Reflita: como tem sido seus dias?

O que podemos aprender com a pandemia?

Neste tempo de pandemia, somos confrontados com a nossa capacidade de nos relacionarmos com os outros, conosco e com Deus. A pandemia tem nos levando ao questionamento existencial: que tenho feito da minha vida?

No meio católico, muitas vezes, usamos a expressão “de um mal Deus tira um bem!”. Não temos, por vezes, dimensão dessa frase nem onde ela vai nos levar. Trancados, de quarentena ou fazendo nossa vida normal, somos confrontados com a fragilidade do que somos, com o poder que não possuímos e com o desejo de podermos viver o que antes era banal. A pandemia trouxe mortes, trouxe dores aos corações humanos, mas ela trouxe atenção, olhar, cuidado e o mais importante: trouxe-nos a consciência de que o tempo é breve.

oque-podemos-aprender-com-a-pandemia

Foto Ilustrativa: Tomas Ragina by Getty Images

Pare e reflita sobre a pandemia

Não dá para brincarmos com esse presente que Deus nos deu: a vida. Hoje, olhamos para as pessoas com saudades, sentimos falta do abraço, do sorriso e do toque. Estamos perto, mas não o suficiente.

Olhamos para nós e percebemos que não fomos criados para estarmos sós, que a nossa vida existe para ser  partilhada. Deus aproveita, sim, dessa situação para nos relembrar do valor do essencial, do valor de coisas às quais nos acostumamos e que tínhamos sempre.

Leia mais:
.: Isolamento social é um ato de amor
.: Oração em tempos de coronavírus
.: Como manter a saúde em tempos de quarentena?
.: Acompanhe celebrações da Santa Missa!

O valor da Missa, o valor da adoração, o valor de estarmos uns com os outros e com Deus. Nesta quarentena, nesta pandemia, não podemos ir aos templos, mas podemos encontrar em cada um esse Deus que habita no outro. Deus ainda está aí, nesse sorriso escondido, na dor da saudade e da distância.

O valor está nos pequenos gestos

Que a pandemia nos ensine o valor das pequenas coisas, o valor das pessoas, o valor de Deus. Que ela seja uma oportunidade para olhamos nossa vida e enxergarmos a fragilidade; a partir daí, redirecionarmos o que importa e o que não nos fará mais falta.

A covid-19 nos tirou tanta coisa, mas está nos convidando agora: olhe-se! olhe o outro! Olhe Deus! Volte ao essencial.

banner espiritualidade


Brigite Cortez

Brigite Cortez, natural de Portugal, é missionária na Comunidade Canção Nova onde atua na Casa de Missão da França.

 

comentários