identidade

Exercer nossa vocação é habitar no projeto de Deus

“Sei muito bem do projeto que tenho em relação a vós, oráculo do Senhor! É um projeto de felicidade, não de sofrimento: dar-vos um futuro, uma esperança!” (Jr 29,11) Existe um projeto divino a nosso respeito: um projeto de felicidade! Reconhecer a vocação para a qual Deus nos chama é habitar esse projeto. Deus, quando nos cria, cria-nos com uma identidade que diz das características específicas, dons e talentos que Ele nos dá, tornando-nos capazes de responder à vocação, ao chamado que Ele nos faz. Às vezes, passamos a vida toda voltados para fora, para o que é material, intelectual, mas não olhamos para o nosso ser, e, portanto, não nos encontramos com a nossa vocação. Vocação é um chamado de Deus, não se resume em uma atuação profissional, não acontece no que fazemos somente, diz de quem nós somos. É um dado de criação, está na nossa identidade.

Só aquele que nos cria pode nos vocacionar. E se quem chama é o Senhor, é só a partir de uma relação com Ele que podemos reconhecer nossa vocação. Somente diante de Deus o homem pode conhecer a si mesmo. Não se descobre nem se vive uma vocação fora da oração, da relação com Deus. Toda vocação nasce da relação com Ele, onde tomamos consciência de quem nós somos e de quem Deus é. É na caminhada com Deus que vai se revelando o Seu projeto a nosso respeito.

Exercer nossa vocação é habitar no projeto de Deus

Foto ilustrativa: Capuski by Getty Images

Você conhece o projeto de Deus para sua vida?

O Catecismo da Igreja Católica, no parágrafo 1878, ensina-nos que “todos os homens são chamados ao mesmo fim: o próprio Deus”. Essa é a essência da vocação de todos nós: somos chamados a existir n’Ele, e todo o nosso viver precisa ser para estar com Ele, até que um dia estejamos unidos na eternidade que nos espera. Contudo, temos um caminho a percorrer até lá, e a esse caminho chamamos de santidade, nossa primeira vocação.

Papa Francisco, na exortação Gaudette Exultate, relata que “todos somos chamados à santidade”. Existe um caminho onde Deus deseja nos encontrar e nos santificar, esse caminho diz do projeto de Deus em relação a nós. Na nossa liberdade para escolher, acabamos por conquistar muitas coisas, fazemos os nossos próprios projetos e não nos abrimos a conhecer o projeto de Deus para nós.

Leia mais:
.:Como viver a vida missionária sem desanimar?
.:Vocação: como saber se é Deus me chamando?
.:Como está seu trabalho?
.:Você sabe o que é estado de vida?

O projeto d’Ele será sempre uma proposta, nunca uma imposição. Ele não nos faz marionetes. Deus se revela de maneira concreta na nossa vida. Faz-nos capazes de compreender os Seus desígnios a partir da ação do Espírito Santo em nossa inteligência e, em seguida, por meio do mesmo Espírito, convida nossa vontade a responder ao Seu chamado.

Porém, a escolha, a adesão, é sempre nossa. Não seremos punidos se não acolhermos esse chamado, mas, como Pai insistente, Ele continuará nos convidando a todo tempo a sermos aquilo que Ele sonhou a nosso respeito. Somente quando nos sabemos amados, somos capazes de responder ao chamado. Viver a vocação é uma aventura que exige: confiar, esvaziar e deixar. Só deixa algo aquele que encontrou “o Amor”. É preciso passar pelo olhar amoroso de Deus. Ele nos criou, amou-nos, e por este amor nos deseja uma vida de felicidade. Como diz São Paulo: “O amor lança fora todo temor”. Só por amor somos capazes de responder Àquele que nos amou primeiro, pois, em Seu amor somos convencidos de que Seus projetos em relação a nós são projetos de felicidade, e sempre serão melhores que os nossos.

banner_espiritualidade


Marcela Cunha

Marcela Martins da Cunha, natural da Cidade de Edéia – GO, é missionária da Comunidade Canção Nova desde 2013. A missionária formou-se em Fisioterapia pela PUC – GO em 2004; é Mestra em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela UFG (Universidade Federal de Goiás), pós-graduada em Saúde da Família (UFG) e em Gestão da Comunicação pela Faculdade Canção Nova (FCN). Atualmente, atua na gestão do Posto Médico Padre Pio e na missão RVJ. Tem a escrita como uma forma de comunicar o Cristo vivo e vivido em sua vida.

comentários