Liberdade para escolher

Seguir Jesus Cristo: é escolher trilhar um caminho que gera vida

Os cristãos foram chamados a estar no mundo e escolher anunciar o nome de Jesus Cristo. Recebemos como legado das gerações passadas a tarefa de encontrar a linguagem adequada e o testemunho a ser oferecido em nosso ambiente. Os polos de tensão, geradores de vida, são a força do próprio Evangelho e as pessoas, onde se encontram hoje, com suas múltiplas interrogações.

Liberdade para escolherFoto: arquivo/cancaonova.com

O Evangelho é sempre novo

O Evangelho é sempre o mesmo por ser sempre novo, provocador de conversão para todos os que o conhecem, não é adaptável às tendências de cada época, mas vai sempre à frente! As situações dos tempos e das pessoas são diferentes, mas sempre passíveis de transformação para melhor. Sabemos que o contato com a Boa Nova de Jesus Cristo não cancela nem prejudica qualquer cultura, mas a eleva e a aperfeiçoa, fazendo vir à tona os valores em todas elas presentes.

A conquista exige esforço

Qualquer realidade humana confiável foi conquistada a duras penas, passando inclusive pela dor, “sangue, suor e lágrimas”. Quem ganha de alguma sorte grande na loteria não sabe o que custou aquele dinheiro e o gasta com facilidade. Por outro lado, há muitas pessoas que conquistaram muito, mas à custa de muitos esforços, renúncias e sacrifícios, por isso sabem o que valem as vitórias alcançadas. Nessa vertente, existem em todas as culturas e ambientes pessoas de fibra. Este é um filão de ouro, pelo qual o Evangelho pode entrar.

Convicção

No enfrentamento dos passos a serem dados no dia a dia, cabe-nos fazer escolhas correspondentes às nossas convicções. Buscar um Cristianismo mitigado, no qual se adaptem as exigências evangélicas às situações, é negar a verdade do próprio Cristianismo e a dignidade humana, pois fomos todos feitos para a perfeição e não para a mediocridade.

Saber escolher

O ensinamento da Sagrada Escritura é sempre verdadeiro e atual: “Se quiseres guardar os mandamentos, eles te guardarão; se confias em Deus, tu também viverás. Diante de ti, ele colocou o fogo e a água; para o que quiseres, tu podes estender a mão. Diante do ser humano estão a vida e a morte, o bem e o mal; ele receberá aquilo que preferir” (Eclo 15, 16-18). Pessoas que desenvolvem sua capacidade de decisão costumam entender as verdades do Evangelho!

Pessoas que gostam da verdade e da sinceridade certamente estão próximas do Evangelho de Cristo. Conheci um homem em cuja família foram feitas escolhas ideológicas diferentes. Um de seus sobrinhos, sem seguir os passos de extrema fidelidade à Igreja que o caracterizavam, declarou-me respeitoso, admirador e aprendiz da caridade daquele que o precedia nas estradas da vida. Aquele jovem tinha no coração a radicalidade dos que querem o bem dos mais pobres e fracos e o desejo de mudar o mundo!

Era parecido com palavras do Sermão da Montanha: “Ouvistes também que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás os teus juramentos feitos ao Senhor. Ora, eu vos digo: não jureis de modo algum, nem pelo céu, porque é o trono de Deus; nem pela terra, porque é o apoio dos seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do Grande Rei. Também não jures pela tua cabeça, porque não podes tornar branco ou preto um só fio de cabelo. Seja o vosso sim, sim, e o vosso não, não. O que passa disso vem do Maligno” (Mt 5, 33-34). Estava bem próximo do Evangelho e, à sua morte precoce, certamente encontrou o Senhor!

Escolher o amor

Não está longe de Jesus Cristo quem vai além das obrigações, superando as normas estritas. Um mundo feito apenas de leis e deveres, ainda que todos as cumprissem, carece da unção do Espírito Santo, que suscita gratuidade, liberdade e espontaneidade. Gestos de generosidade e partilha são estradas de conversão.

Podem acontecer muitas discussões a respeito de doutrina. De nossa parte, cultivar as convicções e a verdade proclamada pela Igreja é dever cotidiano. Amar a Igreja exige conhecê-la. Fazer parte de uma comunidade cristã pede aprofundamento da fé. Mas o que incide radicalmente nas pessoas é o testemunho.

Leia mais:
:: Conquistar a liberdade interior
:: Liberdade não pode ser irresponsabilidade
:: A experiência com Deus nos torna cada vez mais humanos
:: Como sofrer sem deixar a felicidade ser comprometida?

Entrar pela porta estreita

Para chegar aos outros e anunciar Jesus Cristo, é necessário escolher não o mais fácil, mas o melhor, cujo nome é amor, fazer-se um com os outros, a ponto de estes ficarem quase envergonhados, desejando fazer o mesmo! Aí o Evangelho entra e oferece Aquele a quem ninguém pode resistir, por ser o Salvador, Jesus Cristo. Seu nome há de ser anunciado até os confins da terra!


Dom Alberto Taveira Corrêa

Dom Alberto Taveira foi Reitor do Seminário Provincial Coração Eucarístico de Jesus em Belo Horizonte. Na Arquidiocese de Belo Horizonte foi ainda vigário Episcopal para a Pastoral e Professor de Liturgia na PUC-MG. Em Brasília, assumiu a coordenação do Vicariato Sul da Arquidiocese, além das diversas atividades de Bispo Auxiliar, entre outras. No dia 30 de dezembro de 2009, foi nomeado Arcebispo da Arquidiocese de Belém – PA.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.