As palavras da Palavra

Os textos bíblicos sempre nos levam a refletir sobre a nossa vida

Como o texto bíblico nos leva a refletir sobre a vida e os sentimentos

Nos artigos anteriores da série “As palavras da Palavra”, falamos sobre ser receptor e emissor da mensagem de Deus, tomando por exemplo a passagem do pecado original. No segundo artigo, falamos sobre a missão evangelizadora da Igreja e como somos participantes dela; no terceiro artigo, sobre o ministério da palavra. Agora, ao falarmos da reflexão particular, o exemplo é a parábola do filho pródigo, que poderá ilustrar de forma adequada como o texto bíblico nos leva a refletir sobre a vida e os sentimentos, além de uma simples leitura.

Na parábola do filho pródigo, Jesus narra um pai que tinha dois filhos. O mais novo, pediu sua herança e saiu de casa, gastou tudo que lhe pertencia, passou fome, necessidades e desejou a lavagem dos porcos como alimento. Após tanto sofrimento, lembrou-se da bondade de seu pai e decidiu retornar. Não ansiava retomar o lugar de filho, mas servir aquele pai que era benevolente com os servos lhe era suficiente. Ao retornar, foi recebido com misericórdia e foi celebrada a sua volta. Apenas seu irmão mais velho não se agradou com o retornou e tentou justificar-se com o pai: “Eu te sirvo há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua; e nunca me deste um cabrito para festejar com meus amigos. Quando chegou esse teu filho, que devorou teus bens com prostitutas, matas pra ele um novilho gordo!” (Lc 15, 29-30).

Os-textos-bíblicos-sempre-nos-levam-a-refletir-a-nossa-vida

Foto Ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Vamos à reflexão

A atitude do pai misericordioso simboliza a misericórdia divina em contraposição ao filho mais velho, que se considera “justo”, porque não infringe nenhum preceito da Lei. Há um comportamento interessante na reflexão particular do texto bíblico, que deve ser divido em dois momentos. O primeiro que nos leva à prática da fé, é uma leitura constante e organizada, visando o entendimento da Palavra de Deus. O segundo é aquele consolador, quando em um momento de tribulação procuramos amparo na Bíblia. Contudo, o segundo sem o primeiro pode nos levar à ilusão.

Vamos considerar um sofrimento que nos ocorre no trabalho, quando um colega recebe uma promoção ou algum tipo de vantagem que não entendemos como justas e nos julgamos mais merecedores. Certamente, muitas passagens bíblicas virão até nós, dos falsos profetas, dos últimos que serão os primeiros e até mesmo de servir a Deus e não ao dinheiro. Note que todas essas passagens indicam que aquela promoção fará mal ao outro e nós estamos protegidos. Mas porque, nesse momento, não lembramos da parábola do filho pródigo?

Leia mais:
.: Confira o primeiro artigo da série “As palavras da Palavra” – Como ser receptor e emissor da mensagem de Deus
.: Confira o segundo artigo da série “As palavras da Palavra” – Qual é a missão evangelizadora que a Igreja tem para si?
.: Confira o terceiro artigo da série “As palavras da Palavra” – O ministério da palavra e os colaboradores ativos da missão da Igreja
.: O objetivo das parábolas em transcender as realidades

Amor e misericórdia

Ao refletir sobre essa passagem, nesse momento de nossas vidas, nos veríamos como o filho mais velho, e a parábola se torna uma lição dura demais. Em outras palavras, na reflexão particular, os textos que demonstram o amor e a misericórdia de Deus foram escritos “para mim” e as duras lições e acertos de conduta foram escritos “para o outro”. Esse comportamento – que não é raro – nos afasta da lição que a Palavra quer nos transmitir. A parábola do filho pródigo, além da misericórdia divina, trata da inveja, do egoísmo e da arrogância. Condena a atitude daquele que não reconhece mais como irmão o filho marcado pelo pecado. Veja que ao falar com o pai o filho mais velho menciona “esse teu filho”, demonstrando que já não o considera mais o pecador como da mesma família.

O filho mais velho, por mais que cumpridor das Leis, faltou com o mais importante dos mandamentos: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo (Lc 10, 27). Na reflexão particular das Sagradas Escrituras não fechemos os olhos para as lições mais importantes, pois assim estaremos apenas procurando subsídios para nossas falhas e imperfeições. Pelo contrário, busquemos as lições mais duras, que formam o caráter e moldam nosso espírito à imagem e semelhança de Deus. Não julgue, não condene nem critique. Compreenda, acolha e aconselhe. Que Deus nos acompanhe e nos ilumine. Que assim seja.

REFERÊNCIAS

BÍBLIA SAGRADA. Tradução da CNBB, 18 ed. Editora Canção Nova.


Luis Gustavo Conde

Advogado com atuação na área de Direito de Família e Direito Bancário. Tecnólogo em Gestão Empresarial. Professor de cursos técnicos-profissionalizantes. Catequista atuante na evangelização de jovens e adultos. Palestrante focado na doutrina cristã. Contato: lg.conde@icloud.com Twitter: @luisguconde

 

 

comentários