quarentena

Isolamento social é um ato de amor

Queridos irmãos e irmãs em Cristo, uma das palavras que mais temos escutado nos últimos dias é isolamento social. Para muitos, a pandemia do coronavírus não passa de uma histeria coletiva. Contudo, quando olhamos para outros países, e neste momento em especial para a Itália, deparamo-nos com a certeza de que a pandemia é uma realidade perigosa e que mata. Por isso mesmo, o isolamento social é o caminho para frear o avanço do coronavírus.

Isolamento social é um ato de amor

Foto ilustrativa: MundusImages by Getty Images

Isolamento social não é egoísmo

Isolar-se socialmente, neste momento, não é um ato de egoísmo, mas sim uma prova de amor ao próximo e a nós mesmos. No Evangelho de hoje lemos: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e com toda a tua força! O segundo mandamento é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo! Não existe outro mandamento maior do que estes” (cf. Mt 12,30-31). O que não desejamos para nós também não devemos oferecer ao próximo. Amar implica cuidar da vida e da saúde dos nossos irmãos e irmãs.

Leia mais:
::Acompanhe celebrações da Santa Missa!
::Playlists para você maratonar
::Solidariedade, único remédio para transformar cenários tristes
::Oração do Escudo do Sagrado Coração contra pandemias e epidemias

Amar o próximo, nestes tempos de pandemia, significa estarmos distante fisicamente, hoje, para nos abraçarmos alegremente no futuro. Santa Teresinha do Menino Jesus nos ensina que, mesmo distantes um dos outros, podemos estar unidos em oração: “Pensar em uma pessoa que se ama é rezar por ela”.

Rezemos uns pelos outros e nos cuidemos mutuamente, respeitando as orientações das autoridades civis e religiosas.

Receba minha bênção!


Padre Flávio Sobreiro

Bacharel em Filosofia pela PUCCAMP e Teólogo pela Faculdade Católica de Pouso Alegre (MG), padre Flávio Sobreiro é pároco da Paróquia São José, em Toledo (MG), e padre da Arquidiocese de Pouso Alegre (MG). É autor do livro “Amor Sem Fronteiras” e “Felicidade sem Segredos”, ambos pela Editora Canção Nova, além disso, desde 2011,  é colunista do Portal Canção Nova. Para saber mais sobre o sacerdote e acompanhar outras reflexões, acesse: @peflaviosobreirodacosta.

comentários