base social

O conceito de ser uma família em Deus

Deus demonstra a importância da família quando Ele cria o homem e, logo em seguida, a mulher, pois não era bom que ficasse só. A família é uma instituição sagrada criada por Deus, com a missão de povoar a terra e com um significado de unidade social selada pelo seu poder criador divino, fazendo da família a instituição humana mais antiga. Em Genesis 1, 28, Deus abençoa o casal dizendo “sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submete-a”. Entretanto, a sagrada escritura deixa claro que a base dessa instituição é o matrimônio, que frutifica com o nascimento dos filhos.

O significado de família aparece na Palavra com termos hebraicos e gregos, traduzidos com diferentes palavras família, parentes, clã, lar, entre outras, por vezes voltadas para os grupos familiares ou para grupos maiores com
membros de uma mesma etnia ou de uma mesma fé. Quando um indivíduo pertence a uma paróquia, movimento ou pastoral, ele pode criar vínculos de uma família espiritual. Deus também reconhece Israel como uma família, não unida por laços de sangue, mas por valores, princípios e a crença num mesmo Deus.

Após a criação da primeira família, a bíblia nos diz que, quando adulto o homem deve deixar seus pais e, com a sua esposa, formar uma família. “Enfim, cada um de vós também ame a sua esposa como a si mesmo, e que a esposa tenha respeito pelo marido”.

O conceito de ser uma família em Deus

Foto ilustrativa: Andréia Britta/cancaonova.com

A base familiar na época de Abraão

A bíblia nos fala também da família de Abraão, que recebe a bênção que é transmitida a todas as famílias do mundo. O núcleo essencial das famílias bíblicas era constituído por pais e filhos, entretanto, na maioria das vezes, era
estendida aos parentes de diferentes graus, assim como pessoas próximas sem laços de sangue, tais como concubina e amigos. Em famílias com alto poder aquisitivo, os servos também eram considerados parte da família.

A história do patriarca Jacó nos mostra que as famílias bíblicas eram numerosas, porque filhos eram considerados presentes de Deus. E quem não gosta de ganhar muitos presentes? Possuíam uma estrutura bem definida, os
homens tinham um papel de líder social e espiritual, que deveria ser exercida com amor; a mulher obedecia ao marido e cuidava do lar e dos filhos; os primogênitos tinham um lugar especial nas famílias, pois eram preparados para sucessão do pai e a responsabilidade de conduzir toda a família. Nessa condução, o livro dos Provérbios 22, 6 noz diz: “Ensina o adolescente quanto ao caminho a seguir; e ele não se desviará, mesmo quando envelhecer”.

A Bíblia nos ensina que os cônjuges no matrimônio devem obedecer aos princípios divinos, que a união em uma só carne é indissolúvel e a missão de gerarem e educarem os filhos para Deus. O Salmo 112 nos diz: “Feliz aquele que teme o Senhor e que muito se compraz em seus mandamentos”. Entretanto, desde o início da criação, observamos que o pecado entrou no mundo, quebrando esses princípios divinos e deformando as famílias com poligamia, traições, autoridade tirânica e abandono das responsabilidades com a família.

Leia mais:
.:Relatos de uma mãe que aprende, a cada dia, a “equilibrar os pratos”
.:Mãe de filho adolescente: o que muda?
.:Crianças ainda dentro de casa. O que mais podemos fazer?
.:Pais divorciados. Como os avós podem conviver como os netos?

Servir ao Senhor

Hoje não deveria ser diferente, o casal não deveria assumir o matrimônio como se fosse algo passageiro e sem consequências; o homem precisa assumir a liderança de seu lar e não abandonar as esposas e os filhos, aumentando o número de mulheres que são arrimo de famílias. As mulheres precisam devolver a autoridade aos maridos e descobrir a beleza de ser amada e cuidada. O livro de Josué, no capítulo 24, 15, nos mostra a sua decisão diante de Deus, compromete-se pessoalmente e por sua família, quando diz: “Contudo, se vos desagrada servir ao Senhor, escolhei hoje a quem quereis servir, se aos deuses a quem vossos pais serviram do outro lado do rio aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Quanto a mim e à minha família, nós serviremos ao Senhor”. Os pais precisam orientar nos preceitos do Senhor e não serem fonte de ira para os seus filhos, esses precisam obedecer, honrar e
respeitar os pais.

A Bíblia contém instruções práticas para a vida familiar cotidiana, para quem quer seguir o Senhor e guiar as famílias no caminho percorrido por Ele. Começando pela família de Nazaré, Deus escolheu nascer numa família e
mostrar com o Seu exemplo como deve ser a nossa família. José se submetia à vontade de Deus Pai, Maria dizia “sim” para o plano divino e seguia as orientações de seu marido e guardava tudo no coração, e Jesus respeitava e honrava os seus pais. Exemplo claro vimos no templo, quando foi encontrado cuidando das coisas do Deus Pai, em Lucas 2, 51: “Jesus, desceu, então com seus pais para Nazaré e era-lhes submissos”, portanto, Ele volta na obediência com seus pais terrestre.

Jesus, na sua vida terrestre, fez o primeiro milagre num casamento, em que, segundo João 1,11: “(…) manifestou a sua gloria e seus discípulos creram nele”. Ele sempre nos convida à santidade no matrimônio, mostra a importância de cuidar e valorizar a família e viver os princípios divinos como casal e com os filhos. Toda vez que o ser humano teima em desobedecer e pecar, ele gera sofrimento para si e para o núcleo familiar. É preciso assumir a bênção de Deus transmitida por Abraão; o conceito de filhos como presente do Senhor assim como foi para Jacó; e beber o “vinho novo “como busca de santidade, que restaura as famílias tão sofridas e cansadas porque perderam o conceito do que é ser uma família em Deus.


Ângela Abdo

Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape, pós-graduada em Gestão de Pessoas pela FGV, Gestão de Pessoas pela Faesa, graduada em Serviço Social pela Ufes e psicanalista. Consultora e Executiva na área de RH e empresa hospitalar. Foi coordenadora do grupo fundador do Movimento Mães que Oram pelos Filhos da Paróquia São Camilo de Lellis, em Vitória (ES) e do grupo de Amigos da Canção Nova de Vitória. Atualmente, é coordenadora nacional e internacional do Movimento Mães que Oram pelos Filhos. Escritora dos livros “La Salette, o grito de uma Mãe!” (2018), “Superação x Rejeição: Aprendendo a ser livre” (2017), “Ser Mulher À Luz da Bíblia: Porque Deus Pode Tudo!” (2016) e “Mães que Oram pelos Filhos” (2016). Participa do programa “Papo de Mãe que Ora”, no canal Mães que Oram pelos Filhos Oficial, e do “Mães que Oram pelos Filhos”, na Rádio América.  Autora de livros publicados pela Editora Canção Nova.

comentários