Momento de decisão

Como auxiliar o filho na escolha da profissão

Como falar da escolha da profissão com os filhos diante de tantas possibilidades

Falar de escolhas, no mundo de hoje, com tantas alternativas e crises, é algo complexo. Para uma família orientar os filhos sobre a melhor profissão fica ainda mais complicado, porque, além desse cenário externo, é preciso levar em conta o contexto interno de cada filho. Para isso, os pais precisam ajudá-los na descoberta de seu potencial (perfil) e como otimizá-lo no mercado de trabalho.

Não existe receita, mas algumas dicas podem ajudar neste momento de ansiedade e incerteza. Pode ser um tempo produtivo, e os questionamentos ajudam na reflexão de uma escolha importante. Ao contrário do que muitos pensam, a escolha da profissão pode não ser para a vida toda. Essa escolha faz parte do projeto de vida, porém não define a carreira das pessoas. Outras escolhas podem ser acrescidas ao longo desse processo para mudar ou adaptar o percurso inicial. Entretanto, essas ponderações não podem impelir o jovem a se acomodar ou ter uma postura de deixar a “vida o levar”. Ele precisa buscar o autoconhecimento e as possibilidades do mercado atual e futuro. Conhecer-se e conhecer os ambientes onde vai atuar facilita na escolha de várias opções profissionais.

Como auxiliar o filho na escolha da profissãoFoto: Wesley Almeida/cancaonova.com

A importância da família na hora da decisão

O contexto familiar é o espaço importante para essas discussões, pois os pais conhecem os filhos e podem ajudá-los. Porém, cuidado para não atrapalhar, encaminhando para decisões que atendam as frustrações não realizadas pelos pais ou visando apenas a questão financeira. O diálogo é importante para ouvir as preocupações e interesses que possam ajudar na decisão.

O período escolar é importante para o jovem ver com quais matérias e assuntos mais se identifica, e conversar com os professores sobre como utilizar isso na vida corporativa ou pessoal. Ajude seu filho a buscar o maior número de informações possíveis, no entanto, não faça a tarefa por ele.

Muitas vezes, os jovens idealizam a carreira, pois enxergam apenas o bônus de determinadas profissões e não focam no ônus que todas elas trazem. Por exemplo, a carreira do jogador de futebol de sucesso, com altos salários, prestígio e poder social, exige muitas horas de treinamento, viagens constantes e muitas renúncias na vida física, social e pessoal. Uma forma de ajudar é propiciar condições para que seu filho conheça as vantagens e desvantagens para um escolha consciente.

Leia mais:
.: Jovens infelizes na profissão que escolheram: o que devem fazer?
.: Dicas para escolher a profissão ideal
.: Diante da escolha, é preciso refletir
.: Quer fazer um projeto de vida?

Conhecer as atividades desenvolvidas por cada profissão

Uma dica importante é levar os filhos para conversar com profissionais de diferentes atuações e, se possível, também visitar lugares que mostram a profissão pretendida na prática. Isso ajuda a quebrar tabus e ilusões sobre determinadas profissões.

Outra alternativa é levar o jovem num profissional que, de uma forma técnica, vai buscar identificar aptidões e cruzar com as alternativas de mercado, fornecendo orientação para o perfil sem pressões.

Os pais precisam tomar cuidado para não pressionar demais, como se a escolha da profissão fosse caso de vida ou morte. E se, no decorrer do curso, o filho quiser mudar de curso, reflita e tome a melhor decisão para reduzir as consequências futuras. Trabalhe sua paciência, pois a precipitação pode acarretar danos na vida psicológica e profissional do seu filho.

Decidir por uma profissão é umas das maiores escolhas que fazemos na vida, portanto, deve ser feita de forma ponderada e sem pressões, para que seja uma boa escolha.

Pais e filhos


Ângela Abdo

Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape, pós-graduada em Gestão de Pessoas pela FGV, Gestão de Pessoas pela Faesa, graduada em Serviço Social pela Ufes e psicanalista. Consultora e Executiva na área de RH e empresa hospitalar. Foi coordenadora do grupo fundador do Movimento Mães que Oram pelos Filhos da Paróquia São Camilo de Lellis, em Vitória (ES) e do grupo de Amigos da Canção Nova de Vitória. Atualmente, é coordenadora nacional e internacional do Movimento Mães que Oram pelos Filhos. Escritora dos livros “La Salette, o grito de uma Mãe!” (2018), “Superação x Rejeição: Aprendendo a ser livre” (2017), “Ser Mulher À Luz da Bíblia: Porque Deus Pode Tudo!” (2016) e “Mães que Oram pelos Filhos” (2016). Participa do programa “Papo de Mãe que Ora”, no canal Mães que Oram pelos Filhos Oficial, e do “Mães que Oram pelos Filhos”, na Rádio América.  

comentários