Relação pessoal

Eu me relaciono de verdade com Jesus Salvador?

A salvação que Cristo doa ao mundo só é alcançada por aqueles que se lançam em uma relação pessoal com Ele

A salvação nos foi dada por meio de Jesus Cristo, n’Ele fomos salvos (cf. Rm 5, 10). Mas, não basta somente crer, precisamos também nos esforçarmos para viver em conformidade com esse dom, assim exorta-nos a doutrina católica (cf. Tiago 2, 17).

No evangelho de Lucas 23, 39 – 43, nos deparamos com o Cristo suspenso na cruz e ao lado d’Ele dois ladrões. Os dois foram condenados à morte, por consequência das maldades que realizaram e, diferente de Jesus, mereciam o que estavam sofrendo.

Foto ilustrativa: Wesley Almeida / cancaonova.com

O primeiro ladrão, faz como todos os outros que participam desta cena trágica, zomba de Jesus: “Se és o Cristo, salva-te a ti mesmo e salva-nos a nós!” Não é apenas uma zombaria, é um grito de dor. Está clamando – se podes; faça alguma coisa, salva-me desse tormento – esse homem pede a salvação, mas seu pedido de ajuda se baseia somente no sofrimento carnal, ele não ultrapassa o olhar humano em relação a Jesus e por isso não experimenta a graça de conhecê-lo. Jesus, até então, permanece em silêncio.

Em seguida, o segundo ladrão, clama: “Jesus, lembra-te de mim, quando tiveres entrado no teu Reino!” Apesar de sua condição pecadora, ele vê que Jesus não sofre por seus próprios erros, mas nota que, esse homem ao seu lado sabe de algo que o ajuda a suportar tudo aquilo. Então, esse ladrão pede para ser apresentado para essa realidade. Pede uma relação pessoal com Aquele que está ao lado dele.

E, então, Jesus rompe o seu silêncio: “Em verdade te digo: hoje estarás comigo no paraíso.”

Leia mais:
.: Deus é resposta e caminho para nossa salvação
.: O que é ter fé e também ser uma de pessoa de fé?
.: Aqueles que nunca ouviram falar de Deus podem ser salvos?

O primeiro ladrão, desafia Jesus a sair da cruz e depois tirá-lo. O segundo ladrão, ao contrário, diz: “Vai ao teu Reino e leve-me, também, para ele.”

Os dois pedem para mudar a situação: um pede uma mudança instantânea e o outro se abre para um futuro.

Não é que Deus não queira nos livrar das dores que carregamos, entretanto, Jesus está mais interessado na nossa salvação eterna.

Abandonar-se em Deus

A experiência cristã de, abandonar-se em Deus nos momentos de dor, é fazer a experiência de pedir para Deus algo no futuro, mas sentir-se em paz no presente. Confiar em Jesus faz com que algo mude dentro de nós. Ele não nos tira sempre da cruz, mas com certeza nos dará o paraíso.

A salvação que Cristo doa ao mundo, só é alcançada por aqueles que se lançam em uma relação pessoal com Ele, entregando suas dores, angústias, medos e sofrimentos, no entanto, não colocando como condição para segui-Lo a resolução dessas realidades. É olhar para Cristo e saber que mesmo se a dor não passar aqui, chegará o dia em que O “veremos face a face” (I Cor 13, 12), e ali não haverá mais dores e nem lágrimas.

Maranatha, vem Senhor Jesus.


Paulo Pereira

José Paulo Neves Pereira nasceu em Nossa Senhora do Livramento (BA). É missionário da Comunidade Canção Nova e atua no setor de Jornalismo da Canção Nova em Roma, Itália.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.