estamos em guerra - parte IV

Todo soldado precisa fazer parte de um pelotão

O que é um pelotão?

Nessa sequência de artigos, nossa intenção está sendo tratar das cinco maiores armas que todo cristão tem à sua disposição. Com elas, o cristão poderá combater nessa guerra da qual poucos ou ninguém escapa. Não é a toa que o Catecismo da Igreja Católica, no parágrafo 2549, afirma que, para alcançar os bens que Deus promete, resta ao povo santo lutar, com a graça do Alto.

Dessa forma, reservamos os três primeiros artigos para tratar de alguns dos maiores inimigos do cristão, são eles: o pecado, o demônio e a ele mesmo. A partir desse artigo, começaremos a abordar, propriamente, cada arma do cristão. A primeira delas é bem elementar: fazer parte de um pelotão.

Todo soldado precisa fazer parte de um pelotão

Foto ilustrativa: Bruno Marques/cancaonova.com

O dicionário nos informa que um pelotão é a subdivisão de uma companhia de soldados, ou seja, é um grupo menor de soldados especializados ou designados para uma determinada tarefa. Um exército, portanto, é formado por vários pelotões.

Por exemplo, existe o pelotão de artilharia cuja missão é apoiar as tropas, destruindo ou neutralizando alvos que ameacem o êxito de uma operação. Existe, também, o pelotão de fronteira que patrulha as divisas do país. Existem, ainda, outros pelotões como o de choque, o de elite, o de obras.

Você quer morrer? Vá sozinho para uma guerra!

Tente imaginar um soldado indo desacompanhado para uma guerra e responda com toda a sinceridade, quais as chances desse soldado ganhar a guerra estando só? Creio que a única possibilidade disso acontecer é nas telas de cinema. Na vida real a coisa é bem diferente. Soldado solitário não vence nenhuma guerra! Ele estará desprotegido e, fatalmente, será uma presa fácil.

Esteja certo, ter companheiros de luta é o mais seguro, mais prudente e até mais divertido. Estar na presença de quem luta pela mesma causa, reforça o nosso ânimo e nos deixa mais preparados para o ataque e para a defesa. Se o inimigo te surpreender na retaguarda, seus parceiros de missão poderão combater com você; se for atingido, poderá ser levado com segurança para a ala de feridos. Se estivesse sozinho, neste campo de batalha, já teria perdido a guerra ou se rendido mais facilmente.

Leia mais:
::Reconhecer o agir de Deus é uma necessidade para nós
::Quantas vezes você mesmo foi o seu maior inimigo?
::Você sabe qual é a necessidade da virtude da Fé?
::A vida cristã é uma luta permanente

Precisa-se de soldados nos pelotões

Um único combatente possui apenas dois olhos. Dez combatentes multiplica a quantidade de olhos. Isso significa maior possibilidade de percepção do inimigo e precisão na identificação da origem do ataque sofrido.
Precisa-se de soldados nos pelotões. Dentro do nosso contexto, podemos dizer que, neste grande exército de cristãos, temos vários batalhões que atuam em diversas frentes (pastorais, movimentos, carismas). Temos, por exemplo, a Pastoral Universitária, os Vicentinos, a Renovação Carismática, os Grupos de Jovens e muitos outros batalhões.

Por experiência própria eu posso afirmar que, na maioria das cidades brasileiras, se não todas, a Igreja Católica está presente por meio das pastorais e movimentos. Até mesmo aquelas regiões em que o sacerdote tem mais dificuldade para chegar, seja qual for o motivo existem pessoas que professam a fé em Cristo e fazem algum trabalho de evangelização.

Nos grandes centros a situação é ainda mais favorável. Existe Igreja católica em praticamente todos os bairros. Portanto, você tem a possibilidade de aproximar-se da Igreja local mais próxima e viver sua vida de fé com os demais irmãos que ali frequentam. Eles estão lá para beber da fonte, da Palavra de Deus e dos ensinamentos de Jesus. Saiba que todos esses movimentos são organizados e mantidos para você e por você. Pensar que eles são formados por um grupo específico e seleto é um grande engano.

Coloque seus dons à disposição de Deus

Quero destacar outro importante aspecto: esses grupos e essas pessoas, seguramente, estão precisando da sua ajuda. Quem sabe você não tem um talento que pode ser colocado à disposição de Deus em favor do outro? Deus deu a você algum dom, deu para ser compartilhado.

Se você ainda não tomou nenhuma iniciativa por achar que essas pessoas necessitadas estão do outro lado do continente ou em outra cidade, você muito se engana. Elas estão mais próximas a você do que você possa imaginar. Insira-se nas atividades da sua paróquia e você perceberá facilmente onde elas estão.

Por outro lado, engana-se quem pensa que os dons mais importantes são aqueles que colocam as pessoas em evidência ou em uma posição de destaque, por exemplo, o cantor, o pregador, o instrumentista, o coordenador. Isso não é verdade! Os dons mais simples são aqueles que fazem a grande diferença no grupo, na pastoral, na comunidade, na paróquia.

Um breve testemunho

Lembro-me de uma moça que estava aproximando-se de um grupo de oração e sentiu-se tocada em ajudar de alguma forma. Acontece que ela não se achava preparada para ajudar, afinal de contas, ela não possuía o dom de animar, de cantar, de pregar. Fazer até mesmo uma breve oração era extremamente difícil para ela, tamanha a sua timidez.

Qual foi a surpresa quando descobriram que ela era ótima em fazer cortes precisos com a tesoura! Daquele dia em diante, essa moça se sentia privilegiada por cortar muito bem as folhas com as orações que seriam distribuídas ao povo. Aquela simples tarefa evangelizava.

Repito, certamente você possui um ou mais dons dados por Deus. Eles precisam ser compartilhados. Mesmo que você ainda não os tenha descoberto, você os possui. Talvez, enquanto você está lendo este artigo, Deus já tenha suscitado no seu interior qual o dom que poderia estar sendo compartilhado com o outro. Não deixe que esse dom se perca por medo, preguiça ou, simplesmente, displicência.

Todos nós sabemos que desperdiçar alimento é pecado, pois ele poderia alimentar muitas pessoas que passam fome neste momento. Penso que é o mesmo com os dons, os desperdiçar é, também, um grave pecado. Eles poderiam estar servindo como uma forma de alimento ou como um meio para que pessoas espiritualmente famintas pudessem se alimentar.

Não lute sozinho!

Para concluir, quero retomar uma ordem dada no início do artigo: não lute sozinho! Sozinho você vai desanimar, é uma questão de tempo. Se insira em algum grupo da Igreja Católica. Se você se dispuser a ajudar de coração aberto, chegará a conclusão que o grande beneficiado será você mesmo.

No próximo artigo iremos tratar de mais uma arma essencial do cristão: a oração pessoal. E, se você conhece alguém que poderia ler esse artigo, compartilhe com ele.

Deus abençoe você e até a próxima!


Gleidson Carvalho

Gleidson de Souza Carvalho é natural de Valença (RJ), mas viveu parte de sua vida em Piraúba (MG). Hoje, ele é missionário da Comunidade Canção Nova, candidato às ordens sacras, licenciado em Filosofia e bacharelando em Teologia, ambos pela Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP). Atua no Departamento de Internet da Canção Nova, na Liturgia do Santuário do Pai das Misericórdias e nos Confessionários. Apresenta, com os demais seminaristas, o “Terço em Família” pela Rádio Canção Nova AM. (Instagram: @cngleidson)

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.