Amizades traumáticas

Estar envolvido em relações superficiais e vazias não tem sido algo agradável para nós. Mesmo assim, também podemos tocar em relacionamentos profundos e frutíferos. Mas a pergunta é: Uma real amizade pode ser causadora de um trauma, de uma ferida interior?

Trazemos em nossa essência a fraternidade, somos fraternos por natureza, de maneira que o relacionar-se é necessário. Já na criação da humanidade o Senhor quis que fosse dessa forma.

A presença divina, que é encontrada no outro, não nos permite imaginar que, um dia, aquele com quem convivemos possa vir a ser causa de mágoas e ressentimentos para nós. Muitas vezes, não conseguimos vislumbrar as limitações em uma pessoa repleta de capacidades. A presença de Deus, de fato, é palpável e visível no amigo, o amigo é presença. A ponto de – aos olhos humanos – não se perceber a real e próxima possibilidade do erro, causador de toda decepção e dor. Como doem as feridas causadas por aquele que deveria ser presença de Deus na nossa trajetória! Aquele que, de certa forma, completaria nossa existência, agora não é mais presença.

O caminho percorrido em busca do conhecer, marcado pelas alegrias e lágrimas divididas, quando vivido de forma errada, faz facilmente frutificar no nosso interior um grande e destruidor sentimento de posse. A realidade que antes era um lindo presente de Deus, agora é motivo de destruição. Faltou maturidade e equilíbrio. Deixamo-nos tomar pelas carências, desvirtuando-nos assim não somente da verdade, que nos foi dada, mas também daquilo que nos é sagrado. A destruição interior é decorrente do sentimento de perda de algo nunca pertencido, e a presença do amigo se torna um peso impossível de ser sustentado.

A cura de todos os traumas – causados pela escravidão criada pela forma errônea com que encaramos a amizade – nasce do coração amoroso de Jesus. Do coração do Senhor dos relacionamentos saudáveis brota toda fonte de vida de que necessita uma relação. N’Ele, encontramos toda coerência, equilíbrio, responsabilidade e desejo de cuidar. É do coração do Mestre que vem toda verdade evangélica e fundamento das relações: “Amai-vos uns aos outros como a si mesmo”.

O mergulho em Deus nos remete imediatamente a um mergulho em nós mesmos, surgindo assim, de forma clara, a possibilidade e a graça de apresentar a Jesus as verdades próprias de uma história marcada por fatos nem sempre positivos e por realidades que, muitas vezes, impedem o homem de desfrutar o tesouro que é o amigo.

Tocar na reconstrução realizada por Deus no próprio interior é uma experiência sublime e única. Sentir concretamente a retirada das nossas amarras, olhar para o amigo e não mais ser consumido pela posse, é sem dúvida, algo divino. Uma vez trilhando o caminho da reedificação, poderemos colher do coração de Deus toda a alegria cotidiana que nos é reservada.

Dentro da nossa existência temporal, somos chamados a reconstruir nossos relacionamentos.

Que Deus nos abençoe.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.