Só o amor permanece e vence, sempre!!!

O amor de Deus nos leva a amarmos e aceitarmos as pessoas da forma que elas são, não do jeito que nós gostaríamos que elas fossem.

Ao experimentar o amor de Deus, sentimos a necessidade de cada vez mais levarmos seu amor ao mundo, à todas as pessoas. O amor de Deus nos impulsiona a cada vez mais passarmos para os outros aquilo que Dele experimentamos. Nesse sentido, a vida do cristão, sua conduta, sua ética, devem ser pautadas no amor; uma vez que Deus nos amou primeiro. João, o discípulo amado de Jesus, definiu Deus dizendo que Ele é amor. Sim, Deus é o próprio amor. Deus não tem amor, Ele é amor. A essência dele é amor, pois ele só sabe amar. Assim, devemos ser. Em I Jô 4, 7 João nos fala: ‘Amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus‘.

Nessa exortação, João nos pede a amarmos a todos, indistintamente, amarmos aquelas pessoas que gostamos e também aquelas que não gostamos e até mesmo nossos inimigos, como Jesus mesmo disse aos seus discípulos. Outrossim, precisamos a todo momento pedir a ação do Espírito Santo para realmente amarmos todas as pessoas, especialmente aquelas mais difíceis, pois do que adianta amarmos somente aquelas pessoas que nos fazem o bem?

Lembro-me de uma estória que dizia que um monge passava com seus discípulos sobre uma ponte, e o volume do rio estava muito cheio e a água estava quase tocando a ponte, a ponto de fazê-la submergir a qualquer momento. Quando estavam na metade da ponte, viram que um escorpião passava pela ponte com dificuldade, também tentando passar para o outro lado. Foi quando o monge pegou uma varinha e tentou fazer com que o escorpião ficasse nela, para podê-lo conduzi-lo até à outra margem. Não foi de surpresa para os discípulos, que repentinamente o escorpião em um golpe traiçoeiro picou o monge.

Para a surpresa dos seus discípulos, o monge, com muita paciência pegou a varinha novamente e tentou pegar o escorpião. De repente, um dos discípulos dirige-se ao monge e indaga-lhe: “Por que você não mata este escorpião? Veja o que ele lhe fez…” O monge olhou para seus discípulos e disse: ‘Este escorpião fez exatamente aquilo que sua natureza lhe permite fazer, eu, ao contrário, não poderia deixar de fazer aquilo que minha natureza me permite-a de salvá-lo‘. Nós cristãos, não podemos deixar de amar, porque o amor é inerente ao cristão. Amar é decisão, é exercício.

Muitas vezes queremos mudar as pessoas, as rotulamos, e fazemos uma série de coisas querendo que elas ajam como nós, façam o que fazemos, ou até pensem como nós. Não temos ‘poder’ para fazermos isso, mas, uma vez que decidimos amá-las do jeito que são, aí sim o amor de Deus transforma, muda toda a situação, toda a realidade. Quando olhamos ao nosso lado e percebemos que as coisas não mudam, é sinal de que precisamos amar mais. Não há outro caminho. Que possamos fazer como Santa Terezinha do Menino Jesus descobrir que o caminho é o amor, a nossa vocação é o amor, pois tudo passa, as tribulações, os problemas, a fome, a miséria, a nudez, mas só o amor permanece e vence, sempre!

Sem. Fernando Cezar
Comunidade Canção Nova
E-mail: cezar@solar.com.br

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.