Dom de Deus

Sermos castos hoje. O que significa?

“A vós, jovens, digo: sede castos… esforçai-vos por viver o amor castamente!”. (Papa Francisco, visita Pastoral a Turim , 21 de junho de 2015). Estas palavras de papa Francisco aos jovens, ao encontra-los na cidade de Turim (Itália), tem suscitado reações de toda sorte. E todas elas têm revelado que a palavra “castidade” muitas vezes não é compreendida, antes, equivocada e escarnecida, sobretudo enquanto ela está sendo confundida com a abstinência ou continência sexual e com o celibato.

A etimologia nos sugere que são castos (castus) aqueles que recusam o incesto (in-castus). O incesto acontece cada vez que não se vive a distância e não se respeita a alteridade, a qual não é somente “diferença”. Não é casto quem pretende a fusão, o apego, a posse: sinal de tal atitude imprópria é a agressividade que nestes casos facilmente se acende e se manifesta.

Estou sempre mais convencido que a sexualidade pertence ao espaço do dom, pois pede o dar e o receber, e se coloca sempre na relação entre dois sujeitos. A sexualidade não se reduz à genitalidade, e a capacidade de doar e receber é mais ampla que a exercitada na genitalidade: investe a pessoa na sua totalidade e nas suas relações.

Sermos castos hoje. O que significa?

Foto ilustrativa: Larissa Ferreira/cancaonova.com

Os castos são aqueles que exercem a arte de não tratar, jamais, o outro como objeto

Por isso, a sexualidade é uma realidade boa e bela, mas seu uso pode ser inteligente ou estúpido, animado pelo amor ou violento, ligado ao amor ou à pulsão. A sexualidade nos impele para a relação com o outro, mas depende de nós procurarmos, nesta relação, o encontro ou a posse, a sinfonia ou a prepotência, o intercâmbio ou o narcisismo (a autorreferência).

Poderíamos dizer que a castidade é a arte de não tratar jamais o outro como objeto, pois, nesse caso, consome-o, descarta e destrói. Arte difícil e fadigosa, que exige tempo: não se nasce casto, mas é preciso dizer-se claramente – nasce-se incestuoso, e o exercício de separação e distinção nos conduz rumo a uma subjetividade verdadeira e autônoma.

A castidade doa às relações humanas uma transparência que permite às pessoas se reconhecerem reciprocamente, respeitando em cada um o seu mais íntimo. Pensemos no encontro sexual dos corpos, na sua nudez e na intimidade que dela nasce. Quando os corpos, na nudez, encontram-se e entrelaçam-se, acende-se um conhecimento recíproco que não é comparável ao que mesmo os amigos mais íntimos podem ter de si.

Os castos vivem a comunhão autêntica de duas pessoas

Partilhar o corpo e o respiro cria uma união que é “conhecimento único”, é – ousarei dizer citando João Paulo II – “liturgia dos corpos”, é conhecimento que penetra nas profundidades, e de uma profundidade única. Quando se toca um corpo não se toca algo mas uma pessoa, que não é objeto de prazer, que não pode ser consumida e que, ao contrário, é possibilidade de comunhão autêntica.

Sem essa comunhão não é possível a castidade, mas somente a obediência à pulsão, ao instinto, à posse. Escrevia o poeta Rainer Maria Rilke: “Não existe nada mais árduo do que amar; é um trabalho, um trabalho diário. O amor é difícil e não está ao alcance de todo mundo”.

O ato sexual, cumprido nos tempos e nos modos que os amantes sabem discernir como lindos, bons e “certos”, é conhecimento, e não se deve ter medo de afirmar que é o sumo prazer a acender esse conhecimento. Mas não é fácil distinguir este prazer sumo – que acontece no encontro dos corpos, dos corações e das inteligências – da dinâmica que caracteriza a pulsão. Sim, a pulsão sozinha, com sua prepotência, pode criar o inferno; porém, ela nos habita e, se ela não estiver presente, não seremos capazes de maneira natural de nos doarmos e nos acolhermos reciprocamente. A pulsão sozinha pode até conduzir à união dos corpos, que conhece somente o átimo fugaz, e à excitação, que conhece o envelhecimento precoce dos próprios sentidos.

Não é também por esta razão que tantas histórias de amor, mesmo as publicamente celebradas, conhecem o fim e, por isso, a falência do amor?

O amor tem que vencer todo dia

O amor entre duas pessoas é um longo caminho que somente uma força maior do que elas – reconhecido pelo crente como misericórdia de Deus – pode torná-lo possível como sendo sem interrupção. Por parte dos que se amam, existe sempre um elemento de fragilidade, um não estar à altura do outro, uma incapacidade de estar em sintonia com o outro. O amor tem que vencer todo dia contra todas as forças que atuam no sentido contrário, enquanto obedecem somente à pulsão. E esta não procura o bem do outro, embora nos faça dizer que o amamos.

Leia mais:
.: Sua sexualidade é um dom
.: Qual é o grau de importância do sexo na vida do casal?
.: Oito formas de esposa agradar o marido
.: A importância do afeto no relacionamento

Quando, diante do outro sujeito, não sabemos estar com respeito, como diante de um mistério, diante de uma transcendência; quando não somos capazes de nos inclinarmos diante do outro por amor, quando não se percebe o segredo do outro, que supera nossa compreensão, significa que não somos capazes de castidade.

Eis a dificuldade da castidade, quase impossível, inviável poderíamos dizer. O próprio Jesus alertou seus discípulos dizendo: “Todo aquele que olhar para uma mulher, com o desejo de possui-la, já cometeu adultério com ela no seu coração” (M7, 5,28). Olhar para uma mulher com o desejo de possui-la é vê-la não como pessoa, mas como objeto, portanto, não a perceber como “pessoa outra”. Significa passar ao lado de uma possível relação autêntica, para percorrer outros caminhos que não conduzem à comunhão.

Celibato x Castidade

Se, porém, nos colocamos diante dessa exigência, compreendemos nossas fragilidades, nossas incapacidades, e percebemos a “dominante animal” que se encontra em nós e que nem sempre conseguimos submeter e ordenar. Por isso mesmo, eu acredito, Jesus anunciou o mistério da sexualidade e o uniu à tensão escatológica do Reino de Deus que vem. A castidade é um longo percurso, e chegaremos a ser castos de verdade somente se aceitarmos morrer, se aceitarmos fazer da morte um ato consciente, um ato em que as amarras são soltas.

Muito frequentemente, pelo contrário, assimila-se o celibato à castidade, esquecendo que celibato é uma “situação” que se vive, enquanto a castidade se encontra em um nível diferente: ela não é uma “situação”, mas uma “dinâmica” que não alcança jamais plenamente seu objetivo. Nós humanos somos tão frágeis, conhecemos tão pouco nossas profundidades, não conseguimos possuir nosso íntimo mais escondido, e somos habitados por pulsões e desejos que nem sempre se distinguem entre si.

Por essa razão mesmo, atrevo-me a dizer que quem faz profissão de celibato pode prometer diante de Deus e manifestar com os votos essa “situação”, enquanto a castidade não deveria ser uma “promessa”, pois o sujeito pode tender para ela, mas jamais conseguirá vivê-la em plenitude e sem contradições.

O celibato cristão pede que procuremos a castidade, mas não se identifica simplesmente com ela. Do celibato talvez se possa dizer que é “grandeza”, mas se deve dizer também que é “pobreza”, aquela pobreza que cada um conhece nas suas contradições em relação à castidade.

Castidade é amor

Eis por que acho ter sido bom que Papa Francisco tenha lembrado aos jovens as exigências da castidade, tensão interior preciosa em toda escolha de vida conexa com o amor, e impossível de alcançar sem um caminho de humanização.

Dom Cristiano Sousa, OSB Cam.
Mosteiro San Gregorio al Celio, Roma

banner afetividade

comentários