cuidado❗

Excesso de informações em tempos de isolamento

Você tem sentido um certo desconforto com o número de informações que tem recebido nesses dias? Foi feita até uma brincadeira, nas redes sociais, que citava a quantidade de vídeos e lives, e também programas de televisão, com especialistas de toda a natureza, falando acerca da pandemia ocasionada pela COVID-19.

Daqueles que são ansiosos e costumam, naturalmente, fazer cenários futuros catastróficos, tenho ouvindo, costumeiramente, que ficam cansados e mais ansiosos ao acompanhar todo tipo de noticiário, fato que nos faz pensar, pontualmente, que temos de escolher o que vemos, qual a fonte de notícia e, especialmente, a quantidade de horas que ficamos ligados aos noticiários e às redes sociais.

Excesso de informações em tempos de isolamento

Foto ilustrativa: a-poselenov by Getty Images

Você precisa desse tanto de informações que está consumindo?

Um bom pensamento: qual a necessidade de tanta informação? Em que ela poderá ajudar a sua vida? Ela mudará positivamente sua condição neste momento? Você pode precisar de informações do governo acerca de benefícios sociais ou leis; então, se este for seu caso, escolha a fonte, evite jornais com tom sensacionalista, evite ficar o dia todo frente à TV.

Pelo fato de termos essa dificuldade para lidar com este momento inesperado em nossa vida, a primeira emoção que se desperta, portanto, é o medo. Cercados pelo medo, tornamo-nos mais frágeis, aumentamos nossa insegurança. Está aí criado um terreno fértil para alimentar estados mentais alterados.

Além de selecionar o que se vê, você pode ser um agente de esperança e de paz quando evita propagar informações sem fonte confirmada. Tenho visto várias mensagens “repostadas” na internet, que não têm fonte confirmada, que são antigas e não se relacionam com a situação atual, que são montagens, as famosas fake news, ou seja, terreno fértil para ainda maior confusão. Portanto, avalie bem a necessidade de repassar uma mensagem que pode dar mais confusão e contribuir para o desespero dos seus amigos.

Leia mais:
::Bate-papo com a psicóloga sobre o comportamento humano
::Quem será você quando a quarentena passar?
::Ser um inconformado para conformar-se
::Contribuição das redes sociais em tempo de quarentena

Já vivemos tempos suficientemente confusos, então, não seja você aquele que vai piorar as coisas. Além de não ajudar, instaura pânico, ódio, separação. Isso é sinal de sabedoria e bom senso.

A comunicação é uma arma poderosa, mas também um poderoso remédio

A comunicação é uma arma poderosa: se bem utilizada, aproxima as pessoas, traz entendimento e compreensão. Quando usada sem critério, faz o contrário a isso. Não façamos o papel daqueles que agem de forma a confundir e que podem contribuir efetivamente para a disseminação do desespero e da desunião.

Um remédio poderoso é a comunicação: ela pode curar uma situação ou, efetivamente, piorá-la. Não precisamos disso. A pandemia deixou mais evidente uma falha grave que temos: muitas vezes, apegam-nos ao “ouvi dizer”, “contaram-me”, “parece que”, somado a uma falta de senso crítico. Quanto de informações das redes sociais é confiável? Qual o crédito e valor que tenho dado a elas? Tantas “pseudomedicações” foram divulgadas, nos últimos dias, e com elas as filas nas farmácias buscando a “potencial cura”, prejudicando quem, realmente, precisa de tais medicamentos.

Teríamos vários exemplos a dar, mas a intenção é que possamos refletir mais, propagar menor volume de informação sem confirmação e ter uma ação mais coerente com nossas escolhas de vida. O excesso de informação nem sempre significa a informação de qualidade. Selecionar a informação que se passa para frente também é sinal de respeito para com o próximo. Pense nisso!

Assista ao vídeo:

 

banner the church

comentários