Próximos ao insuportável

O uso da violência é o lado oposto do direito. Neste existem regras fixas, definição dos delitos, e castigo previsível pelos crimes. No uso da violência vige o instinto, a reação irrefletida, a vingança sádica, a ausência total de regras. Após a aprovação da nova Constituição – é apenas uma coincidência – começaram a aparecer crimes bárbaros. Tais como matança de policiais, de juízes, de crianças inocentes, de serviçais de bancos e do comércio.

Os assaltos domésticos (mesmo com toda a parafernália de segurança e de vídeos) decuplicaram. E muitíssimas vezes vem acompanhados de assassinatos desnecessários e sem sentido. A recomendação da polícia de não reagir aos assaltantes, é estéril, pois matam assim mesmo (dependendo do humor). Tenho acompanhado, por uns bons anos, as estatísticas de algumas cidades de médio porte. Pois nelas, fora a fora, no mês de outubro já está superada a taxa de assassinatos do ano anterior. Isso significa que estamos numa escalada, tendendo para um crescimento monstruoso.


Assista também: “O céu é o meu lugar, lá está o meu tesouro”, com pe. Roger Luís

Os roubos e assassinatos são a maneira mais estúpida de querer progredir na vida (ou conseguir dinheiro para as drogas). Seus autores, se não vão parar na prisão, perdem totalmente o bom nome, mesmo que imaginem que ninguém está sabendo do crime. Que saibam que a lei divina, nos dez mandamentos, condena como pecado gravíssimo isso de matar o semelhante e roubar o fruto de seu trabalho.  Quem perpetra tais crimes tem a maldição de Deus. “Andarás errante e fugitivo sobre a terra”  (Gn. 4, 12).

A gente se pergunta se o nosso sistema escolar brasileiro tem capacidade para educar a nova geração, na observância da lei divina e humana. Como ele está, não. Algumas escolas até proíbem de falar em Jesus Cristo. Várias instituições educacionais se vangloriam de serem laicas, e por isso não apelam jamais para valores perenes. Assim, a par de formarmos ótimos cidadãos, (ainda é possível), formaremos também uma horda de bandoleiros, que não se consideram mais filhos de Deus. O marco civilizatório mais garantido para formar a consciência dos cidadãos, é o temor de Deus. Este “é o princípio da sabedoria” (Sl. 111, 10).

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.