Reflexão

A força e a necessidade do testemunho coerente de vida

O que a boca não revela é preciso, então, ser revelado em atitudes bem concretas. E isso exige muita coerência de vida

“Não contes nada a ninguém! Mas vai mostrar-te ao sacerdote e apresenta, por tua purificação, a oferenda prescrita por Moisés. Isso lhes servirá de testemunho” (Marcos 1,44).

Foram essas as palavras de Jesus para aquele leproso que ele acabara de curar. O evangelista Marcos faz questão de afirmar que Jesus as pronunciou com certa severidade. Confesso que essa atitude de Jesus e essa recomendação dada ao leproso são para mim, no mínimo, dignas de uma melhor e mais profunda reflexão. Do contrário, posso ficar confuso e até mesmo inquieto. Por que, afinal de contas, Jesus ordenou ao leproso que não contasse nada para os outros a respeito de sua cura?

Foto ilustrativa: Arquivo CN

Pense comigo: aquele pobre homem sofria de lepra. Isso mesmo, lepra! Não era uma virose, uma dor de dente nem mesmo uma enxaqueca, mas uma doença terrível! Naquele tempo, lepra não tinha cura. Além do mais, havia todo um preconceito: o leproso era um marginalizado, alguém considerado impuro, não podia conviver em ambientes sociais. O leproso não tinha festa de aniversário, não tinha escola nem passeio aos domingos. Ele não ia ao grupo de oração na paróquia nas noites de terça-feira etc.

Enfim, o leproso sofria só, na maioria das vezes, terrivelmente só, sem apoio, sem compreensão nem amigos. E, no caso desse leproso, finalmente curado, purificado, livre da opressão do preconceito, Jesus manda-o ficar de boca fechada e não contar nada a ninguém. E “ninguém” é ninguém! Ou seja: nem para os mais próximos, nem para os da família, para aqueles que, talvez, tinham o direito de saber como se deu a cura de sua lepra. Ordem difícil e complicada essa a de Jesus! Não?

Confesso que fiquei com “dó” do leproso! Ponha-se no lugar dele: você acabou de rezar, fez novenas, promessas, jejum, vigílias de oração… Enfim, pediu de diversas formas, intensa e constantemente a Deus uma graça a ser alcançada e, finalmente, você consegue essa tão grande graça! Que alegria! Que júbilo! Que festa! Que vontade enorme de divulgar “aos quatro cantos do planeta” que o Senhor realizou maravilhas em sua vida!

O Senhor, então, lhe diz: “Não contes nada a ninguém!”. Como você se sentiria?

A lição do Evangelho

No entanto, penso ser esta uma importante lição deste texto do Evangelho: o essencial não é o como nos sentimos diante da ordem de Jesus, mas sim o como correspondemos. Jesus deu essa orientação ao “ex-leproso” que, apesar de sentir-se finalmente livre e alegre diante da graça alcançada, não correspondeu ao que Jesus lhe disse. Os sentimentos do leproso curado eram maravilhosos, intensos, bonitos de serem admirados.

Você já parou para observar o semblante de satisfação e de júbilo de uma pessoa curada, liberta, agraciada por Deus? É um sorriso diferente. É um olhar diferente, que brilha, simplesmente brilha. Creio que assim estava o ex-leproso: feliz! Imensamente feliz. No entanto, ele não obedeceu ao Senhor.

Obediência requer disciplina

Fica aqui o alerta de Deus para nós: não vale muita coisa os sentimentos serem dos mais belos e as atitudes serem das mais insensatas. Obediência requer disciplina! Eu e você precisamos aprender a não gastarmos mais tempo “questionando” as ordens de Deus. O tempo que perdemos questionando, ganharíamos de fazer obedecendo. Discipline-se! Obedecer é crer. Quem obedece a Deus, por mais estranha que pareça a ordem dada, é alguém que, acima de tudo, acredita que Deus sempre tem o melhor reservado lá na frente.

Ao leproso purificado foi pedido um testemunho dado no silêncio. É o testemunho mais difícil de ser dado, pois o que a boca não revela é preciso então ser revelado em atitudes bem concretas. E isso exige muita coerência de vida. Quando Jesus diz ao leproso: “Não contes nada a ninguém!” Na verdade ele está dizendo: “Não use apenas a sua boca para testemunhar! Use da sua vida também! Use das suas atitudes! Que cada gesto seu fale mais do que mil palavras…”.

A força e a necessidade do testemunho coerente

Aproveito aqui para deixar claro que não sou contra quem testemunha com palavras. Muito pelo contrário: acho importantíssimo testemunhar as maravilhas que Deus realizou em nossa vida. Penso que todo mundo precisa saber sim! Se não houvesse pessoas capazes de testemunhar com a própria boca que Jesus é o Senhor e que Ele ressuscitou, verdadeiramente, eu e você, hoje, não estaríamos dizendo com alegria: “Somos católicos! Graças a Deus!”. (É só pensar em quem foi o apóstolo Paulo e o que ele fez).

Sinto que, infelizmente, há pessoas que testemunham uma conversão irreal. Testemunham de um jeito inconsequente. Dizem: “Jesus mudou meu coração! Sou uma nova pessoa!” Mas continuam gritando com seus pais, brigando com a esposa, culpando o marido por tudo, batendo nos filhos dentro das quatro paredes… E, ao chegarem dentro da igreja, colocam uma “máscara de sorriso”, dão “a paz de Jesus” para todos e escondem situações interiores muito mal resolvidas e que precisam urgentemente de cura e de tratamento.

Leia mais:
.: A influência do comportamento dos pais na vida dos filhos
.: É preciso disciplina para revisar e organizar a vida interior
.: Vamos nos aprofundar e compreender sobre a virtude da obediência

Termino esta reflexão com este convite: “Faça esta experiência: não contes nada a ninguém! Apenas viva com a própria vida a força transformadora do Evangelho”.

E daí a sua esposa, o seu marido, os seus filhos, os seus pais, as pessoas que te cercam perceberão a sua mudança e também mudarão, pois você mudou por primeiro em atitudes e não “só de boca”.

E acredite: “Isso lhes servirá de testemunho”.

Um abraço fraterno.


Alexandre Oliveira

Membro da Comunidade Canção Nova, desde 1997, Alexandre é natural da cidade de Santos (SP). Casado, ele é pai de dois filhos. O missionário também é pregador, apresentador e produtor de conteúdo no canal ‘Formação’ do Portal Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.