Valores

A dor e o odor da crise moral em uma sociedade insatisfeita

Precisamos de uma sociedade sem tolice e com valores

“Ninguém está livre de dizer tolices; o imperdoável é dizê-las solenemente” (Michael Montaigne escreveu no século XVI)

Solenemente, estão se afirmando tantas coisas, estão dando tantos juízos de valor, que provam, exclusivamente, uma sociedade insatisfeita, desregrada e, o que é pior, tendenciosamente “tola”. Quando permitimos que o consenso se torne ponto de partida para afirmar uma verdade, estamos dando espaço à criação de um ambiente completamente inumano e incoerente.

A sociedade, hoje, compraz-se em citar a liquidez de Bauman, a operacionalidade econômica de Quesnay, Gournay e Smith estes três os pais do neoliberalismo econômico, as propostas artísticas de Warhol ou a proposta mística de Bob Marley. Diga-se de passagem, não tenho nada contra as propostas e as grandezas de todos e cada um deles, só me pergunto: onde está a sua densidade, profundidade e perpetuidade na história da humanidade.

-A-dor-e-o-odor-da-crise-moral-em-uma-sociedade-insatisfeita

Foto: Nastco by Getty Images

Valorizar o ser humano

A humanidade do século XXI está perdendo o verdadeiro “cheiro” do seu ser mais humano, da sua grandeza e beleza: o ser pessoa. Estamos assistindo, diariamente, a uma realidade que desconstrói, anarquiza e desordena o ser mais íntimo, profundo e perpétuo da história: a pessoa.

Todos os dias, a informação que nos chega é dos “indivíduos” anônimos, twitados, curtidos, e o simplesmente visualizados do momento. O termo “viral” se adapta, exclusivamente, a essa realidade. Isso causa profunda dor! Não somos mais conhecidos, somos simplesmente acessados, e o acesso que tem a nós não provem do contato, mas do mero reconhecimento gráfico. Todos falam de uma nova época. Qual é a novidade dessa tão proclamada mudança? Onde se encontra essa novidade?

Eu já recebi o primeiro anúncio, já recebi os sacramentos da iniciação cristã. Pela graça de Deus, recebi o sacramento da ordem, e recebo, constantemente, o sacramento da reconciliação duas vezes na minha vida, recebi a unção dos enfermos. Tudo isso faz parte da verdadeira Boa Nova, razão pela qual meu Instagram não é funcional, pois minha imagem, cada vez mais, tenta se parecer com a imagem d’Aquele a quem sigo e, talvez por isso, eu sinta tanta dor. Não é repúdio nem raiva, é dor.

 Uma sociedade com valores

A imoralidade à qual temos chegado não é diferente daquela que a humanidade sempre tem vivido. Nossa imoralidade e falta de verdade tem sustentado inteiras civilizações, grupos e movimentos históricos. Na hora em que uma pessoa é capaz de desconhecer a outra, o primeiro se anula para anular o segundo.

Na sociedade do espetáculo, aquilo que está valendo não é a fantasia ou a imaginação, o que vale é o show acompanhado do escândalo, da atitude impudica e obcecada de querer pôr fogo em tudo o que tenha algum valor, alguma tradição. Queimam livros sagrados, editam vídeos ofensivos, destroem símbolos pátrios, realizam motins, expõem intimidades, agridem por intolerância, propõem situações nada humanas, enfim acaba com a pessoa.

O valor que está pagando essa sociedade do espetáculo é muito alto! Só que a retribuição que obterá também trará consigo um preço de incalculável destruição. Vejo boa vontade em muitas pessoas, mas vejo agressão excessiva! Nossa vocação de discípulos nasce de um gesto que é o mais forte de todos os outros gestos humanos: a ternura!

Leia mais:
.: O valor e a importância da tolerância no cotidiano
.: Como vencer a desvalorização da família
.: Eduque seus filhos com valores cristãos
.: A mídia como quarto poder: abuso ou serviço à sociedade?

Que tal, no lugar de produzir vídeos violentos e virulentos, produzíssemos textos e vídeos de esperança e alegria? No lugar de postar pessoas em cenas eróticas, apresentássemos irmãos e irmãs que esperam carinho ao serem abrigados nas ruas.

No lugar de movimentar toda uma nação para assistir, em 5 minutos, a uma cena de alta audiência onde alguém se descobre transexual, pudéssemos dispor de horas e mais horas para ir ao encontro delas e acolhê-las como o mesmo Senhor as acolheria.

No lugar de queimar cartões de crédito e promover a discórdia, praticássemos a caridade e solidariedade com os pobres e famintos.

No lugar de falar em “cura gay”, falássemos em evangelização da sexualidade e acabássemos com a prostituição infantil, juvenil e adulta, sobretudo com o turismo sexual que elimina o olhar inocente de uma criança.

Valores cristãos

Nossa vida moral nasce do seguimento a Ele: Jesus Cristo. Uma moral das bem-aventuranças, do encontro e do relacionamento, uma moral objetiva, que reconhece a pessoa em toda sua complexidade, uma moral das virtudes e não dos valores, uma moral que tem como primazia a caridade. Vamos mudar o “cheiro” da nossa sociedade, vamos esparzir o cheiro do Cristo, deixar de lado tanta agressividade e praticar muito mais a pedagogia da ternura.


Padre Rafael Solano

Sacerdote da arquidiocese de Londrina (PR). Mestre e doutor em Teologia Moral pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma e pós-doutorado em Teologia Moral e Familiar pelo Pontifício Instituto João Paulo II de Roma, Universidade Lateranense de Roma. Atua como consultor da CNBB setor vida e família e como professor de Teologia Moral e Bioética na PUC (PR), Campus Londrina.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.