testemunho

Minha filha sofreu bullying. Como eu reagi?

Minha filha é de baixa estatura para a idade dela, mas, segundo os médicos, nada anormal, pois procuramos saber. No entanto, à medida que ela ia chegando à pré-adolescência, entre 9 a 12 anos, mais se evidenciava a diferença do seu tamanho para o tamanho de outras pessoas da sua idade. Então, ela começou a passar pelo que chamamos de bullying. Começaram os apelidos: “Anã de jardim”, “baixinha” e outros. Na cabeça delas e em suas emoções, teve início a angústia, a tristeza e a vergonha. Ela chegava em casa, muitas vezes, chateada. Chorava, queixava-se desse ou daquele; e, até mesmo, adultos e responsáveis por ela, em alguma atividade extra-casa, brincavam com seu tamanho. Uns faziam de modo carinhoso, mas para ela não soava como carinho; outros, realmente, zombavam, provocavam e queriam intimidá-la com apelidos inapropriados.

 

Foto Ilustrativa: LightFieldStudios by Getty Images

O que fizemos, como pais, nessa situação de bullying?

Começamos a orientar que ela não ouvisse ou que fingisse que não ouvia quando não a chamassem pelo nome, mas por um apelido pejorativo: “Ignore, pois, quanto mais brava e nervosa você ficar diante deles, mais eles vão zombar. O que eles querem é irritá-la, então, se não conseguirem, não haverá mais graça para eles. Quando chegar em casa, desabafe conosco. Estamos ao seu lado; e vamos vencer”.

Contei para ela que, na minha infância, tinha uma artista com o nome de Amélia Bicudo, e como eu tinha os dentes um pouco para fora, começaram a me chamar pelo nome dela. Fiquei brava algumas vezes, depois, toquei-me de que não ia mais olhar ou responder quando me chamassem assim. Dito e feito! Eu não olhava, ignorava-os, conversava com outra pessoa cada vez que alguém me chamava pelo apelido. Então, o apelido não pegou! E, desse modo, também minha filha começou a fazer.

Entre lutas, vitórias e derrotas, ela foi enfrentando tudo aquilo com o nosso apoio. Por estar maiorzinha, não queria que fôssemos na escola falar com ninguém sobre isso, então, respeitamos (já que não era algo mais grave; do contrário, teríamos ido!) e fomos dando o suporte em casa. Com o tempo, ela mesma descobriu um jeito de se livrar do problema e começou a nos contar, com alegria, sua descoberta.

Ela começou a entrar na brincadeira. Se brincavam usando um apelido, ela brincava também. Ela mesma se chamava de baixinha e levava tudo na brincadeira. Os que faziam os apelidos foram perdendo a graça de chamá-la assim, pois não a irritava mais. Ela disse: “Sabe, eu sou baixinha mesmo. Tenho minhas vantagens e desvantagens, então, vou aproveitar minha vida. Quem quiser que fale. Vou é rir”.

Leia mais:
.: Que tal um sorvete?
.: Quando os filhos não querem ir à Igreja
.: Bíblia para crianças: em cada fase, um jeito novo de semear
.: Sabe por que evangelizo crianças há 22 anos?

Ajudá-los a amadurecer

Nunca é fácil ver um filho chegar em casa e desabafar algo que o faz sofrer. Não é fácil vê-lo chorar. O primeiro impulso é a vontade de ir atrás de quem fez ou falou e defendê-lo com todas as forças, mas nem sempre esse é o caminho que leva os nossos filhos ao amadurecimento.

Lógico que, se o sofrimento trazido por eles for algo mais grave, como um abuso, drogas ou qualquer coisa nesse nível, temos sim de intervir e proteger a todo custo. Nesses casos de bullying, em que nós também sofremos em nossas gerações, mas sem ter conhecimento desse nome, precisamos ajudá-los a amadurecer a partir daquela situação. Vencendo essa, outras virão. A vida é assim!

Que o Senhor nos dê a sabedoria necessária para cada situação. Sem buscar n’Ele a força e inspiração das palavras, é sempre mais difícil ser apoio, mas com Deus tocamos numa força além da nossa.

Deus abençoe sua família também!

banner pais e filhos


Rosení Valdez Oliveira

Rosení Valdez Oliveira é missionária na Comunidade Canção Nova desde 1997. Ela reside na missão de Cachoeira Paulista (SP) e atua no Setor infantojuvenil com produção de conteúdo para crianças e adolescentes. Rosení também prega encontros para casais junto com seu esposo, Alexandre Oliveira. Semanalmente, o casal comanda uma live oracional no Instagram da @cancaonova. A missionária é colunista, desde 2013, do portal cancaonova.com. Também é autora de livros publicados pela Editora Canção Nova, e do DVD ‘Um lugar bem legal’, pela gravadora Canção Nova.

comentários