Dicas

Como aliviar a cólica em bebês?

As cólicas nos recém-nascidos estão relacionadas ao tipo de dieta da criança, perfil da microbiota e o sistema gastrointestinal ainda em formação. Apesar de não serem sinal de algo grave, os acessos de choro, contorcionismos de braços e pernas, além dos gritos inconsoláveis pelos quais elas são marcadas acabam assustando e tirando o sono dos pais.

Lembre-se ainda de que pais e mães precisam manter a calma (sim, respire) na hora da crise, pois a ansiedade dos adultos é sentida pelo bebê, que reage com mais choro e dor. Tente acalmá-lo levando-o ao colo ou amamente.

Como aliviar a cólica em bebês

Foto Ilustrativa: by Getty Images RuslanDashinsky

Massagens, bolsas térmicas mornas ou compressas com pano morno sobre a barriga ajudam, bem como exercícios dobrando as pernas em direção ao abdômen, de forma lenta e gradual, para auxiliar na eliminação dos gases. Jamais ofereça qualquer medicamento para o bebê, a não ser que seja uma orientação do pediatra.

Dicas importantes para evitar cólicas nos recém-nascidos:

Massagem: deve ser feita em sentido horário ao redor do umbigo, com movimentos suaves e um pouco de pressão. Métodos como a shantala também funcionam.

Calor: bolsas térmicas até são úteis, mas há risco de queimaduras. O melhor é o contato pele a pele, com a barriga do bebê colada na do adulto.

Banho quentinho: o princípio segue o do item acima. A água morna relaxa a musculatura do bebê e alivia as dores. Em alguns casos, ele embala na soneca.

Falsa sucção: o movimento de sugar dá prazer e acalma. Então, ele pode ser posicionado próximo ao peito ou mesmo com a boca no dedo da mãe ou do pai.

Leia mais:
.: Choro do bebê: como identificar e quando se preocupar
.: Família: projeto do amor de Deus
.: Saiba como se preparar para a amamentação
.: A relação entre nutrição e fertilidade

Carinho: pegar no colo, fazer carinho, cantar… O suporte emocional e a proximidade física são fundamentais para atenuar a crise. Fora que estreitam laços entre pais e bebê.

Arrotar: elimina os gases, mas nem toda criança arrota e fica tranquila. O essencial é mantê-la de barriga para cima e cabeça levemente elevada depois da mamada.

Amamentar: se o pequeno quiser comer durante uma crise, a mãe pode dar o peito. Basta tomar cuidado para que ele não mame demais e, assim, tenha prejuízos na digestão.

Enrolar: quanto mais aninhado o bebê estiver, mais se sentirá como se morasse no útero, o ambiente mais confortável e seguro que ele já viu.

banner pais e filhos

 


Heda Cristina Bilard

Graduada em Enfermagem pela UNIFATEA, Heda Carvalho tem especialização em Saúde Publica pela UNITAU, Obstetrícia pela UNIVAP e Administração Hospitalar pela Universidade São Camilo, áreas na qual possui vasta experiência de 10 anos. Ela trabalhou como Coordenadora na Saúde Pública de Guaratinguetá, foi Gerente de Enfermagem na Santa Casa de Lorena e Aparecida. Atualmente, é fundadora da assessoria para mães e bebês “CASULO”, sendo especialista em Educação Perinatal, Shantala, Laserterapia, Aromaterapia e Doulagem.

comentários