1ª parte

Pornografia feminina e a insatisfação de mulheres casadas

Você sabia que a busca pela pornografia feminina cresce mais que a masculina?

Estou preocupada com o aumento da procura por pornografia feminina e da insatisfação, relatada por elas, em suas relações conjugais. O maior site de pornografia adulto do mundo revelou que, atualmente, mais de um quarto de seus visitantes são mulheres. Segundo dados, 18% das mulheres acessam pornografia diariamente, 63% semanalmente.

-Pornografia-feminina-e-a-insatisfação-de-mulheres-casadas-Foto: Yuri_Arcurs

Ora, sabemos que a busca pela pornografia nos homens é elevada, principalmente porque a sexualidade do homem é estimulada por aquilo que ele vê. Dizemos que, na sexualidade, o homem é visual, portanto, excita-se com a imagem pornográfica. A mulher, até então, “era” emocional, ou seja, sentindo-se emocionalmente amada, seu corpo se abre ao prazer. O que está acontecendo, então, com a mulher “moderna”, justo agora que o homem moderno está se tornando cada vez mais afetivo?

Um estudo propõe que a pornografia está ligada à insatisfação das mulheres com a aparência de seus parceiros. Alguns discordam, dizendo que se trata apenas de uma conscientização sexual da mulher. Outras conjecturas dizem que a culpa é do homem, em não saber satisfazer sua esposa. Uma de minhas hipóteses é de que essa busca da mulher pela pornografia é uma tentativa de igualar-se ao homem. Se for isso, que pena! Somos complementares.

Expectativas irrealistas

Como disse uma grande pessoa que conheci ao longo da vida, uma casa só com homens é um grupo de postes. É a mulher quem faz a ligação entre os postes, ela é o fio, é ela quem gera a luz. A luz é o amor que transforma o grupo de postes em família.

Um estudo realizado pela Universidade de New Brunswick, no Canadá, sustenta que a pornografia feminina tem causado nas mulheres “expectativas irrealistas” para com os seus maridos, querendo que o mundo virtual, portanto irreal (que modifica imagem, tamanho e tempo), seja replicado na vida real. Se isso está se tornando o mais importante para a mulher, significa que ela está perdendo a essência do que é fazer amor.

Só me faltava essa, a mulher “coisificando” a sexualidade! Se isso acontecer, fico desacreditada na humanidade. Como serão os filhos frutos dessa “coisificação”? A sexualidade envolve as três dimensões do ser humano: corpo, emoção e alma. A pele tem “poros” que atingem a alma, mas somente a alma do amado é capaz de penetrar nesses poros e tocá-la. Portanto, não se trata apenas de encontro de corpos, mas de almas.

Febre

Em meu livro ‘Cura dos sentimentos em mim e no mundo’, no capítulo ‘Matrimônio: nossa alma faz amor’, falo sobre isso de forma mais profunda, relatando as consequências da vivência da sexualidade do casal na vida dos filhos. Só a sexualidade vivida de forma plena, envolvendo as três dimensões, é capaz de gerar filhos plenos, fortes, sensíveis, capazes de amar. Quando um casal faz amor, estão em profunda unidade com a dimensão transcendente.

Leia mais:
::Como elevar a autoestima feminina e transbordar felicidade?
::Alma feminina e sua importância para compreender o mundo
::Empoderamento: os poderes sociais da mulher cristã
::Os malefícios e consequências do sexo praticado precocemente

Esse tema envolve muitos aspectos, que não conseguirei abordar em apenas um texto, mas precisamos buscar as raízes mais profundas, entendendo que a pornografia feminina é apenas um sintoma, uma “febre” que sinaliza que a sexualidade está doente na humanidade.


Adriana Potexki

Adriana Potexki é escritora e autora dos livros ‘A cura dos sentimentos em mim e no mundo’ e ‘A cura dos sentimentos nos pequeninos’. Com formação em Psicologia, ela é terapeuta certificada pelo EMDR Institute, palestrante internacional e blogueira do site ‘Sempre Família’, do Grupo GRPCom.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.