Pentecostes

Você sabe o significado do Círio Pascal?

O Círio Pascal é o símbolo mais destacado do Tempo Pascal, esse tempo especial da Igreja que vai da Páscoa até a Solenidade de Pentecostes.

A palavra “círio” vem do latim “cereus”, de cera, o produto das abelhas. O Círio mais importante é o que é aceso na Vigília Pascal como símbolo de Cristo – Luz, e que fica sobre uma elegante coluna ou candelabro enfeitado. Jesus é a luz do mundo.

Você sabe o significado do Círio Pascal

Foto Ilustrativa: Arquivo CN/cancaonova.com

Ele disse: “Eu sou a luz do mundo; aquele que me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida” (João 8,12).

O Círio Pascal espalha a luz pelo mundo

O Círio Pascal é já, desde os primeiros séculos, um dos símbolos mais expressivos da Vigília. Em meio à escuridão (toda a celebração é feita de noite e começa com as luzes apagadas) de uma fogueira previamente preparada, acende-se o Círio, que tem uma inscrição em forma de cruz acompanhada da data do ano e das letras Alfa e Omega, a primeira e a última do alfabeto grego, para indicar que a Páscoa do Senhor Jesus, princípio e fim do tempo e da eternidade, alcança-nos com força sempre nova no ano concreto em que vivemos.

O Círio Pascal tem incrustado, em sua cera, cinco cravos de incenso simbolizando as cinco chagas santas e gloriosas do Senhor da Cruz.

Na procissão de entrada da Vigília, canta-se, por três vezes, a aclamação ao Cristo – “Luz de Cristo. Demos graças a Deus” – enquanto, progressivamente, vão se acendendo as velas dos presentes e as luzes da Igreja. Isso significa que é na Luz de Cristo que cada cristão acende a luz no seu interior para iluminar a sua vida.

Depois, o Círio é colocado na coluna ou no candelabro que vai ser seu suporte, e se proclama, em torno dele, depois de incensá-lo, o solene Pregão Pascal.

Leia mais:
.: Nove dias de preparação para a Festa de Pentecostes
.: O silêncio de Maria depois do Pentecostes
.: Oração de Pentecostes
.: O sentido do Pentecostes

Além do simbolismo da luz, o Círio Pascal tem também o da oferenda, como cera que se consome em honra a Deus, espalhando sua Luz: “Aceita, Pai Santo, o sacrifício vespertino desta chama, que a santa Igreja te oferece na solene oferenda deste Círio, trabalho das abelhas. Sabemos já o que anuncia esta coluna de fogo, ardendo em chama viva para glória de Deus… Rogamos-te que este Círio, consagrado a teu nome, para destruir a escuridão desta noite”.

O Círio Pascal ficará aceso em todas as celebrações durante as sete semanas do tempo pascal, ao lado do ambão da Palavra, até a tarde do domingo de Pentecostes. Uma vez concluído o tempo Pascal, convém que o Círio seja dignamente conservado no batistério.

O Círio Pascal também é usado durante os batismos e as exéquias, quer dizer, no princípio e no término da vida temporal, para simbolizar que um cristão participa da luz de Cristo ao longo de todo seu caminho terreno, como garantia de sua incorporação definitiva à Luz da vida eterna.

O Círio Pascal usado na Basílica de São Pedro é utilizado depois para confeccionar o “Agnus Dei”, que as pessoas podem usar em uma corrente no pescoço. Nele, está a cera do Círio Pascal. É um sacramental.

banner espiritualidade


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

comentários