papa francisco

Você sabe o que é ecologia integral?

“Louvado sejas, meu Senhor, pela nossa irmã, a mãe Terra” (Francisco de Assis). Nas últimas décadas, o aprofundamento do que se entende por ecologia vem se tornando um objetivo primordial para a humanidade. Hoje, não se aceita mais a ideia de que o desenvolvimento econômico e social acontece independentemente de uma preocupação com a manutenção do meio ambiente integrado com o ser humano. Em nossos dias, torna-se cada vez mais urgente a busca por um desenvolvimento sustentável, com o equilíbrio entre a atividade econômica, o bem-estar social, condições de vida digna e a preservação da natureza. O ser humano pertence a um todo maior, que é complexo, articulado e interdependente.

Ecologia integral: entenda o conceito que o Papa usa

Na Encíclica Laudato sì (LS), o Papa Francisco usa o termo “ecologia” não no significado genérico, romântico e superficial, ele foge do conceito comum que trata do “verde”, “meio ambiente” e desenvolve o termo “ecologia integral”, dando um sentido mais amplo, dinâmico e profundo de entendimento. O Papa supera a fragmentação das ciências e assume o novo paradigma contemporâneo segundo o qual tudo forma um grande todo com todas as realidades interconectadas, influenciando-se umas às outras. Nesse sentido, o processo de construção do oikos (do grego, casa, morada, ambiente comum) tem como sua força motriz a relação, que permite que “tudo esteja interligado”, ou seja, “tudo está em relação”, “tudo é coligado”, “tudo está conectado”.

Você sabe o que é ecologia integral

Foto Ilustrativa: PeopleImages by Getty Images

A partir do paradigma da ecologia integral, entende-se as dinâmicas sociais e institucionais em todos os níveis como afirma o Papa: “Se tudo está em relação, também o estado de saúde das instituições de uma sociedade comporta consequências para o ambiente e para a qualidade da vida humana […] Em tal sentido, a ecologia social é necessariamente institucional e atinge progressivamente diversas dimensões que vão do grupo social primário, a família, até a vida internacional, passando pela comunidade local e a Nação” (LS, 142).

O paradigma da “ecologia integral” é capaz de manter unidos fenômenos e problemas ambientais (aquecimento global, poluição, exaustão dos recursos, desflorestamento etc.) com questões que, normalmente, não são associadas à agenda ecológica em sentido estrito, como a pobreza, a qualidade de vida nos espaços urbanos ou a problemática dos transportes públicos.

O Papa mostra que a ecologia integral toca profundamente as nossas vidas, a nossa civilização, os nossos modos de agir, nossos pensamentos, e está diretamente envolvida com a globalidade, totalidade e qualidade da vida. Envolve também questões como o aborto, defende a vida desde a concepção, refugiados e mais recentes à identidade sexual.

O Pontífice reconhece que a humanidade, hoje, enfrenta uma crise existencial em múltiplas faces, ou seja, a extrema pobreza, o aumento da competição por recursos naturais, um ambiente natural ameaçado e severamente degradado, nações falidas ou à beira de um colapso e um clima próximo de sair do controle.

Papa Francisco manifesta sua preocupação com “o que está acontecendo com a nossa casa” (LS, 17-61) e afirma que “basta olhar a realidade com sinceridade, para ver que há uma grande deterioração da nossa casa comum” (LS, 61). Ele apresenta dados consistentes referentes às mudanças climáticas (LS, 20-22), à questão da água (LS, 27-31), à erosão da biodiversidade (LS, 32-42), à deterioração da qualidade da vida humana e à degradação da vida social (LS, 43-47), denuncia a alta taxa de desigualdade planetária, que afeta todos os âmbitos da vida (LS, 48-52), sendo os pobres as principais vítimas (LS, 48).

Condena a proposta de internacionalização da Amazônia que “somente serviria para os interesses econômicos das multinacionais” (LS, 38). Faz uma denúncia profética: “é gravíssima desigualdade querer obter benefícios significativos, fazendo pagar o resto da humanidade, presente e futura, os altíssimos custos da degradação ambiental” (LS, 36). Ainda: “Nunca maltratamos e ferimos a nossa casa comum como nos últimos dois séculos” (LS, 53). Lamenta os interesses dos poderes que “pensam que tudo pode continuar como está” como desculpa para “manter seus vícios autodestrutivos” (LS, 59) com “um compromisso que parece suicida” (LS, 55).

Na encíclica, o Papa Francisco concorda com um grande número de cientistas sobre as mudanças climáticas e proclama a necessidade de uma aliança entre sociedade, ciências e religiões para o cuidado da criação.

Leia mais:
.: Meio ambiente: Deus confia ao homem a sua criação
.: O tema meio ambiente pede reflexão
.: Biomas brasileiros e defesa da vida; cultivar e guardar a criação
.: O meio ambiente esta se tornando um grande depósito de lixo

Ética ecológica e responsabilidade do homem

O homem tem seu lugar de destaque neste universo ecológico em meio à multidão de organismos vivos. Ele não só vive, mas “con-vive” numa relação de dependência do meio ambiente. A própria teologia sustenta que o ser humano não vive na situação de independência absoluta. O antropocentrismo-narcisista é indefensável, não podemos mais defender que só a dignidade e os interesses humanos fundamentam a nossa obrigação de proteger o meio ambiente. Todas as criaturas apresentam uma dignidade própria, uma ética em si mesma. O ser humano não domina a natureza, mas tem de buscar caminhar para uma convivência pacífica, entre ela e sua produção, sob pena de extermínio da espécie humana.

“Um antropocentrismo desordenado gera um estilo de vida desordenado” (LS, 122). O Papa considera o valor intrínseco de cada ser: “Cada criatura possui a sua bondade e perfeição próprias. (…) As diferentes criaturas, queridas pelo seu próprio ser, refletem, cada qual a seu modo, uma centelha da sabedoria e da bondade infinitas de Deus. É por isso que o homem deve respeitar a bondade própria de cada criatura, para evitar o uso desordenado das coisas” (LS, 69).

É a superação de um conceito reducionista para uma visão global da vida. O próprio desenvolvimento científico, o bem-estar social, a troca de conhecimento, a nova visão do conceito de vida apresentado pelo pensamento filosófico e mesmo teológico, trouxeram muitas contribuições para o entendimento de ecologia como interações existentes entre os diversos organismos vivos, mostrando que o ambiente é um “sistema de relações”, “sistema integrado”. Todos os organismos estão carregados de potencialidades que buscam a sua realização. Como organismos interligados por uma teia de relações, fora desta teia não existe vida.

Na ecologia integral, tudo está em relação, “por exemplo: a relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta, a convicção de que tudo está estreitamente interligado no mundo, a crítica do novo paradigma e das formas de poder que derivam da tecnologia, o convite a procurar outras maneiras de entender a economia e o progresso, o valor próprio de cada criatura, o sentido humano da ecologia, a necessidade de debates sinceros e honestos, a grave responsabilidade da política internacional e local, a cultura do descarte e a proposta dum novo estilo de vida” (LS, 16); por isso, o Papa reconhece que “não há duas crises separadas: uma ambiental e outra social, mas uma única e complexa crise socioambiental” (LS, 139).

No entanto, “todos nós, seres humanos, caminhamos juntos como irmãos e irmãs numa peregrinação maravilhosa, entrelaçados pelo amor que Deus tem a cada uma das suas criaturas e que nos une também, com terna afeição, ao irmão sol, à irmã lua, ao irmão rio e à mãe Terra” (LS, 92).

Na Encíclica, citando o Patriarca Ecumênico da Igreja ortodoxa, Bartolomeu, “reconhece que os pecados contra a criação são pecados contra Deus” (LS, 7). Por isso, a urgência de uma conversão ecológica coletiva que refaça a beleza da harmonia perdida. O desafio urgente, então, consiste em “proteger a nossa casa comum” (LS, 13); para isso necessitamos, citando o Papa João Paulo II, de “uma conversão ecológica global” (LS, 5); “uma cultura do cuidado que impregne toda a sociedade” (LS, 231).

Ao citar sua principal fonte de inspiração, São Francisco de Assis, o Papa afirma que “é o exemplo por excelência do cuidado pelo que é frágil e por uma ecologia integral, vivida com alegria e autenticidade. Manifestou uma atenção particular pela criação de Deus e pelos mais pobres e abandonados” (LS, 10).

banner horizontal


Padre Mário Marcelo

Mestre em zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (MG), padre Mário é também licenciado em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque (SC) e bacharel em Teologia pela PUC-RJ. Mestre em Teologia Prática pelo Centro Universitário Assunção (SP). Doutor em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana de Roma/Itália. O sacerdote é autor e assessor na área de Bioética e Teologia Moral; além de professor da Faculdade Dehoniana em Taubaté (SP). Membro da Sociedade Brasileira de Teologia Moral e da Sociedade Brasileira de Bioética.

comentários