Presença amorosa de Deus

As graças de Deus são constantes em nossas vidas. Não porque somos dignos dela, mas porque o amor de Deus por nós é enorme. Deus não possui amor, ‘Deus é amor’ (1Jo 4,8). Assim, por ser amor e perfeito, o seu amor por nós não possui falhas, não possui pré-conceitos, nem nos acusa.

De fato, Deus se faz presente em todos os momentos de nossas vidas, dispondo-se inteiramente a nos amar. Acolhe-nos nos momentos tristes e nos alegres, consola-nos nos momentos triste e se alegra conosco nos momentos alegres. Ele chora conosco em nossas dores e se faz presente ainda mais nestes momentos, para mostrar que não estamos sós, mas que Ele está conosco e nos cobre de amor e de graças. Não que Ele não se faça presente em nossas alegrias, muito pelo contrário; mesmo que nos esqueçamos que Deus está conosco nos momentos alegres, Ele fica a sussurrar em nossos corações: ‘esta alegria também é um presente Meu para você, meu amado’.

De fato, se não fosse necessário que Deus manifestasse seu amor por nós, ou se Ele não nos amasse, o Senhor não teria entregado o seu Filho único como vítima de nossos pecados. E Ele o fez como se dissesse a cada um de nós: ‘Veja, entrego meu Filho ao sofrimento para verdes o quanto vos amo’. Mas infelizmente afirmamos muitas vezes que ‘Deus não nos ama’, que ‘se Ele nos amasse não sofreríamos tanto’. Este é um grande engano que Satanás procura colocar sempre em nossos corações. E mais, muitas vezes reclamamos: ‘aí,… meus sofrimentos e problemas aumentaram desde que entrei na Igreja…’. Embora isso seja uma verdade, que nossos sofrimentos aumentam quando começamos a caminhar na Igreja, não quer dizer que venha da parte de Deus.

Deus nos permite ser provados na fé, por isso permite que Satanás nos tente e prove… ou seja, o sofrimento não vem por parte de Deus, mas do diabo. Agora, se Deus assim permite que passemos por situações de provação e tentações, Ele o faz por que dali Ele tirará um proveitoso bem, maior que o sofrimento.

No Catecismo da Igreja Católica, nº 312, nos é ensinado: ‘Assim, como o passar do tempo, pode-se descobrir que Deus, em sua providência toda poderosa, pode extrair um bem das conseqüências de um mal. (…) – e ainda nos exemplifica – Do maior mal moral jamais cometido, a saber, a rejeição e o homicídio do Filho de Deus, causado pelos pecados de todos os homens, Deus, pela superabundância de sua graça, tirou o maior dos bens: a glorificação de Cristo e a nossa Redenção. Quer maior prova de amor??

Ora, por sermos falhos, nosso amor também é falho! Imagine-se no lugar de Deus, mas não como Deus, vendo seu filho morrer para salvar a humanidade. Imagine os tempos de hoje, em que pouquíssimos de nós reconhecem tamanho feito de amor. Qual seria o primeiro pensamento que viria em nossos corações? Por acaso não seria: ‘Desisto, não tem jeito… mesmo com tamanha prova de amor esse povo não entende que os amo’?! Bem, pelo menos o meu seria.

Então, como podemos esquecer o amor de Deus por nós? Visto que, diferente de nós, Deus não desiste, mas insiste, sempre na esperança de que reconheçamos este amor e passemos ao corresponder. ‘Ah, é porque sofremos tanto, choramos tanto… como pode Deus estar nestas situações?’ Veja, Deus é infinitamente amor e, ainda mais, muito sábio.

Sabendo a dureza de nossos corações e que poucas pessoas reconheceriam este amor, Ele não somente entregou seu Filho à morte para nos provar seu amor e nos redimir de nossos pecados, mas também assumiu a condição humana para nos mostrar como proceder em nossas vidas e nos mostrar que está sempre a nosso lado, principalmente em nossos sofrimentos, a nos amar. Assim diz São Paulo na Carta aos Hebreus: ‘Pois, tendo Ele próprio sofrido ao ser provado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a provação’ (Hb 3, 18). Assim Cristo nos dá um motivo ainda maior para crermos que Ele está conosco; é como se Ele dissesse: ‘Amados, vivi o que vocês vivem hoje, por isso sei o que estão passando e por isso me compadeço de vocês’! Incrível, não?

Muitas vezes quando alguém vem nos aconselhar nós pensamos: ‘Mas o que fulano pode dizer a respeito do que estou passando sendo que ele próprio nunca passou por isso?!’ Entendeu agora? O Senhor sabe o que vivemos e por isso nos indica o caminho! Mas não que Ele não o soubesse antes, pois Ele é Deus, mas porque sabia que nossos corações se perguntariam ‘como Ele pode aconselhar sobre uma coisa que Ele nunca passou?’ – assim Ele poda a nossa alma, para que cresçamos e nos tornemos mais fortes e mais belos a seus olhos.

‘Ah, mas por que Deus quer isso de mim? Por que Ele não quer o que eu quero?’ Simples: ‘Eu sou o caminho, a verdade e a vida’ (Jo 14, 6) – diz o próprio Cristo a nós, que fora d`Ele não há felicidade, e podemos observar isto no simples fato das pessoas que não têm Deus no coração e aquelas que O têm e vivem a serviço d´Ele. Basta vermos a felicidade que nossos irmãos de caminhada, de comunidade ou religiosos têm em nos ajudar, basta tomar os exemplos de santos como São Francisco, Madre Tereza de Calcutá e muitos outros santos. Digo isto por testemunho, pois não tenho felicidade maior do que servir aos irmãos por Deus e sei que no mundo o máximo que encontrarei são alegrias passageiras.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.