aprenda

Falta-nos a inteligência do amor

O primeiro código da senha que estamos procurando está claramente revelado: é o amor de um coração aberto, misericordioso, que escuta e acolhe. Mas como entender essa dinâmica do amor? Teria uma engrenagem racional? O amor é razoável ou é mesmo incompreensível? Existe uma lógica no amor ou ele é absurdo? Como esse gesto de revelar seu coração aberto na cruz pode ser uma ponte para a vida plena? Ou seria um poético dogma religioso que devemos simplesmente aceitar com resignação para satisfazer “o capricho dos deuses”? Passei muitos anos com essa inquietação em minha mente. A vida foi me ensinando a alquimia do amor. É paradoxal, mas funciona. “Tão contrário a si é o mesmo amor!”

Vou dar alguns exemplos. Alguns caçadores na África utilizam uma curiosa armadilha para pegar macacos. Colocam saborosas frutas em uma cumbuca com um pequeno furo, de modo que a mão entre aberta e não saia fechada. O curioso é que o macaco coloca a mão, pega as frutas e não consegue mais abrir. Assim fica preso e é pego sem dificuldade pelos caçadores. Por isso, diz o ditado com bom humor: “Macaco velho não põe a mão na cumbuca.”

Falta-nos a inteligência do amor

Foto ilustrativa: Asya_mix by Getty Images

Amor é abertura

Você deve estar se questionando: “Mas que macaco burro! Por que não abriu a mão e ficou livre?!” Exatamente: o segredo seria abrir a mão! Os macacos não a abrem, porque não possuem reversibilidade, ou seja, a capacidade de pensar para trás e perguntar: por que estou preso? São movidos pelo instinto, que só anda para a frente em busca daquilo que pode lhe dar a vida. Na busca pelo alimento, acabam caindo na armadilha. Mais difícil de entender é por que nós teimamos em manter as mãos fechadas, os braços cruzados, a mente com ideias fixas em paradigmas ultrapassados, o coração preocupado apenas com seus sentimentos. Por que somos tão narcisistas e autorreferenciais? Por que nossos ouvidos nem sempre estão abertos para o clamor do próximo? Por que não escutamos as lágrimas da natureza agredida? Por que descuidamos dos sintomas de estresse e doenças que estão em nosso próprio corpo? Por que o orgulho não nos deixa sentir saudades de Deus e do Seu colo na prática de uma religião serena e saudável? São perguntas inquietantes.

A única resposta é que nos falta a inteligência do amor. Somos macacos presos na armadilha de nossas mãos fechadas. Se vivermos na dimensão da abertura, estaremos livres e felizes. Acho que não precisa explicar mais. Amar é abrir, e este é o primeiro código, o primeiro passo para ser feliz. Simples assim! Oremos.

Leia mais:
.:Sobrenaturalizar todas as nossas ações é se santificar
.:Existe uma maneira infalível para acalmar a ira interior
.:Você já parou e pensou que essa batalha não é sua?
.:Sempre sonhe alto e confie nos planos de Deus

Oração para pedir um coração aberto

Jesus, Bom Pastor, contemplamos Vosso coração aberto e solidário. Cantamos o Vosso louvor, porque nos acolhestes como amigos, e nos chamastes para partilhar da Vossa ternura.

Profetas da reconciliação e da paz, queremos promover a unidade, para que o mundo creia. Generosos no serviço, estamos dispostos a partilhar nossa vida com os pobres e sofredores.

Testemunhas do Vosso Reino, esforçamo-nos para curar a humanidade ferida com o bálsamo do Evangelho.

Confirmai em nós o dom recebido e associai-nos à Vossa entrega de amor, para a glória e alegria Daquele que nos amou primeiro. Amém.

Trecho extraído do livro “Os cinco segredos do amor”, de padre Joãozinho, SCJ.


Padre Joãozinho, SCJ

Padre da Congregação do Sagrado Coração de Jesus (Dehonianos), doutor em Teologia, diretor da Faculdade Dehoniana em Taubaté (SP), músíco e autor de vários livros. Autor de livros publicados pela Editora Canção Nova.

http://blog.cancaonova.com/padrejoaozinho/

comentários