aprenda

O que fazer quando a criança sente fome ou chora durante a Missa?

“Amamente, não tenham medo, alimente-os, porque isso também é linguagem de amor”, ensina o Papa Francisco. Muitas mães ficam constrangidas diante da necessidade de alimentar seus filhos. “Vocês, mães, dão leite às suas crianças e, mesmo agora, se elas chorarem por estarem com fome, amamente-as, não se preocupem”, disse em uma celebração na Capela Sistina. “Nesses momentos, rezem por tantas mães pobres do mundo que não conseguem alimentar sua família”, aconselha o Papa.

Outra sugestão é assegurar que as crianças estejam bem alimentadas para a Missa: elas não têm de jejuar! No entanto, na medida do possível, é preferível evitar dar-lhes alimentos dentro da Igreja. A criança precisa ser educada para compreender que “há um tempo para cada coisa” (Eclesiastes, 3).

Choros ou gritos das crianças podem atrapalhar, mas a comunidade deve incentivar a participação de toda família. O Papa Francisco afirma que “o choro da criança é a voz de Deus, é a melhor oração”. Ele explica que, quando
alguém fica incomodado ao ver uma criança chorando na Igreja e pede para retirá-la, está apagando a voz de Deus. “As crianças choram, fazem barulho em todos os lugares. Mas nunca podemos expulsar as crianças que choram na Igreja”, completa. Afinal, o pedido de Jesus é claro: “Deixem as crianças virem a Mim” (Mateus, 19).

O que fazer quando a criança sente fome ou chora durante a Missa?

Foto ilustrativa: tatyana_tomsickova by Getty Images

Educar a criança

Se a criança grita ou não para de fazer barulho é preferível levá-la  para fora até que ela se acalme. Mas, assim que sossegar, deve voltar para dentro, para que não associe que portar-se mal a leva a sair da Missa. Com esse gesto, as outras pessoas vão perceber que os pais estão fazendo todo o possível para não atrapalharem a celebração.

Um artigo publicado no site da diocese norte-americana de Idaho, escrito por padre José Ramírez, afirma que choro não é desculpa para deixar os filhos em casa. “Uma criança pequena chorando na Missa é um sinal de que a Igreja continua viva e continua com a sua missão de evangelizar”, destaca. O sacerdote indica que a estrutura da liturgia pode ser difícil para qualquer criança, poderá levar tempo e dedicação aos pais e não será fácil, mas com uma disciplina de fé e um bom exemplo, a lição será bem aprendida.

Leia mais:
::Como participar da Missa com crianças?
::Como fazer uma boa confissão?
::O exemplo da família ensina mais do que as lições
::Baixe o aplicativo da Canção Nova e tenha acesso a todos os conteúdos do portal cancaonova.com

Padre Ramírez acredita que, alguns pais não levam seus filhos à Missa por medo de chamar a atenção ou temendo que “o padre chame a atenção”, além disso, existem outros que “convenientemente” não vão com a desculpa de que irão quando as crianças estiverem grandes e saibam se comportarem. Os pais não se dão conta de que “esses anos na vida de uma criança são extremamente importantes para que possam ir descobrindo o que é a Missa e possam ir modificando seu comportamento para uma participação mais ativa”, conclui ele.

Texto extraído do livro “Como Participar da Missa com Crianças?“, de Rodrigo Luiz e Adelita Stoebel.

banner pais e filhos


Rodrigo Luiz dos Santos

Missionário na Canção Nova, Rodrigo é, atualmente, responsável de missão da Canção Nova em São Paulo (SP). Apresentador da TV Canção Nova, estudou Filosofia e formou-se em Jornalismo pela Faculdade Canção Nova. É casado com Adelita Stoebel, também missionária na mesma comunidade.

comentários