Liturgia

O que são ritos de preceito?

As Sagradas Escrituras nos mostram que, desde o Antigo Testamento, o povo judeu celebrava ricamente a Liturgia. Deus estabeleceu uma Aliança com esse povo, através de Noé, Abraão, Isaac, Jacó, Moisés, Davi, dos Profetas etc… Então, esse povo respondia a Deus mediante um culto de louvor e de adoração, de maneira rica e muito criteriosa. A tribo de Levi, os levitas, foi escolhida por Deus para prestarem os serviços religiosos. Daí saía os sacerdotes.

A Liturgia, em todos os tempos, é o culto público que o povo presta a Deus. Podemos dizer que é um diálogo entre o povo e Deus. O povo celebra os mistérios de Deus. Ele se entrega como dom ao povo, e esse, acolhendo o dom de d’Ele, responde a Deus com louvor e canta as suas maravilhas.

O que são ritos de preceito?

Foto Ilustrativa: Bruno Marques/cancaonova.com

A Liturgia católica, instituída por Jesus, visa celebrar (= tornar célebre e presente), dar importância, honrar, exaltar, em comunidade, a Santíssima Trindade de modo especial e celebrar os “santos mistérios”, os sacramento e os sacramentais. O Concílio Vaticano II, através da Constituição Dogmática Sacrosanctum Concilium, expôs de modo admirável o que é a Liturgia e como ela deve se realizar:

“Na liturgia Deus fala a seu povo. Cristo anuncia o Evangelho. E o povo responde a Deus, ora com cânticos, ora com orações” (SC, 33). Pela Liturgia a Igreja celebra o mistério de seu Senhor “até que Ele venha” e até que “Deus seja tudo em todos” (1Cor 11,26;15,28).

Os católicos têm a obrigação de participar dos ritos de preceitos

A Liturgia é uma ação sagrada com ritos, na Igreja e pela Igreja, pela qual se realiza e se prolonga a obra sacerdotal de Cristo, para a santificação dos homens e a glorificação de Deus (cf. SC, 7). Pela Liturgia, Cristo, nosso Redentor e Sumo Sacerdote, continua em sua Igreja, com ela e por ela, a obra de nossa redenção (cf. Cat. n. 1069). Por meio dela, Jesus Cristo exerce o seu múnus sacerdotal, onde é realizada a santificação do homem e o culto público integral pelo Corpo Místico de Cristo, cabeça e membros.

Por isso, afirmou o Vaticano II que: “toda a celebração litúrgica, como obra de Cristo sacerdote e de seu corpo (que é a Igreja) é ação sagrada por excelência, cuja eficácia, no mesmo título e grau, não é igualada por nenhuma outra ação da Igreja” (SC,7), (CIC §1070). Por tudo isso, o católico precisa participar das celebrações que a Igreja chama de ritos de preceitos. O nosso Catecismo diz que somos obrigados a participar da Santa Missa nos domingos e dias santos.

Leia mais:
.: Você sabe o que é a Santa Missa e qual sua importância?
.: Como participar liturgicamente da Santa Missa?
.: Você sabe quais são as partes da Missa e seus elementos?
.: Qual é a diferença da Missa diária para a Missa dominical? 

Segundo o Catecismo, e além dos domingos: “Devem ser guardados igualmente o dia do Natal de Nosso Senhor
Jesus Cristo, da Epifania (6 de janeiro – no Brasil é no domingo seguinte), da Ascensão e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo (Corpus Christi), de Santa Maria Mãe de Deus (1º de janeiro), de sua Imaculada Conceição (8 de dezembro) e Assunção de Nossa Senhora (15 de agosto, no Brasil foi para o domingo seguinte), de São José (19 de março), dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo (29 de junho – no Brasil é no domingo seguinte) e, por fim, de Todos os Santos (1 de novembro – no Brasil no domingo seguinte)” (n. 2177).

Caminho para a santidade

Além das festas de preceito obrigatórias citadas acima, a Igreja convoca os católicos para a participação também nas demais celebrações importantes do Ano Litúrgico, como as da Semana Santa (Missa do lava-pés, Adoração da Cruz, Vigília Pascal). Além dessas, os fiéis são vivamente incentivados a participar das celebrações especiais, como, na Quaresma, a Via-Sacra, a novena de Pentecostes, as festas do Sagrado Coração de Jesus (na sexta-feira da semana seguinte à festa de Corpus Christi) e do Sagrado Coração de Maria (no sábado seguinte).

A riqueza litúrgica da Igreja ainda nos oferece a Liturgia das Horas, as grandes novenas dos santos padroeiros, as memórias dos grandes santos e santas, especialmente dos santos Apóstolos, mártires, doutores, virgens, monges, eremitas etc. Tudo isso são meios de obtermos as graças de Deus para uma vida santa.

banner espiritualidade


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

comentários