Advento

A Igreja nos mostra qual é a fonte da verdadeira alegria

A Igreja nos  mostra que a alegria tem um nome, esse nome é Jesus Cristo

Vivemos na Igreja e desejamos oferecer a todos a grandeza do dom que é o anúncio da Boa Nova de Jesus Cristo. Não é nosso projeto esconder o que temos de melhor, quando sabemos que ele é caminho de vida e felicidade para todos. Com o devido respeito às escolhas feitas pelas pessoas, arde em nosso coração o desejo de contribuir para que o mundo seja melhor e mais alegre! Num tempo de consumo, correria, afã de conquistar posições, identificamos com frequência os sinais de desgaste e de falta de sentido, na busca incessante de realização. E os alvos estabelecidos se tornam cada vez mais distantes, nos rostos tensos e preocupados que encontramos, cruzando com olhares ansiosos que suplicam a verdadeira alegria, que tem um nome, Jesus Cristo, que não veio para limitar todas as potencialidades humanas, mas para realizá-las no sentido mais verdadeiro.

A figura de São João Batista (Cf. Jo 1,6-8.19- 28), tão presente e provocante nos Evangelhos e, também, no tempo litúrgico do Advento que a Igreja vive agora, ele tem sua identidade bem definida, a partir da coragem de dizer quem não é! Não é o Messias, nem se afirma profeta, não quer competir com ninguém, faz a figura de um asceta com alimentação e hábitos frugais e até estranhos. É um homem feliz, de “cara fechada”! Não precisa fazer figura para a pose do momento, como uma paisagem colorida, mas sabe ser apenas uma voz que clama: “Preparai o caminho do Senhor”. Sua alegria é fazer o trabalho daqueles que abrem picadas nas matas, fixando piquetes para uma estrada que se abre. Interessa-lhe o outro que vem, aquele que batiza com o Espírito Santo! De fato, pessoa alegre é aquela que acolhe suas próprias potencialidades e limites, sem pretender ocupar um espaço que não lhe cabe, livre e solta por cumprir o próprio dever, transformando a vida em missão, com objetivos claros, sem medo dos riscos e do futuro!

A Igreja nos mostra qual é a fonte da verdadeira alegria

Foto Ilustrativa: Paula Dizaró/cancaonova.com

Faça e propague o bem

Vivemos todos o maravilhoso desafio da liberdade. Nesta verdadeira aventura, há que fazer escolhas corretas. Examinar todas as coisas, ficar com o que bom, afastar-se da maldade, conservar-se sem mancha (Cf. 1 Ts 5,16-24). É a estrada do discernimento, cujo resultado é o equilíbrio e a felicidade, alegria consistente, com a qual se enfrentam as dificuldades. Aqui aparecem com frequência as figuras de homens e mulheres muito simples, que aprenderam apenas a fazer o bem, sem estrelismo, que passam como um filme diante de nossos olhos.  Certamente percebemos o quanto existe em nossa memória de pessoas marcantes e ao mesmo tempo silenciosas. Memória agradecida e desejo de seguir tais exemplos é fonte de alegria!

Alegrar-se em Deus, olhar o futuro com os sinais deixados por Ele à nossa disposição, deixar-se conduzir pelo Espírito de Deus, não apagar o fogo do Espírito! Levar Deus em conta, fazer-se pequeno diante d’Ele! Maravilhosas propostas, nascidas do coração do próprio Deus, que não abandona a humanidade a um destino cego, mas cuida de sua criação com mãos de artista, pois, essa continua a ser aperfeiçoada, com nossa participação e liberdade! Não tenhamos medo das lições de fé, guardadas desde a infância no escrínio de nosso coração. Recuperemos o gosto de pedir com simplicidade na oração, agradecer, louvar a Deus, acolher as boas inspirações, aquelas que nos movem interiormente e nos conduzem ao bem.

Leia mais:
.: Advento, tempo de preparação para vinda do Senhor
.: Como é a presença e os ensinamentos de Maria no Tempo do Advento?
.: Advento tempo de recuperar a sintonia com Deus
.: Viva o Advento com um tempo de espera e esperança

Personagens importante do Advento

Uma das figuras proeminentes do Tempo do Advento, o Profeta Isaías, uma espécie de evangelista do Antigo Testamento, anunciou aquele que teve em suas palavras seu programa de ação: “O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu. Enviou-me para levar a boa-nova aos pobres, para curar os de coração aflito anunciar aos cativos a libertação, aos prisioneiros o alvará de soltura; para anunciar o ano do agrado do Senhor, o dia de nosso Deus fazer justiça, para consolar os que estão tristes” (Is 61,1-2). Em Jesus, o programa é dar liberdade, consolo e alegria aos outros! Não será diferente conosco, se estivermos dispostos a percorrer a estrada da felicidade autêntica. Alegre é quem vive para os outros e não para si!

Nos dias de final do ano, corre uma onda de generosidade, desejo de partilha, serviço mútuo, atenção aos mais pobres, caridade! Em nossa Arquidiocese de Belém, é tempo do projeto “Belém, casa do pão”, com o apelo: “Na casa do pão, o pão para todos”. Na Igreja do Brasil inteiro, a Campanha para a Evangelização, com a qual desejamos crescer em nossa responsabilidade diante dos trabalhos de pastorais, levados adiante em nossas Dioceses. “Há mais alegria em dar do que em receber!” (At 20,35), é a palavra do Senhor que indica a fonte da felicidade e da alegria. Ninguém passe este final de ano sem abrir o bolso, a bolsa e o coração!

Outra figura do Tempo do Advento é a Mãe de Deus e nossa, a Virgem Maria, quando exclama: “Meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador!” (Lc 1,46). O louvor de Maria pode ser o nosso! Isabel reconhece a ação de Deus em Maria e Maria reconhece Deus em sua ação. Reconhecer a ação de Deus sempre causa alegria. Temos a possibilidade de reconhecer a presença d’Ele em cada momento e, particularmente, na dor. Em Deus, cada desafio, e mesmo a dor, pode se transformar em louvor e alegria, quando transformada em amor a Deus e ao próximo. Está em nossas mãos a tarefa da alegria verdadeira, não mais um sentimento superficial, mas a plena realização do plano de Deus, que nos fez para sermos felizes e alegres na comunhão com Ele.


Dom Alberto Taveira Corrêa

Dom Alberto Taveira foi Reitor do Seminário Provincial Coração Eucarístico de Jesus em Belo Horizonte. Na Arquidiocese de Belo Horizonte foi ainda vigário Episcopal para a Pastoral e Professor de Liturgia na PUC-MG. Em Brasília, assumiu a coordenação do Vicariato Sul da Arquidiocese, além das diversas atividades de Bispo Auxiliar, entre outras. No dia 30 de dezembro de 2009, foi nomeado Arcebispo da Arquidiocese de Belém – PA.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.