Independência

Como os pais podem estimular o desenvolvimento dos filhos?

Os pais têm um papel fundamental no desenvolvimento dos filhos

Muitos pais sentem dificuldades de encontrar o limite entre cuidar e superproteger os filhos. Desde a gestação, a maioria dos pais se preocupa com o desenvolvimento físico, mental, emocional e social da criança, mas o equilíbrio é a medida certa para que as coisas sigam seu curso natural.

No início da vida dos filhos, os pais precisam fazer muitas coisas por eles, para garantir-lhes a sobrevivência, mas permitir pequenas ações de independência ajuda-os a vencer na vida futura. Elas precisam aprender a cuidar de si, para depois também cuidar do outro. A aprendizagem acontece pelos exemplos e estímulos dos pais.

Como os pais podem estimular o desenvolvimento dos filhos

Para buscar e estimular uma atitude de autonomia, os pais precisam observar o ritmo de cada um com relação à independência, mas se as crianças não buscam isso ou se buscam em excesso, com certeza precisam de uma verificação. Acredite: as crianças deixam fraldas, mamadeiras e chupetas mesmo que os pais queiram ou não; a atitude dos progenitores pode contribuir para que seja na forma e no tempo corretos.

Leia também
:: Crianças superprotegidas tornam-se adultos inseguros
:: A exposição dos filhos na internet
:: Como afetos e estímulos ajudam no desenvolvimento da criança

Não podemos definir a idade, mas em torno de dois anos podem ser delegadas tarefas dentro de casa, aumentando a complexidade diante das respostas das crianças. Um fator importante nessa delegação é colocar limites para que os filhos não mandem nos pais em vez de obedecer-lhes.

Capacidade cognitiva

Uma pesquisa na Pensilvânia mostrou que as crianças que tinham o QI mais alto tiveram brinquedos para se divertir, livros para aprender e atenção dos pais para se sentirem amadas. Os pais também cooperam com o desenvolvimento mental quando cuidam da alimentação dos filhos, porque isso ajuda a aumentar a capacidade cognitiva delas.

Desenvolvimento emocional

Os pais têm papel fundamental no desenvolvimento emocional das crianças, pois elas precisam de amor e carinho para desenvolver sua capacidade afetiva e de diálogo para melhorar a linguagem e brincar para aumentar a capacidade de imaginação.

No que diz respeito ao desenvolvimento neurológico, principalmente o andar e falar, o apoio emocional e a contratação de profissional especializado, quando necessário, ajuda a superar barreiras ou evitá-las. Ofereça estímulos, mas respeite os limites de cada um.

Desenvolvimento escolar

Com relação ao desenvolvimento escolar, os pais podem ajudar quando verificam as lições diariamente, dialogam sobre o que acontece na escola, cooperam nos deveres de casa sem fazer por eles, participam das reuniões para saber a opinião dos professores, apoiam no estudo para as provas, procuram um professor particular quando as dificuldades são maiores que a capacidade da criança. Para um bom desempenho escolar, é preciso disciplina, portanto, as crianças precisam ter horário de estudo, não faltar às aulas sem motivo real entre outras coisas.

Desenvolvimento social

O desenvolvimento social é fator de sucesso na futura carreira e convivência dessas crianças com outras pessoas; portanto, elas precisam aprender a interagir, relacionar-se e comunicar-se. Os pais contribuem quando motivam as crianças a expressar sentimentos, ideias e sensações.

Por maiores que sejam as suas expectativas, não se deixem dominar por tabelas que indiquem níveis para maturidade física, mental e emocional das crianças, pois a maioria alcançará o desenvolvimento desejado se puder contar com o carinho dos pais e os estímulos da aprendizagem.


Ângela Abdo

Ângela Abdo é coordenadora do grupo de mães que oram pelos filhos da Paróquia São Camilo de Léllis (ES) e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional. Atua como curadora da Fundação Nossa Senhora da Penha e conduz workshops de planejamento estratégico e gestão de pessoas para lideranças pastorais.

Abdo é graduada em Serviço Social pela UFES e pós-graduada em Administração de Recursos Humanos e em Gestão Empresarial. Possui mestrado em Ciências Contábeis pela Fucape. Atua como consultora em pequenas, médias e grandes empresas do setor privado e público como assessora de qualidade e recursos humanos e como assistente social do CST (Centro de Solidariedade ao Trabalhador). É atual presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos) do Espírito Santo e diretora, gerente e conselheira do Vitória Apart Hospital.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.