pena. O homem moderno parece ter-se libertado de muitos obstáculos que entravavam a sua liberdade de fora, mas não consegue libertar-se das suas limitações internas.

Para onde você orienta a sua liberdade?

Foto ilustrativa: Bruno Marques/cancaonova.com

Livres para quê?

Grande parte da atual confusão, acerca da liberdade, deve-se ao fato de pensarmos que ela consiste na ausência de restrições externas. Esquecemo-nos que são mais importantes as limitações internas, procuradas ou aceitas, que impedem o desenvolvimento da nossa verdadeira personalidade. Trata-se, essencialmente, de possuir e de saber exercer um potencial interior que inclui – em íntima relação – o domínio de si, a posse de si e a realização pessoal.

“Tornas livre um homem – dizia James Farmer, destacado líder da campanha em favor dos direitos civis do negro americano –, mas ele ainda não é livre. Falta ainda que se liberte a si mesmo”. E Nietzsche escreveu: “Julgas que és livre? Fala-me da raiz dos teus pensamentos, não de como te livraste do jugo. Achas que foste capaz de livrar-te dele? Muitos abandonaram todos os seus valores ao rechaçarem as suas servidões. Livre de quê? Que importa isso a Zarathustra? Olha-me nos olhos e responde-me: livre para quê?”.

O homem moderno quer ser livre, mas o seu problema consiste em não saber o porquê se deve ser livre. Como resultado, há o perigo de perder ou abandonar a sua liberdade. Nem que seja pela simples razão de que é, cada vez menos, capaz de propor-se uma meta que valha a pena, uma meta que oriente essa mesma liberdade.

Leia mais:
::Quais atitudes podemos mudar para neutralizar a ansiedade?
::Início e fim: sejamos aprendizes da sabedoria dos ciclos
::Estimule sua confiança e a fé na luta contra a ansiedade
::Criatividade: habilidade natural ou fruto do esforço?

Estancados na encruzilhada

Em última análise, de pouco serve a liberdade a um homem que careça de valores ou de ideais e, menos ainda, a quem tenha medo de comprometer-se. Ora, não há dúvida de que o homem moderno está inseguro dos seus ideais e nada disposto a comprometer-se com eles.
De pouco serve a liberdade àquele que carece de valores ou ideais, porque, não tendo, em sua sua vida, metas que valham a pena, as suas opções têm pouco ou nenhum valor real. Fundamentalmente, o seu problema é que não é capaz de respeitar as coisas que escolhe, porque escolheu coisas sem valor. Mesmo na hipótese de que haja mais liberdade no mundo de hoje, de que ela sirva a um mundo que perdeu grande parte dos seus critérios de valor?
É muito triste orgulhar-se de se ter, finalmente, aberto todos os caminhos, de se ter varrido todas as restrições que o entulhavam e, ao mesmo tempo, ter a crescente convicção de que são caminhos que não levam à parte alguma.
De que serve ter aberto todos os caminhos se, no fundo, há o medo de escolher um dentre eles ou, até mesmo, de fazer um pouco mais do que tímidas tentativas se, quando muito, ensaiam-se uns passos por determinado caminho, mas logo se está inclinado a desandá-lo por tédio ou por cansaço, para depois experimentar outro caminho (outro trabalho, outro homem, outra mulher…) e outro e outro?
O homem de hoje contempla com tanto receio à possibilidade de se comprometer que está em perigo de paralisar, voluntariamente, o seu poder de escolha, a sua própria liberdade. Escolher é comprometer-se. Toda escolha é um compromisso. Por isso, aqueles que têm medo de escolher ou se limitam às tentativas que abandonam rapidamente, contradizem e anulam a sua própria liberdade.

O homem moderno, como o homem de todas as épocas, está na encruzilhada de vários caminhos, mas enquanto tiver medo de se comprometer, ficará estancado na encruzilhada.

Equipe de colunistas do Formação Portal Canção Nova

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.