A nossa essência

O essencial é invisível aos olhos

Você já percebeu que o mundo está dominado pelo consumismo, pela vaidade do corpo, pelo amor à vanglória e pela busca do prazer (hedonismo)? O importante, hoje, é a “cultura do corpo”, não mais a do espírito; e essa inversão pôs o homem de cabeça para baixo. Por isso, ele está desnorteado, sem norte. As academias de ginástica, os salões de beleza e os consultórios dos cirurgiões plásticos se multiplicam a cada dia, mas os homens e as mulheres continuam infelizes. Falta-lhes algo invisível. A indústria de cosméticos é uma das que mais faturam em todo o mundo.

O essencial da pessoa humana é o espírito, a alma criada à imagem do Criador; depois, vem o corpo, a bela morada da alma. Se o corpo pesa sobre o espírito, este agoniza e o homem fica aniquilado, frustrado, vazio. Se você bater num tambor cheio d’água, ele não fará barulho, mas se você bater num tambor vazio, vai fazer um barulhão.

O essencial é invisível aos olhos

Foto ilustrativa: AscentXmedia by Getty Images

Busquemos valorizar o que é essencial em nós, e não o superficial

Os homens também são assim, fazem muito barulho quando estão vazios. Se a hierarquia de valores for invertida, a grandeza do homem fica comprometida. Quando você permite que as paixões do corpo sufoquem o espírito, não há mais homem ou uma mulher em você, mas uma “caricatura” de homem ou de mulher.

O homem do século XX dominou a matéria e a tecnologia, mas, lamentavelmente, está de cabeça para baixo. É por isso que vimos a matança de dez milhões de irmãos na Primeira Guerra Mundial, o extermínio de cinquenta milhões na Segunda; e de mais de cem milhões de vítimas do comunismo na União Soviética e na China.

Além disso, jovem, saiba de uma realidade muito triste: neste século das maravilhas da tecnologia, não houve, um dia sequer, sem que houvesse, em algum lugar do planeta, uma guerra. Em nenhum dia deste século XX, que há pouco terminou, a humanidade conheceu cem por cento o gosto da paz!

Não é à toa, caro jovem, que a nossa geração é a que mais consome antidepressivos e remédios para dormir e necessita, cada vez mais, de psicólogos e psiquiatras. Não é mais o corpo que está doente, é a alma. E quando o espírito adoece toda a pessoa fica enferma.

A cultura do corpo

A cultura do corpo, da glória e do prazer deixa um vazio, porque o homem só pode se satisfazer com aquilo que está acima dele, não com o que está abaixo. O prazer, sobretudo, se é imoral, passa e deixa sabor de morte; a alegria, por outro lado, que é a satisfação do espírito, deixa gosto de vida.

Se você se frustrar no âmbito biológico, porque tem algum defeito físico, pode sublimar essa frustração e ser feliz se realizando num grau mais alto, o da cultura e o do saber. Se você não pode se realizar racionalmente, pode realizar-se espiritualmente, que é o mais elevado, numa relação íntima com Deus. Se, no entanto, você desprezar o nível espiritual, não poderá se realizar, porque, acima deste, não há outro no qual você possa buscar a compensação.

O essencial é invisível aos olhos

O grande poeta francês Exupèry dizia que “o essencial é invisível aos olhos”. A razão é simples: tudo que é visível e material passa e acaba; o invisível, o espiritual, o essencial, fica para sempre.

Você sabe que todos os seres criados voltam ao seu nada, voltam ao pó da terra. Por quê? Porque a força que os mantém vivos está em cada um, mas não lhes pertence. O poder de ser uma rosa está na rosa, mas não é dela. Quando você vê uma bela flor murchar, é como se ela estivesse lhe dizendo: “A beleza estava em mim, mas não me pertencia; Deus a tinha me emprestado”. Da mesma forma, o poder de ser um cavalo está no cavalo, mas não é dele. Se fosse dele, jamais ele morreria. Ele foi criado por Alguém que o mantém vivo. Assim como quando uma bela artista envelhece, e surgem as rugas, ela está dizendo que a beleza estava nela, mas não era propriedade dela.

Deus disse a Moisés: “Eu Sou Aquele que Sou! Yahweh!”. Isso quer dizer: somente Deus é a fonte da vida, e todos os seres dependem d’Ele para existir. Se você ficar cultivando apenas o seu belo corpo e se esquecer de sua alma, amanhã estará amargurado, pois, do mesmo jeito que a rosa murchou, o seu corpo também envelhecerá; e isso é para todos, de maneira inexorável.

Leia mais:
.:A autenticidade e a coerência: armas essenciais na sociedade atual
.: A nossa sociedade brasileira precisa exercer a cidadania
.: Você sabe a importância da dignidade da pessoa humana?
.: O que entendemos que venha a ser o ser humano e o bem comum?

Por outro lado, quanto mais você viver, tanto mais a alma poderá se tornar bela e jovem, tanto mais o espírito poderá se renovar. São Paulo expressou muito bem esta mensagem cristã:

“É por isso que não desfalecemos. Ainda que exteriormente se desconjunte nosso homem exterior, nosso interior renova-se de dia para dia […] Porque não miramos as coisas que se veem, mas sim as que não se veem, pois as coisas que se veem são temporais e as que não se veem são eternas” (II Cor 4, 16-17).

Não fomos criados para vida passageira

Jovem, você não foi criado apenas para esta vida transitória e passageira, na qual tudo fica velho e se acaba. Você foi feito para a eternidade, para uma vida que nunca acaba.

O jovem fogoso que foi Santo Agostinho, um dia, chegou a esta conclusão: “De que vale viver bem, se não posso viver sempre?”. Para você viver sempre, vai precisar cultivar a sua alma, muito mais do que o seu corpo.


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

comentários