SEMENTE DE VIDA

A vitória da Igreja, uma história que perpassa século a século

Nosso Senhor Jesus Cristo nunca perde batalhas. A Igreja é vitoriosa

“No mundo tereis tribulações; mas confiai, Eu venci o mundo” (Jo 16,33), declarava o Senhor às vésperas da Sua aparente derrota na cruz. E a sua promessa estende-se à Igreja que fundou: “As portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16,18).

De todas as perseguições, a Igreja saiu purificada e engrandecida, de todas as falsidades ela triunfou. Enquanto os anticristos ruíam por si mesmos, ao longo destes vinte séculos, a eles ela sobrevivia.

Foto: Arquivo CN/cancaonova.com

Leia mais:
:: Por que devo estudar o Catecismo da Igreja Católica?
:: Por que Nossa Senhora é Mãe da Igreja?
:: O que a Bíblia e o Catecismo da Igreja Católica dizem sobre purgatório?
:: A Igreja Católica contribui para o desenvolvimento da sociedade brasileira

O poder de Deus

Georges Chevrot, na sua obra “Simão Pedro”, tem umas palavras que merecem ser reproduzidas: “Já em tempos de Santo Agostinho de Hipona, os inimigos da Igreja declaravam: “A Igreja vai morrer. Os cristãos tiveram a sua época”.

Ao que o bispo de Hipona respondia: “No entanto, são eles que morrem, todos os dias, e Ela continua de pé, anunciando o poder de Deus às gerações que se sucedem”.

“Vinte anos mais, dizia o infeliz filósofo francês Voltaire, e a Igreja Católica terá acabado.” Vinte anos depois, Voltaire morria e a Igreja católica continuava a viver. […]

Assim, desde Celso, no século III, não houve uma única geração em que os coveiros não se preparassem para sepultar a Igreja; e Ela vive.

O notável escritor Charles Forbes René de Tryon, conde de Montalember, dizia-o magnificamente, em 1845, na Câmara dos Pares: “Apesar de todos os que a caluniam, subjugam ou atraiçoam, a Igreja Católica tem, há dezoito séculos, uma vitória e uma vingança asseguradas: a sua vingança é orar por eles; a sua vitória, sobreviver-lhe’”.

Mesmo o doloroso espetáculo dos mártires não os deve desanimar, antes, o seu exemplo deve servir-nos de estímulo e orientação.

Martírio significa “testemunho” e, na verdade, trata-se do máximo testemunho da fé; por isso o Senhor associou a ele as mais sentidas promessas de glorificação e fecundidade.

Nos mártires, sementes de vida

Referindo-se aos mártires deste século que acaba de passar, João Paulo II dizia: “A Igreja encontrou sempre, nos seus mártires, uma semente de vida”. Sanguis martyrum, sêmen Christiano-rum (Tertuliano, Apologeticum 50, 13: PL 1, 534): esta célebre (lei) enunciada por Tertuliano, sujeita à prova da História, sempre se mostrou verdadeira.

Por que não haveria de sê-lo também no século e milênio que começamos? Talvez estivéssemos um pouco habituados a ver os mártires de longe, como se tratasse de uma categoria do passado, associado, especialmente, aos primeiros séculos da era cristã.

A comemoração jubilar descerrou-nos um cenário surpreendente, mostrando o nosso tempo particularmente rico de testemunhas, que souberam, ora de um modo, ora de outro, viver o Evangelho em situações de hostilidade e perseguição, até darem, muitas vezes, a prova suprema do sangue”.


Padre Inácio José do Vale

Padre Inácio José do Vale é professor de História da Igreja no Instituto de Teologia Bento XVI (Cachoeira Paulista). Também é sociólogo em Ciência da Religião.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.