Virtude e Sabedoria

Prudência, nosso maior bem

Prudência é fruto de Deus, é virtude que vem do Alto

“E se alguém ama a justiça, seus trabalhos são virtudes; ela ensina a temperança e a prudência, a justiça e a força: não há ninguém que seja mais útil aos homens na vida. Se alguém deseja uma vasta ciência, ela sabe o passado e conjectura o futuro; conhece as sutilezas oratórias e revolve os enigmas; prevê os sinais e os prodígios, e o que tem que acontecer no decurso das idades e dos tempos. Portanto, resolvi tomá-la por companheira de minha vida, cuidando que ela será para mim uma boa conselheira, e minha consolação nos cuidados e na tristeza” (Sabedoria 8,7-9).

O mundo de hoje vive uma grande crise de virtudes. Aumenta, de modo assustador, o grande problema dos vícios, sejam eles quais forem: vício de drogas, de entorpecentes, de cigarro, de álcool, entre outros. Esse tipo de conduta atingiu um ponto tão alarmante que, muitas vezes, temos vergonha de fazer a coisa certa.

Não é permitido mais fazer o certo, pois se você está certo, está errado no conceito do mundo. Além dos vícios físicos, ainda há os vícios da alma. Pensa-se: “Perdoar? Imagine! Eu não preciso de ninguém!”.

As pessoas acreditam que a virtude deva se dobrar diante do vício, mas é exatamente o contrário que precisa acontecer; o vício deve se dobrar diante da virtude. Por isso, há uma necessidade muito grande da presença das virtudes em nossa vida.

Hoje, vamos nos aprofundar naquela que é considerada a “mãe das virtudes”: a prudência. Não existe nenhuma outra coisa se esta não existe. Pensa-se que prudência é cautela, mas não é isso que as Sagradas Escrituras nos ensinam. Prudência não é simplesmente sinônimo de cautela.

Ser prudente é ver e perceber aquilo que realmente é importante; é perceber as coisas a partir da luz de Deus e dar a resposta certa no momento certo. Prudência não é medo, é discernimento. Ela não só nos manda ficar, mas também nos manda ir.

A sabedoria é fruto da prudência, as duas são a mesma coisa. Compreendemos o que é preciso fazer, vamos lá e fazemos. A prudência sabe contornar as situações.

Vejamos o exemplo da “parábola das dez virgens prudentes”, que se encontra em Mateus 25,1-13: “Então, o Reino dos céus será semelhante a dez virgens, que saíram com suas lâmpadas ao encontro do esposo. Cinco dentre elas eram tolas e cinco, prudentes. Tomando suas lâmpadas, as tolas não levaram óleo consigo. As prudentes, todavia, levaram de reserva vasos de óleo junto com as lâmpadas. Tardando o esposo, cochilaram todas e adormeceram. No meio da noite, porém, ouviu-se um clamor: Eis o esposo, ide-lhe ao encontro. E as virgens levantaram-se todas e prepararam suas lâmpadas. As tolas disseram às prudentes: Dai-nos de vosso óleo, porque nossas lâmpadas se estão apagando. As prudentes responderam: Não temos o suficiente para nós e para vós; é preferível irdes aos vendedores, a fim de o comprardes para vós. Ora, enquanto foram comprar, veio o esposo. As que estavam preparadas entraram com ele para a sala das bodas e foi fechada a porta. Mais tarde, chegaram também as outras e diziam: Senhor, senhor, abre-nos! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo: não vos conheço! Vigiai, pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora”.

Essa passagem bíblica nos mostra bem o que é a prudência. Às vezes, mesmo que tenhamos vontade de ser solidários, não podemos dar algo que vai nos faltar. Muitas vezes, damos aquilo que nos é necessário. Prudência é fruto de Deus, é virtude que vem do Alto.

É fácil saber o que tem de ser feito, a que horas fazer e como fazer? Claro que não!

Para cada momento existe uma decisão diferente; não é sempre que damos a mesma resposta. Caso isso esteja acontecendo, está na hora de ser mais prudente e escolher entre o mal e o bem.

Por que as pessoas escolhem coisas ruins, então? A escolha entre o bem e o mal é questão apenas de inteligência, nos lembra Santo Inácio de Loyola. Por isso, escolher entre o bem e o mal é questão apenas de sobrevivência. Mas a vida não está baseada simplesmente na escolha do bem, é preciso saber que nem todo bem nos faz bem, nem todo bem faz bem a todos. Isso é discernimento! É preciso saber escolher entre o bem e o bem devido.

Se olhamos, por exemplo, o açúcar, ele é um bem, mas não faz bem a quem é diabético nem a quem se recupera de cirurgias. Ou seja, nem todo bem nos faz bem o tempo todo. Escolher entre o bem e o bem devido é questão de prudência.

Para ser feliz é preciso saber romper com o apego às coisas que são incompatíveis com nossa vida. Essa é a vontade de Deus!

Precisamos amadurecer para as escolhas mais difíceis, escolher entre tudo o que é bom e encontrar, na vontade do Senhor, o bem que nos é devido. Acertar nessa escolha é questão de realização. A prudência é a mãe de todas as virtudes, e é nela que nos encontramos com o Senhor. Ser de Deus não é fácil, mas é possível. Peçamos a Jesus Cristo prudência para as nossas decisões. Amém.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.