Maravilhosas são vossas obras, ó Senhor!

Através da observação de nós mesmos e das outras coisas criadas, somos levados a pensar precisamente na inteligência infinita, na bondade e na perfeição de Deus.

Acredito que cada um de nós já parou alguma vez e pensou: por quem fui criado ou criada? para quê? Ou ainda, para onde vou? Estes interrogativos sondam o nosso coração, sobretudo de nós jovens, que somos tão cheios de energia, questionamentos e tão sedentos da verdade…

Já dizia um filósofo famoso que toda pergunta é na verdade uma afirmação. Se pergunto por quem fui criado, é porque tenho a certeza de que alguém me criou. Se
pergunto para quê fui criado, é porque sei que minha vida tem sentido, tem uma meta, que impulsionam meu existir. Se pergunto para onde vou, é porque sei que
minha vida vai seguir um caminho, vai ter um desenvolvimento, uma maturidade e que vai atingir a um fim.

Parece complicado, não é? Mas não é tanto assim, principalmente quando se está disposto ou disposta a sentir, de maneira sincera, o interior do coração.

Você irá perceber que dentro dele existe um ardor, um verdadeiro desejo pelo infinito. É justamente por isso que fazemos aquelas perguntas. Temos a certeza de que a
nossa vida não começou por acaso, nem vai acabar quando dermos o último suspiro.

Também nas outras coisas criadas percebemos isso. Quando olhamos ao nosso redor, sentimos o interrogativo sobre a origem do universo, do homem, da natureza, da
técnica e da inteligência que a produz. São nesses momentos de reflexão que perguntamos então de onde nascem todas as coisas que admiramos.

É aí que entramos no ponto chave da nossa reflexão. Através da observação de nós mesmos e das outras coisas criadas, somos levados a pensar precisamente na
inteligência infinita, na bondade e na perfeição de Deus.

Hoje Ele te convida a consolar o Seu coração, pois Ele te ama. Se soubesse o quanto ele te ama, você choraria de alegria. E você poderia perguntar: Como conheço a
Deus? Nós o conhecemos através do mundo criado, mas é em nome da criação, que proclamaremos os louvores de Deus. ‘Eu te louvo porque me fizeste maravilhoso; são
admiráveis as tuas obras, ó Senhor! (Salmo 139,14)’.

Você também faz parte da criação. É também obra maravilhosa aos olhos de quem te criou. Sabia disso?

É preciso tomar posse desta realidade. Apesar de nossos defeitos, o Criador nos ama infinitamente, porque é infinito. ‘Vós sereis grandes, se servirdes a Deus’: o
ramo não pode viver se não está na videira. Por analogia, o homem que não é intimo de seu Criador, crê talvez se auto afirmar, mas caminha para a destruição.

Se você que foi criado para ser infinito, não procura a fonte desta infinitude, o que acha que vai acontecer? Portanto, viva e deixe viver. Ame e deixe-se ser amado
ou amada. Desperta, meu irmão! Desperta, minha irmã! Contemple e dê continuidade as maravilhas de Deus.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.