A Cura da Alma Feminina

Autoimagem e autoestima: como você tem se enxergado?

Autoimagem e autoestima – qual é a influência dessas realidades na sua vida?

Como você se vê? Ou melhor, quais foram as experiências que fizeram você enxergar-se assim? Quais circunstâncias e personagens influenciaram a imagem interna que você construiu acerca de si mesma? Em algumas circunstâncias, os resultados que acumulamos na vida não são mais positivos, porque a forma como nos enxergamos é demasiado negativa. Quando nos enxergamos, apenas a partir do negativo, não conseguimos crescer e nem estimular nossos talentos do jeito certo. Alguém que enxerga-se com olhos muito depreciativos, acaba abortando um número infindável de possibilidades e, mesmo sem perceber, acaba afastando inúmeras conquistas e vitórias que poderiam visitar sua história.

Autoimagem-e-autoestima,-como-você-tem-se-enxergado

Foto ilustrativa: Jorge Ribeiro/cancaonova.com

Quando temos crenças negativas, acerca de nosso próprio merecimento e capacidade, tendemos a nos compreender de forma depreciativa e até desrespeitosa, podendo desenvolver uma forma amarga e insegura de viver e se perceber. A mulher que vive afetada em tais circunstâncias poderá, por exemplo, desenvolver um sério complexo de autorrejeição, não aceitando a si mesma e vivendo em busca da aprovação e do elogio dos outros para poder sentir-se bem.

Assista ao vídeo: Autoestima e autoimagem

Confira aqui a apresentação da série, o primeiro vídeo! 

Leia mais:
::Como conciliar a família com o trabalho e a vida acadêmica?
::Como lidar com a pressão social por estar solteiro?
::Como elevar a autoestima feminina e transbordar felicidade?
::Alma feminina e sua importância para compreender o mundo

Existem coisas que, se não desenvolvemos dentro de nós, o elogio ou a aprovação de ninguém nos poderá acrescentar. Por isso, será sempre terapêutico um caminho de reconstrução da autoimagem a partir da verdade de nossas virtudes e belezas, e nunca a partir das vozes distorcidas ou traumas que deixaram em de nós.

Lamentavelmente, são muitas as mulheres que alimentam uma autoimagem distorcida, vendo-se com uma lente de aumento pautada na autodesvalorização. É claro que, todo ser humano tem defeitos, falhas e realidades nas quais precisa melhorar, todavia, não é isso que o define. Será preciso adentrar em um concreto trajeto de cura, a partir da ação do Espírito de Deus trabalhando em nossa história¹ a forma como nos interpretamos, transformando, também, a maneira como significamos (o significado que damos) às experiências que, assim, nos fizeram enxergar.Desse modo, a mulher será capaz de trazer o seu melhor à tona, iluminando-se interiormente e tornando-se um dom de beleza e afeto para todos que com ela dividem a vida.

Referências:
1 Em entrevista ao jornal italiano ‘Il Messaggero’, em 29.06.2014.


Padre Adriano Zandoná

Padre Adriano Zandoná é missionário da Comunidade Canção Nova. Formado em Filosofia e Teologia, tem quatro livros publicados pela Editora Canção Nova e participação em dois CDs de oração e apresenta o programa “Pra ser Feliz”na TV Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.